Publicidade

Estado de Minas

Carroceiro abandona cavalo agonizando até a morte em via pública dem BH

O animal foi deixado de madrugada na Avenida Ressaca, no Coração Eucarístico. Na quarta-feira, uma égua ficou abandonada por dois dias num lote no Grajaú e morreu


postado em 07/05/2016 15:05

Animal foi abandonado sobre calçada em frente prédio(foto: Guilherme Ceklera/Divulgação)
Animal foi abandonado sobre calçada em frente prédio (foto: Guilherme Ceklera/Divulgação)
Um cavalo foi abandonado em via pública agonizando na madrugada deste sábado. Nas imagens de câmeras de segurança de um prédio na Avenida Ressaca, Coração Eucarístico, Noroeste de Belo Horizonte, percebe-se um carroceiro deixando o animal sobre a calçada. Na quarta-feira, situação semelhante na Avenida Silva Lobo, no Grajaú, Oeste da capital, uma égua morreu depois de abandonada por um carroceiro num lote e ficou agonizando por dois dias. Ativistas prometem recorrer ao Ministério Público para pedir providências.

Franklim Oliveira, do Núcleo Fauna de Defesa Animal, denuncia que as situações de maus-tratos por parte de carroceiros tem sido frequentes. “Não há fiscalização, mesmo depois de regulamentada a 'lei dos carroceiros', cujas as regras separaram os bons e os maus profissionais, garantindo  aos animais cuidados dignos. A legislação minimiza a situação, uma vez que o ideal é que o transporte de tração animal fosse extinto em Belo Horizonte, como acontece em outros grandes centros”, sugeriu Oliveira.

No mês passado, segundo Franklin, uma outra cena demonstra uma situação de maus-tratos animal. Imagens que circularam nas redes sociais mostram um carroceiro agredindo um cavalo que não conseguia puxar a carroça por estar fraco, no Bairro Jardim Vitória, Nordeste de BH. Inicialmente o homem dá socos no animal, para em seguida atingi-lo com golpes de uma pá. “Vamos mobilizar as pessoas para um grande manifesto. Vamos pedir ao Ministério Público que intervenha junto as autoridades municipais.

O cavalo abandonado no Coração Eucarístico ficou agonizando por cerca de duas horas na madrugada. Moradores tentaram socorrer o animal, mas ele não resistiu. Funcionários do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) foram chamado para retirá-lo. O corpo foi levado para um aterro sanitário. As imagens de câmeras do circuito de segurança podem ajudar na identificação do carroceiro.

Maus-tratos a animal é crime previsto na Lei Federal 9.605/98. Por ser crime de menor potencial ofensivo, a pena é de três meses a um ano de detenção, que pode ser convertida em prestação de serviço para réu primário. A Lei 10.119/2011 (lei do carroceiro) foi regulamentada em 1º de abril, depois de cinco anos desde que foi sancionada. Mas somente em julho deve iniciar a fiscalização, que vai exigir o licenciamento dos veículos de tração animal na capital.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade