Publicidade

Estado de Minas

Venda de bebê é barrada em hospital de Contagem

Mensagens enviadas em redes sociais mostram a negociação da mãe com suspeitos antes do nascimento. Cinco pessoas foram detidas


postado em 07/03/2018 09:18 / atualizado em 07/03/2018 12:26

Uma negociação realizada em redes sociais por pouco não terminou com a venda clandestina de um bebê, nascido nessa quinta-feira em Contagem, na Grande BH.
 
O bebê seria entregue a pessoas suspeitas de integrar uma quadrilha do Rio de Janeiro especializada na compra e venda de crianças . 

De acordo com a Polícia Militar, o caso foi descoberto quando um dos suspeitos, Adriano Teixeira, de 39 anos, chegou ao Hospital de Contagem, na Avenida João César de Oliveira, e se identificou como pai da criança. O hospital estranhou porque geralmente pais sobem ao apartamento, não pedem informações sobre estado de saúde do filho na portaria. 

Funcionários da maternidade indagaram a mãe, internada em um leito da unidade, sobre quem era Adriano. 
A jovem, de 24 anos, disse que ele não era o pai da criança. E confessou que havia negociado a venda do filho. Mais tarde, se disse arrependida. O hospital já vinha estranhando a situação da mulher, que chegou à maternidade sem roupas e utensílios para o bebê.

Conforme a PM, após a revelação da mãe do recém-nascido, diretores do hospital acionaram a polícia, que ouviu da jovem detalhes da negociação, realizada com Lilian da Conceição, de 32 anos, por Facebook e um grupo de Whatsapp, chamado Barriga de aluguel.

Em mensagens enviadas nas redes sociais e armazenadas no celular da mãe da criança, a Polícia Militar confirmou a versão. Valores não foram divulgados, mas, conforme a PM, Lilian custeava a gestação em troca de receber o bebê. 

Contradição e prisões 

Lilian da Conceição negou a versão da mãe da criança e informou aos militares que pagou os gastos da gravidez por amizade com a mãe do bebê e que veio do Rio de Janeiro para conhecer a criança.

Mas, segundo a PM, mensagens no celular de Lilian mostravam a negociação com a moradora de Contagem e também com mulheres de outras cidades e com pessoas interessadas em adotar crianças de maneira clandestina. 

Com Adriano e Lilian, foram detidos pela PM duas mulheres, de 33 e 42 anos, e um homem de 62. Nenhum familiar da mãe do recém-nascido estava no hospital para conversar com a Polícia Militar. 

A Polícia Civil foi procurada para dar detalhes da investigação, mas como a ocorrência terminou durante o plantão noturno, as informações ainda são apuradas pela assessoria de imprensa. 
 
(Com informações de Ilson Gomes, TV Alterosa)
 
*Sob supervisão do editor Benny Cohen



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade