Publicidade

Estado de Minas

Corais de religiões diferentes se reúnem em culto ecumênico

Religiões evangélica, espírita, afro e católica se juntaram com um objetivo: ajudar o próximo


postado em 28/04/2018 19:26 / atualizado em 29/04/2018 14:47

(foto: Gladyson Rodrigues/EM/D.A)
(foto: Gladyson Rodrigues/EM/D.A)
Vestes brancas, tombores e muito mais. Oito corais das religiões evangélica, espírita, afro e católica se juntaram com um objetivo: ajudar o próximo. Essa foi a principal premissa da quarta edição do Encontro de Corais, que ocorreu neste sábado, na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Com entrada franca, o evento teve objetivo de arrecadar alimentos para ações sociais.

“Este evento ocorre uma vez por ano. A ideia é promover um intercâmbio cultural e social. Somos todos filhos de Deus e é isso que nos une”, contou Humberto Garcia, regente do coral Adorart e idealizador do encontro. No total, cerca de 120 pessoas participaram do grande evento de paz e amor.

O Coral Espírita João Cabete foi um dos estreantes desta edição e levou um repertório bem diverso. “Temos o lema de cantar para curar as feridas do coração. Quando recebemos esse convite, ficamos muito contentes porque tem tudo a ver com a nossa proposta. Não só cantamos músicas espíritas, mas também MPB e até canções católicas. O objetivo é levar uma mensagem de Cristo”, contou a regente, Sônia Maria Sanches.

O grupo Tambor de Família também se juntou aos estreantes para levar o tambor e a afirmação negra para o auditório. “O nosso foco é desassociar a cultura e a religião. Não é porque, por exemplo, sou gospel que não posso tocar tambor. Por isso, acho louvável esse tipo de encontro. Ultimamente, a religião mais separa que nos une. Temos que mudar isso”, disse a participante Raquel Profeta Costa.

AÇÃO SOCIAL 
Neste ano, a Missão Primeiro Amor, casa de recuperação voltada para homens, será a beneficiada com as doações arrecadadas durante o encontro. Localizada no Bairro Trevo, na Região Pampulha, a entidade atende, em média, a 15 homens em busca de reabilitação física, emocional e espiritual. A casa também presta apoio a três comunidades carentes da região: Bispo de Maura, Dandara e Vilinha. Os trabalhos são mantidos por meio de doações de voluntários.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade