Publicidade

Estado de Minas

'Não causei o acidente', diz motorista que se envolveu em tragédia com 13 mortes

Daniel Alves da Silva, que dirigia caminhão, relatou que trafegou pela contramão para desviar de uma carreta que vinha pelo sentido proibido da rodovia


postado em 15/01/2018 15:00 / atualizado em 15/01/2018 18:34

"Tenho consciência. Não fui eu o causador (do acidente). Fiz o máximo para evitar (o choque com uma  carreta). Lamento pelas famílias das vítimas", declarou Daniel Alves da Silva, de 39 anos, que conduzia o caminhão que bateu de frente com uma van que seguia para o estado da Paraíba na manhã do último sábado, na BR-251, entre Francisco Sá e Salinas, no Norte de Minas Gerais. 

Em entrevista nesta manhã, no saguão do Hospital Universitário Clemente de Faria, o motorista negou as informações de que ele teria trafegado pela contramão. A manobra, segundo ele, foi realizada apenas para desviar de outra carreta, que vinha também pela sentido proibido, momento em que bateu na van. "Infelizmente, aconteceu. Mas não fui eu o culpado," lamentou. 

Perguntado sobre a sequência de colisões, Daniel diz: “só me lembro que, após ter tentado desviar da carreta, eu bati em outro veículo (a van). Depois disso, não me recordo de mais nada,”. O motorista natural de Franca, em São Paulo, contou que estava desempregado desde dezembro e que receberia R$ 200 para fazer o transporte de um cavalo mecânico na carroceria do caminhão, de Recife até a cidade de Jardinópolis, também no estado paulista.

Motorista continua internado no hospital e aguarda ajuda financeira para retornar para casa(foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A.Press)
Motorista continua internado no hospital e aguarda ajuda financeira para retornar para casa (foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A.Press)


O dono do caminhão, que pagaria o valor do transporte a Daniel, morreu no acidente. Adilson Molina Berdu, de 59 anos, estava na cabine do caminhão e, segundo o motorista, não estava usando cinto de segurança.

Consciente, Daniel Alves afirmou que está à disposição da Justiça e que aguarda ajuda financeira para retornar para a casa. “Estou no hospital, sem dinheiro até para comprar sabonete”, disse. Ele continua internado no hospital e aguarda para realizar uma cirurgia no braço esquerdo. 

A reportagem apurou que os corpos das vítimas ainda estão em Montes Claros. O deputado estadual do Rio Grande do Norte Carlos Augusto Paiva Maia (PSD) está na cidade do Norte de Minas e diz que parlamentares do estado estão organizando uma arrecadação coletiva para realizar o traslado dos corpos. 

A prefeita do município de João Dias, no Rio Grande do Norte, Tássia Veríssimo, esposa do deputado, também esteve em Montes Claros. No acidente, três pessoas da mesma família que moravam na cidade potiguar morreram. 

Elisângela de Oliveira Fernandes, de 43, viajava com os filhos Sandemar Pereira da Silva, de 7; e Luzanita de Oliveira Fernandes, de 20, na van atingida pelo caminhão. Conforme apurou a reportagem, Elisângela estava feliz porque retornava de uma viagem de férias a São Paulo e esperava chegar para a festa de aniversário de uma irmã, na pequena cidade de João Dias, onde a mulher era secretária municipal de Administração.  
 
Daniel Alves da Silva  deverá ser ouvido em breve pelo delegado Ranieri Marcondes Damasceno, da delegacia de Polícia Civil em Grão Mogol.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade