Publicidade

Estado de Minas

Sobe para 36 o número de mortos por febre amarela em Minas

Casos já chegam a 81; Mariana, na Região Central de Minas, é a cidade com o maior número de registros confirmados da doença. Presidente Bernardes e São Thomé das Letras entraram na lista


postado em 30/01/2018 12:42 / atualizado em 30/01/2018 14:21



Minas Gerais já registra 81 casos de febre amarela de julho de 2017 até agora. Destes, 36 resultaram em mortes de pacientes. Os números são do boletim da Secretaria de Estado de Saúde (SES) divulgado no início da tarde desta terça-feira. Outros 208 casos continuam sob investigação. 

Mariana, na Região Central de Minas, é a cidade com o maior número de casos confirmados de febre amarela. Conforme o boletim, são 14 vítimas, sendo que quatro morreram. Nova Lima, na Região Metropolitana, tem 11 registros de febre amarela, sendo que seis resultaram em morte. Ainda é o município com o maior número de óbitos. 
 

Presidente Bernardes (uma morte), na Zona da Mata, e São Thomé das Letras (uma morte e um paciente internado), no Sul de Minas, passaram a integrar a lista. Contagem, na Grande BH, tem um paciente internado com febre amarela e também aparece pela primeira vez no boletim, assim como Raposos, onde ocorreu uma morte.

A morte apurada pelo Estado de Minas de um homem, de 67 anos, em Alvinópolis, também foi confirmada pela SES. Ele não havia tomado a vacina que previne a doença.  Simão Pereira, na Zona da Mata, também teve uma morte (veja a lista dos municípios ao final da matéria)

Segundo a secretaria, do total de pacientes com febre amarela, 77 são homens. As vítimas, que tinham entre 15 e 88 anos, não se vacinaram, conforme a pasta. A letalidade (morte) por febre amarela no estado chegou a 44,4% dos casos. 

Veja a lista de cidades com casos de febre amarela em Minas Gerais segundo o boletim de 30 de janeiro de 2018(foto: Secretaria de Estado de Saúde/Divulgação)
Veja a lista de cidades com casos de febre amarela em Minas Gerais segundo o boletim de 30 de janeiro de 2018 (foto: Secretaria de Estado de Saúde/Divulgação)



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade