Publicidade

Estado de Minas

Quadrilha armada explode caixas eletrônicos em agências de Dores do Indaiá

Cidade voltou a sofrer com ataques criminosos. Em 23 de junho, uma invasão à Caixa Econômica Federal teve até troca de tiros com a PM


postado em 22/08/2017 11:19 / atualizado em 22/08/2017 12:14

(foto: Internet Whatsapp/ Divulgação)
(foto: Internet Whatsapp/ Divulgação)

Dez homens bem-armados invadiram e explodiram caixas eletrônicos em duas agências bancárias em Dores do Indaiá, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais, na madrugada desta terça-feira.

É a segunda ação criminosa em bancos na cidade em menos de 60 dias.

Segundo informações da Polícia Militar, populares acionaram a corporação pelo disque denúncia informando a presença de homens armados dentro das agências do Bradesco e do Banco do Brasil, na Avenida Francisco Campos. 

Os homens, segundo relato dos denunciantes à corporação, estavam em duas caminhonetes grandes. Enquanto viaturas se deslocavam para o local, o grupo explodiu os terminais nas duas agências e fugiu. No local, militares encontraram munições de armas longas e de grosso calibre. 

Ainda conforme a PM, não há informações sobre o roubo de alguma quantia em dinheiro dos bancos, mas a estrutura das agências ficou destruída. Uma agência da Caixa Econômica Federal que fica ao lado dos terminais atacados também sofreu danos estruturais. 

A Polícia Militar informou que os assaltantes fugiram em direção à Abaeté, no Centro-Oeste do estado. Ações de cerco e bloqueio em rodovias na região e em estradas vicinais foram realizadas, mas nenhum suspeito foi localizado. 
 

Dores em alerta


O ataque durante a madrugada desta terça-feira foi o segundo em menos de 60 dias na cidade. No dia 23 de junho, quadrilhas armadas invadiram a agência da Caixa Econômica Federal e chegaram a trocar tiros com policiais militares

À época da ação, o grupo também conseguiu fugir e nenhuma quantia das agências foi levada. Não há informações sobre uma possível relação entre as duas quadrilhas que atuaram na cidade em menos de dois meses. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade