Publicidade

Estado de Minas

Fiscalização da Semad fará workshops para a indústria em Pouso Alegre e Juiz de Fora

No Programa de Fiscalização Ambiental Preventiva na Indústria (FAPI) são realizadas ações fiscalizatórias diferenciadas, com prioridade ao trabalho de orientação, em detrimento das ações de fiscalização repressiva


postado em 24/04/2018 18:32 / atualizado em 24/04/2018 19:38

Juiz de Fora, na Zona da Mata, e Pouso Alegre, no Sul de Minas, vão receber o Programa de Fiscalização Ambiental Preventiva na Indústria (FAPI), desenvolvido pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). Serão realizados workshops sobre regularização ambiental em cada cidade. Nesta quarta-feira, o encontro será em Pouso Alegre, e na quinta-feira, em Juiz de Fora.

No Fapi são realizadas ações fiscalizatórias diferenciadas, com prioridade ao trabalho de orientação, em detrimento das ações de fiscalização repressiva. Entre os temas discutidos nos encontros estão a Importância da Fiscalização na Gestão Ambiental das Indústrias; a Fiscalização Ambiental na Indústria, e Orientações sobre Como Regularizar sua Atividade. Ao final de todos os encontros o debate é aberto aos participantes para esclarecimento de dúvidas.

Entre abril e junho, serão 12 encontros em diferentes cidades de Minas Gerais. As ações do programa estão divididas em três etapas sendo a primeira de orientação, com a realização dos workshops; seguida da fiscalização e do monitoramento dos resultados.

Para o subsecretário de Fiscalização ambiental, Cláudio Vieira Castro, o Programa tem apresentado êxito na medida em que o órgão ambiental tem conseguido trazer empreendimentos irregulares para o processo de regularização. De acordo com ele, a intenção é expandir esse programa para outros setores como a agricultura, onde as negociações para a efetivação estão avançadas. “A expectativa é que esse tipo de programa seja ampliado. À medida que formos alcançando resultados satisfatórios, a tendência é trazer outros segmentos”, disse.

Já o superintendente de Estratégia em Fiscalização Ambiental da Semad, Flávio Aquino, acredita que o trabalho deve diminuir as multas. “Isso não significa que o trabalho fiscalizatório é ineficiente, mas que as empresas estão trabalhando dentro das normas estabelecidas. Assim, a qualidade ambiental se torna melhor e temos menos impactos ambientais e um meio ambiente mais equilibrado”, afirmou.

Em 2017, foram realizados 17 workshops do Programa Fapi, com aproximadamente 1,3 mil pessoas orientadas e 29 alertas emitidos para a indústria.

Veja abaixo o cronograma dos próximos encontros

 
Confira a programação completa: www.fiemg.com.br/fapi

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade