Publicidade

Estado de Minas

Buscas por soldado da PM suspeito de matar a ex e fugir com a filha entram no quarto dia

Os serviços de inteligência das polícias Civil e Militar tentam encontrar vestígios que levem até o homem. As investigações já apontam que ele planejou o assassinato


postado em 17/04/2018 15:40 / atualizado em 17/04/2018 22:07

O assassinato aconteceu no último sábado em Santos Dumont(foto: Divulgação)
O assassinato aconteceu no último sábado em Santos Dumont (foto: Divulgação)

As buscas pelo soldado da Polícia Militar Gilberto Novaes, suspeito de matar a ex-mulher a tiros em Santos Dumont, na Zona da Mata, e levar a filha de 4 anos, entram no quarto dia. Os serviços de inteligência das polícias Civil e Militar tentam encontrar vestígios que levem até o homem. As investigações já apontam que ele planejou o assassinato. Indício disso é o fato de ele ter tomado um carro emprestado e supostamente sacado dinheiro para a fuga. Uma força-tarefa foi montada para tentar encontrá-lo e a filha.

De acordo com o sargento Dirceu Rodrigues da Costa Filho, do serviço de inteligência da PM, cidades vizinhas a Santos Dumont foram contatadas para fazer um cerco. Mesmo assim, ainda não há suspeita da localização do soldado. “A gente não tem nada de concreto. As buscas continuam e o serviço de inteligência da PM e da Polícia Civil está trabalhando para buscar dados”, disse.

Os levantamentos iniciais mostram que o crime foi premeditado. “Parece que planejou tudo com detalhes para não deixar rastro. Tivemos informações extraoficiais de  que ele teria se planejado financeiramente para a fuga. Até agora não temos nenhum vestígio”, comenta.

O modo como ocorru o assassinato reforça a tese.  A ex-companheira do soldado foi morta a  tiros na casa dela, no Bairro Córrego de Ouro, em Santos Dumont. Gilberto teria atacado a mulher quando ela saiu de casa para receber comida encomendada. A polícia relata que o namorado da vítima disse que estava na casa quando o militar entrou armado na residência, disparou contra a mulher e saiu com a filha no colo. Ele informou que teve de se esconder atrás de um poste para se proteger quando ouviu os tiros.

De acordo com o sargento Dirceu, o soldado utilizou o carro de um colega para não ser reconhecido. “De forma sorrateira ele conseguiu um carro para a mulher não reconhecer o veículo dele”, disse. O proprietário do carro foi ouvido e disse que o militar trocou de veículo com ele dias antes. Não foi divulgado qual o motivo para a troca.

Brigas constantes


De acordo com a PM, o policial estava afastado por problemas psicológicos e era ligado ao 29º Batalhão, de Poços de Caldas, no Sul de Minas. A vizinhança disse aos investigadores que as brigas entre Gilberto e Sthefania eram frequentes e brutais, motivo pelo qual ela pediu proteção à polícia. “Ele vinha havia dois meses fazendo tratamento psicológico e estava afastado das atividades devido às ameaças e agressões contra a ex”, disse o sargento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade