Publicidade

Estado de Minas

Usuários aprovam metrô com mais vagões e horário estendido em BH

Experiência realizada em 2014 está de volta de segunda a sexta-feira, de 6 às 9h e de 17 às 19h30. A CBTU também vai iniciar, em caráter experimental, a operar até meia-noite


postado em 04/09/2017 12:37 / atualizado em 04/09/2017 13:32

Composições com oito carros, quatro a mais que o convencional circulam de segunda à sexta-feira, sempre de 6h as 9h e de 17 as 19h30(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Composições com oito carros, quatro a mais que o convencional circulam de segunda à sexta-feira, sempre de 6h as 9h e de 17 as 19h30 (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)

Usuários aprovaram a retomada da operação do metrô de BH com trens acoplados para aumentar o número de lugares e a ampliação temporária do horário de funcionamento até meia-noite.

Com composições formadas por oito carros, a capacidade de transporte foi duplicada já na manhã desta segunda-feira, entre 6h e 9h. A novidade será repetida neste fim de tarde, entre 17h e 19h30, durante as viagens no horário de pico.

Joice Amanda, 21, auxiliar de escritório, acha que "foi uma decisão que até demorou a ser tomada. Tanto pessoas que trabalham ou pessoas que saem pra se divertir, não podem contar com o metrô até um pouco mais tarde e acabam gastando mais com outros meios de transporte, como Uber”, contou a jovem.

Ela ainda diz que pega o metrô nos horários de pico: “É bem cheio. O metrô antigo as vezes fica com o ar desligado e fica muito quente. É outra decisão que está demorando a ser tomada, pois há muitos passageiros e poucos vagões. Aumentar ao menos nos horários de pico seria ótimo”, completou.

A estudante Agatha Dumont, 29 anos, afirma que é importante pra população o metrô funcionar até meia-noite, devido aos jogos nos estádios, horários de escala em empresas e eventos na cidade.

A estudante Karina Amélia, 22 anos, concorda: “Vejo que a ampliação do horário é muito válida para os usuários do metrô, principalmente para os estudantes da noite. Muitas vezes, estudantes não pegam o metrô porque o horário em que acabam as aulas das faculdades é muito perto do horário do último metrô, e aí o estudante sai prejudicado”, afirma.

Marcos Gomes trabalha como assessor parlamentar e usa o metrô todos os dias. Nesta manhã, ele pegou um dos vagões acoplados: "Ficou sensacional", elogiou.

PRIMEIRA EXPERIÊNCIA


Em abril de 2014, quando ainda circulavam somente os modelos antigos, sem ar-refrigerado, o recurso dos trens estendidos também foi usado, visando principalmente o atendimento no período da Copa do Mundo de Futebol.

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) espera oferecer mais conforto, rapidez e economia para os cerca de 60 milhões de usuários anuais do metrô.

“A extensão foi um projeto que a CBTU já tinha arquivado. Conseguimos possibilitar (...) essa verba junto com ministro Bruno Araújo – cerca de 800 mil reais. Então, nós colocamos uma câmera dentro dos trens possibilitando ao condutor ter uma visão de toda a extensão da estação. Com isso, nós dobramos a capacidade de transporte nos horários de pico”, explicou Miguel Marques, superintendente da CBTU. 


Para garantir a operação com trens acoplados, a CBTU investiu na modernização do sistema de Circuito Fechado de Televisão, que permite enviar imagens da plataforma para cabines de condução dos trens. “Nós já tínhamos vagões, mas não tínhamos o circuito interligado de televisão. Algumas estações, por exemplo, são curvas, então o condutor não tinha campo de visão. Agora, ele conseguirá operar com segurança”, disse.

Os vagões antigos, usados no acoplamento, não têm ar-condicionado. “Mas o ministro Bruno Araújo está criando um programa emergência. Sendo aprovado, vamos receber recurso para colocar ar nesses trens antigos”, completou. 

METRÔ MEIA-NOITE


Depois de um longo impasse que terminou até em ação Judicial, o metrô de Belo Horizonte vai começar a funcionar até meia-noite na próxima segunda-feira. A CBTU vai iniciar, em caráter experimental, a operar até este horário. A medida será feita até 30 de setembro. Atualmente, as composições rodam de 5h às 23h.

De acordo com a CBTU, os testes serão para avaliar se o serviço é viável. Durante a fase de testes, a empresa vai realizar estudos experimentais que permitirão avaliar aspectos como demanda, custos adicionais, intervalos entre viagens, segurança operacional, adequações necessárias nas rotinas de manutenção e operação, entre outras medidas.
 

"É uma solicitação antiga. Mas para a manutenção dos vagões é necessário de 1h a 2h. A gente entendia que o horário estendido poderia prejudicar essa manutenção. Hoje, trabalhamos com 250 concursados mais os funcionários manutenção”, explicou.

Logo depois de ser empossado, em janeiro passado, o prefeito Alexandre Kalil (PHS) vetou o projeto alegando que o sistema metroviário faz a ligação de BH com outros municípios, tirando, assim, a competência da Câmara Municipal para legislar sobre a situação.

Outro argumento de Kalil foi em relação à CBTU. Segundo o administrador, a companhia não teria autonomia para realizar a mudança no horário de funcionamento do metrô, devido à dependência de recursos federais para manter o funcionamento do sistema metroviário.

Em março, os vereadores derrubaram o veto. Eles alegaram, no plenário da Câmara que a ampliação do horário de funcionamento das atividades no metrô representaria melhorias nas condições no transporte público de BH, além de favorecer os usuários que precisam se deslocar pela cidade no período noturno.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade