Publicidade

Estado de Minas

Grupo que trocou tiros com a PM é suspeito de explodir caixas em resort da Grande BH

O bando explodiria caixas eletrônicos em Setubinha, no Vale do Jequitinhonha, mas entraram em confronto com policiais. Dois criminosos foram mortos e um foi preso


postado em 26/02/2018 18:07 / atualizado em 27/02/2018 07:42

Criminosos entraram em confronto com policiais militares em Setubinha(foto: Polícia Militar / Divulgação)
Criminosos entraram em confronto com policiais militares em Setubinha (foto: Polícia Militar / Divulgação)

Informações colhidas pela equipe de inteligência da Polícia Militar (PM) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) foram essenciais para evitar a ação de uma quadrilha especializada a roubos a banco.

O bando explodiria caixas eletrônicos em Setubinha, no Vale do Jequitinhonha, mas entrou em confronto com policiais. Dois criminosos foram mortos e um foi preso.

Dados da PM dão conta que a organização criminosa já participou de crimes semelhantes em outras quatro cidades mineiras, entre elas, o ataque a terminais no Tauá Resort Caeté, na Grande BH, em dezembro. Armas e explosivos foram apreendidos.

Os criminosos foram surpreendidos na madrugada desta segunda-feira quando chegavam para atacar as agências.

De acordo com major Flávio Santiago, chefe da sala de imprensa da PM, ações para evitar a atuação das quadrilhas de ataques a banco, conhecidas como o “Novo Cangaço”, estão sendo realizadas em toda Minas Gerais. Em uma dessas operações de cerco bloqueio, a organização criminosa acabou interceptada.  Durante os trabalhos, os militares receberam a informação de que o ataque seria realizada em Setubinha.

Por volta das 3h, equipes da PM foram para a cidade e houve confronto com os criminosos. “De imediato, as forças do comando de policiamento especializado, acoplados ao comando de policiamento da 15ª Região, atuaram de forma a abordar e interceptar a ação. Os policias foram recebidos a tiros pelos infratores e  fizeram a retaliação dessa injusta agressão. De imediato, comunicaram o cerco bloqueio e conseguiram prender o terceiro indivíduo já no sentido de Malacacheta”, afirmou o major Santiago. No confronto, dois homens acabaram morrendo.  

Com os criminosos, foram encontradas duas armas adaptadas, 9 milímetros, considerada de grosso calibre, além de grande quantidade de explosivos. Para a PM, uma tragédia foi evitada. “Temos informações de que em Setubinha, colada ao banco, há uma casa onde dois idosos tem a cama colada com a própria agência em divisa, como se fosse uma geminação. Então, com a quantidade de explosivos que foi apreendido, hoje poderíamos estar diante de uma tragédia, que foi evitada pela ação pontual e cirúrgica da PM”, completou o major.

Parte da quadrilha acabou presa pelos policiais. Dois integrantes já tinham sido encontrados na última semana e outro na ação desta segunda-feira. Além disso, outros dois acabaram mortos durante o confronto.

Os levantamentos da PM mostram que o grupo é responsável por outros crimes semelhantes em Minas Gerais. “Temos informações desse terceiro, que o grupo atuou em Gouvêa, Raposos e Ataléia, e também no hotel tauá, em Caeté”, completou Santiago ressaltando que investigações serão realizadas para identificar outros possíveis ataques do grupo em outras cidades.

A PM ressaltou que operações estão sendo realizadas constantemente em todo o estado para reprimir a ação das quadrilhas. “Importante frisar que toda vez que houver qualquer ameaça de ataque a vida desses policiais militares, a vida  de encarregados de aplicar a lei, a vida dos cidadãos mineiros, a nossa ação será pontual de forma a prevenir a vida e sempre em defesa da sociedade mineira”, finalizou o major.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade