Publicidade

Estado de Minas

Prefeitura anuncia redes de água e esgoto em três assentamentos de BH

Segundo a PBH, a medida atende 57 ruas das ocupações Dandara (Pampulha), Montes Claros (Nordeste) e Maria Tereza (Norte); no total seis mil pessoas serão beneficiadas


postado em 16/05/2018 19:33 / atualizado em 16/05/2018 19:43

Em entrevista coletiva, a secretária de Política Urbana de Belo Horizonte, Maria Caldas, indicou as primeiras medidas de urbanização nas 119 Áreas Especiais de Interesse Social (AEIS) espalhadas pela capital(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Em entrevista coletiva, a secretária de Política Urbana de Belo Horizonte, Maria Caldas, indicou as primeiras medidas de urbanização nas 119 Áreas Especiais de Interesse Social (AEIS) espalhadas pela capital (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Na tarde de hoje, a Prefeitura de Belo Horizonte confirmou o início da urbanização das Áreas Especiais de Interesse Social (AEIS), por meio da instalação das redes de água e esgoto nas ocupações Dandara (Pampulha), Montes Claros (Nordeste) e Maria Tereza (Norte). O anúncio foi feito pela secretária de Política Urbana, Maria Caldas, em entrevista coletiva concedida na Câmara Municipal. 

De acordo com Caldas, a ação contempla 57 ruas, que já estão em condições de receber a tecnologia, e seis mil pessoas, somando os três aglomerados. A secretária também afirmou que a Ocupação Dandara já tem 100% das redes de água e esgoto instaladas pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa).

Na ocasião, a representante da prefeitura também ressaltou os trabalhos da Cemig nos aglomerados Irmã Dorothy e Camilo Torres, no Barreiro. Segundo ela, essas famílias devem receber, nos próximos dias, energia elétrica por meio de lâmpadas de LED.

Quanto às ocupações Montes Claros, Dandara e Maria Tereza, ela destacou que ainda falta a remoção das ligações clandestinas (gatos), que não podem ser aproveitadas pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). As questões fundiárias, que ainda estão na Justiça, são outro problema para ligação da rede elétrica. 

Na foto, Sonia Knauer (Copasa), Maria Caldas (Política Urbana) e Carlos Renato de Almeida (Cemig).(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Na foto, Sonia Knauer (Copasa), Maria Caldas (Política Urbana) e Carlos Renato de Almeida (Cemig). (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)


As medidas seguem a linha de um decreto assinado pelo prefeito Alexandre Kalil (PHS), em parceira com o governador Fernando Pimentel (PT), em abril deste ano. A força-tarefa visa à criação de um “ambiente jurídico” para regularização das 119 ocupações mapeadas pela prefeitura, além da urbanização desses locais. Dessa maneira, os assentamentos ganham status de bairros, a partir de medidas que beneficiam 93 mil pessoas, segundo levantamento da PBH. 

O encontro da tarde de hoje também contou com as presenças de Sônia Knauer, assessora da presidência da Copasa, e Carlos Renato Almeida, da Superintendência de Relacionamento com Agentes Públicos da Cemig. 

Transporte sustentável em vilas e favelas

Durante a entrevista coletiva, a secretária de Política Urbana, Maria Caldas, também ressaltou a busca de investimentos estrangeiros para instalação de micro-ônibus elétricos em vilas e favelas. “Em função da condição topográfica e viária, boa parte dessa população está excluída do sistema de mobilidade”, destacou.

O valor está dimensionado em R$ 62 milhões para compra de 50 veículos, que, segundo o governo municipal, também diminuiriam a emissão de gases poluentes. As trativas serão desenvolvidas durante o Fórum Ambiental Acelerando para Mudanças, realizado na Suécia, na segunda quinzena de maio. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade