Publicidade

Estado de Minas

Suspeito preso por estelionato vendia ingressos falsificados há mais de um ano na capital

Golpe mais recente do estelionatário foi a venda de ingressos para a 3ª edição do Festeja BH, que ocorreu no sábado


postado em 14/09/2017 17:46 / atualizado em 14/09/2017 21:21

Na casa do suspeito foram encontrados alguns dos ingressos falsificados(foto: Polícia Civil/Divulgação)
Na casa do suspeito foram encontrados alguns dos ingressos falsificados (foto: Polícia Civil/Divulgação)


A Polícia Civil prendeu em flagrante um suspeito de vender ingressos falsos de shows na capital. Renato Teixeira Resende Fortini Junqueira, de 30 anos, foi preso dentro da sua casa, no Bairro Vila Paris, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. No local, foram encontrados alguns dos ingressos falsificados. Também foram apreendidos um computador e um smartphone usados no esquema. De acordo com a Polícia Civil, o suspeito aplica golpes há mais de um ano.


Em entrevista coletiva à imprensa nesta quinta-feira, a delegada Danielle Altaf disse que o suspeito divulgava a venda de ingressos por meio de um perfil falso nas redes sociais. Segundo ela, as vítimas interessadas encomendavam os convites, que eram entregues por um motoboy. Algumas vítimas, que não foram identificadas, contataram a polícia após perceber que os ingressoas eram falsos. Segundo a delegada, por meio do motoboy que fez as entregas do último trabalho, a Polícia Civil localizou o suspeito, que foi preso na quarta-feira. 

O golpe mais recente do estelionatário teria sido a venda de ingressos falsificados para a 3ª edição do Festeja BH, que aconteceu no sábado passado. De acordo com a Polícia Civil, Renato Fortini vendeu cerca de 60 ingressos para o setor Front Stage da festa, que fica em frente ao palco e conta com open bar. As vítimas pagaram R$ 280 pela entrada que, oficialmente, custava R$ 350.

Além de vender ingressos falsos, Fortini é suspeito de se passar por produtor nos grandes eventos da capital. "Ele já é uma pessoa conhecida pelos produtores de eventos culturais. Também se aproveitava de outras formas, como, por exemplo, utilizando crachá falso para se passar por produção", complementou a delegada.

Ainda segundo a delegada, Fortini é investigado desde o semestre ano passado, quando teve prisão decretada por estelionato. No início deste ano, a polícia emitiu um mandado de busca e apreensão em nome do suspeito pelo crime de falsificação.

Comparação entre os ingressos original e falsificado(foto: Polícia Civil/Divulgação)
Comparação entre os ingressos original e falsificado (foto: Polícia Civil/Divulgação)


* Estagiária sob supervisão do editor Roney Garcia

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade