Publicidade

Estado de Minas

Bispo mineiro é preso em operação contra desvios de dinheiro na igreja

Detido em Goiás, José Ronaldo Ribeiro já passou pela diocese de Janaúba, no Norte de Minas, onde ele também está envolvido em denúncias de irregularidades


postado em 19/03/2018 11:46 / atualizado em 20/03/2018 08:53

Em novembro de 2014, dom José Ronaldo foi transferido pelo papa Francisco para Formosa(foto: Diocese de Formosa/Divulgação)
Em novembro de 2014, dom José Ronaldo foi transferido pelo papa Francisco para Formosa (foto: Diocese de Formosa/Divulgação)


Uso de dinheiro de dízimo e doações de fiéis para a compra de fazenda de criação de gado, casa lotérica e caminhonetes. Segundo investigações da polícia, essas são as irregularidades de um esquema que seria comandado pelo bispo de Formosa (GO), dom José Ronaldo Ribeiro, preso nesta segunda-feira, com quatro padres e um monsenhor, em Goiás, pela suspeita de desvios de recursos da Igreja Católica. O religioso é de Uberaba, no Triângulo Mineiro. Antes de seguir para Goiás, foi bispo de Janaúba, no Norte de Minas, onde também se viu envolvido em denúncias de irregularidades na movimentação de recursos.

Os religiosos foram detidos na Operação Caifás, realizada pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) para apurar desvios de recursos da Igreja Católica em Posse, Formosa e Planaltina. As investigações apontam prejuízos de mais de R$ 2 milhões.

Segundo o MP-GO, o grupo se apropriava de dinheiro proveniente de dízimo, doações, arrecadações de festas e taxas de eventos como batismos e casamentos. Além de residências e igrejas, um mosteiro foi alvo da investigação. Houve apreensão de dinheiro no fundo falso de um guarda-roupa do monsenhor detido.

Em Minas, dom José Ronaldo assumiu a Diocese de Janaúba em agosto de 2007, logo depois de ser nomeado bispo pelo papa Bento XVI. Antes da nomeação, era padre na Paróquia Imaculada Conceição, em Sobradinho (DF). Em 2010, depois de ter nomeado um irmão para a gerência de Finanças da Diocese de Janaúba, surgiram denúncias de irregularidades na movimentação de recursos.

“As despesas com a casa episcopal aumentaram muito, mas ninguém teve coragem de formalizar denúncia por escrito para que fosse feita uma apuração”, afirma uma fonte do meios policiais de Janaúba, que pediu o anonimato. Mas o bispo negou a acusação de desvios, que atribuiu a pessoas que, segundo ele, agiam de “maneira orquestrada como forma de desestabilizar sua gestão. “Estou em paz. Tenho dado o melhor de mim para a evangelização na diocese”, declarou dom José Ronaldo, em entrevista a um jornal local, quando Janaúba recebeu a visita do núncio apostólico no Brasil, dom Lorenzo Baldisseri. As suspeitas não chegam a ser investigadas.

Na sequência, surgiram denúncias de que jovens que moravam com dom José Ronaldo na Residência Diocesana estavam furtando bolsas e carteiras dos fiéis dentro da igreja. Ele voltou a negar as acusações. Houve filmagem de um furto, um inquérito teria sido aberto, mas a investigação não teve nenhum desfecho. Em novembro de 2014, dom José Ronaldo foi transferido pelo papa Francisco para Formosa.

O Estado de Minas encaminhou e-mail para a Diocese de Janaúba para que se pronunciasse sobre o assunto, mas não obteve resposta. Já a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) afirmou aguardar informações da assessoria jurídica para se pronunciar sobre o caso.

Escutas telefônicas autorizadas pela Justiça apontam que Dom José Ronaldo e os demais religiosos suspeitos compraram uma fazenda de criação de gado e uma casa lotérica com dinheiro desviado de dízimos e doações. Ao determinar a prisão temporária do grupo, o juiz Fernando Oliveira Samuel citou indícios de que o dinheiro custeava despesas pessoais dos envolvidos .

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade