Publicidade

Estado de Minas

Incêndio atinge galpão no Bairro São Cristóvão, em BH

O fogo se espalhou rapidamente e ameaçou imóveis vizinhos. A suspeita é que as chamas tenham começado em uma tentativa de furto


postado em 10/04/2018 09:07 / atualizado em 10/04/2018 12:48

Funcionários fizeram a limpeza do galpão nesta terça-feira(foto: Beto Novaes/EM/D.A.Press)
Funcionários fizeram a limpeza do galpão nesta terça-feira (foto: Beto Novaes/EM/D.A.Press)

Militares do Corpo de Bombeiros tiveram trabalho para combater um incêndio na madrugada desta terça-feira em um galpão no Bairro São Cristóvão, Região Noroeste de Belo Horizonte. O fogo se espalhou rapidamente e ameaçou imóveis vizinhos. A suspeita é que as chamas tenham começado em uma tentativa de furto.



A ocorrência começou a ser atendida por volta das 4h na Rua Formiga. As chamas se espalharam pelo galpão de aproximadamente 150 metros quadrados. Testemunhas contaram que três homens teriam forçado o portão na tentativa de entrar no imóvel e furtar alguns materiais. A suspeita é que a ação provocou um curto circuito. O trio fugiu do local.

De acordo com a Polícia Militar (PM), vizinhos informaram que ouviram barulhos de dentro do galpão por volta das 3h e 4h. Relatos, que constam no boletim de ocorrência, indicam que eram aproximadamente 10 pessoas tentaram invadir o local. A testemunha informou que ouviu o grupo dizer “vamos destruir tudo”. Depois de um tempo, sentiu um cheiro forte de fumaça e as paredes laterais do cômodo esquentar.

Duas viaturas do Corpo de Bombeiros foram para o local. Os militares utilizaram aproximadamente 2 mil litros de água para debelar o fogo. O responsável pelo local informou que lá funcionava uma empresa que encerrou as atividades. Por isso, o espaço estava sendo usado para guardar alguns bens. Entre os materiais queimados estavam computadores, armários de madeira, documentos, macas de massagem, manequins, entre outros.

Como as chamas atingiram a rede elétrica, a Cemig foi acionada. Ninguém ficou ferido. A Polícia Civil vai investigar o caso. Funcionários do galpão estiveram no local para limpar o material queimado. Eles informaram que estão à procura de imagens de câmeras de segurança que possam identificar os criminosos.

Militares utilizaram 2 mil litros de água para debelar as chamas(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Militares utilizaram 2 mil litros de água para debelar as chamas (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade