Publicidade

Estado de Minas

Carroceiros acompanham audiência que discute a retirada de veículos de tração animal em BH

Projeto de Lei 142/17, aprovado em 1º turno, que determina a redução gradativa do número de carroças e charretes, é discutido na Câmara Municipal


postado em 01/08/2017 14:30 / atualizado em 01/08/2017 22:04

Carroceiros não concordam com o projeto de lei apresentado na Câmara Municipal(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Carroceiros não concordam com o projeto de lei apresentado na Câmara Municipal (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

Carroceiros de Belo Horizonte acompanham uma audiência pública na tarde desta terça-feira na Câmara Municipal sobre o Projeto de Lei 142/17, aprovado em 1º turno, que determina a redução gradativa do número de carroças e charretes na capital mineira. A matéria provocou polêmica e rendeu até ameaças ao vereador Osvaldo Lopes, que sugeriu a substituição desses veículos, segundo a assessoria de imprensa da Casa.

A matéria foi aprovada em 1º turno em 3 de julho. Ela cria um programa para eliminar de forma gradativa os veículos de tração animal. Segundo Osvaldo Lopes, são aproximadamente 2,4 mil carroceiros cadastrados pela prefeitura. A proposta dá um prazo de quatro anos para a proibição dos veículos de tração animal.

Um substitutivo ao projeto foi apresentado pelo vereador. Nele, é retirada a proposta de eliminar das ruas os veículos de tração humana, como usados por catadores de materiais recicláveis. O substitutivo prevê a criação do programa “Carreto do Bem”, que visa a estimular a troca dos veículos de tração animal por veículos de tração motorizada, como motocicletas, que seriam acopladas a caçambas.

O projeto vem provocando indignação por parte dos carroceiros. Em 14 de julho, um grupo se reuniu e saiu pelas ruas da cidade nas charretes. Eles partiram da Avenida Pedro II em fila e foram até a Câmara Municipal. Na ocasião, o trânsito ficou lento durante o trajeto.

 

(RG) 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade