Publicidade

Estado de Minas

Polícia apreende 730 Kg de maconha e dá golpe de R$ 1 milhão no tráfico

Investigadores do Denarc encontraram a droga em Monte Santo de Minas, no Sul do estado, com três níveis diferentes de concentração


postado em 28/07/2017 12:48 / atualizado em 28/07/2017 13:04

Droga renderia R$ 1 milhão ao tráfico, segundo a Polícia Civil(foto: Beto Novaes/EM/D.A PRESS)
Droga renderia R$ 1 milhão ao tráfico, segundo a Polícia Civil (foto: Beto Novaes/EM/D.A PRESS)
Policiais civil do Departamento Estadual de Combate ao Narcotráfico (Denarc) interceptaram um carregamento de maconha e fizeram uma apreensão de 730 quilos da droga em Monte Santo de Minas, no Sul do estado, na madrugada desta quinta-feira. A maconha tinha diferentes níveis de concentração e renderia R$ 1 milhão aos traficantes, segundo a Polícia Civil.

A carga de entorpecentes estava dividida em três veículos e iria para lugares diferentes, depois de chegar em um sítio da cidade oriunda de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. O caseiro da propriedade, Sinvaldo Martins, de 39 anos, foi preso pelo fato de estar guardando o material até que os traficantes pegassem os carros para distribuir a maconha.

Sem passagens pela polícia, Sinvaldo disse ser um homem muito simples e e que recebeu uma proposta de um desconhecido para deixar uma caminhonete na propriedade rural que ele cuidava, mediante o pagamento de R$ 3 mil.

Ele também falou que tinha uma multa de R$ 2,9 mil a pagar por embriaguez ao volante, o que o deixou seduzido a aceitar a proposta. “Recomeçar tudo de novo agora, porque são 40 anos jogados fora. Fiz isso por simplicidade, em momento algum eu imaginei que viria alguma consequência pra mim”, disse o homem.
O caseiro do sítio, Sinvaldo Martins, de 39 anos, foi preso pela Polícia Civil e admitiu que recebeu R$ 3 mil para guardar a droga até a chegada dos traficantes que levariam a maconha para outras cidades mineiras(foto: Guilherme Paranaiba/EM/D.A PRESS)
O caseiro do sítio, Sinvaldo Martins, de 39 anos, foi preso pela Polícia Civil e admitiu que recebeu R$ 3 mil para guardar a droga até a chegada dos traficantes que levariam a maconha para outras cidades mineiras (foto: Guilherme Paranaiba/EM/D.A PRESS)


Segundo o delegado Wagner Pinto, chefe do Denarc, as investigações prosseguem para tentar localizar os responsáveis por levar a droga a diferentes municípios do estado, inclusive da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Não houve prisão de traficantes no momento da abordagem.

“O local é ermo e causa pouca suspeição por tratar-se de zona rural. Ali a droga era acondicionada e posteriormente colocada em veículos automotores que eram levados por traficantes”, diz Wagner Pinto.

Uma curiosidade da apreensão é que a maconha tinha três níveis de concentração do tetra-hidro-canabinol (THC), princípio ativo da planta. “A maconha na cor bege é um por um, a maconha azul é dois por um e a maconha amarela é a quatro por um, também chamada de 'verdão' devido ao alto índice de THC. Azul e amarela são as drogas mais concentradas”, diz o delegado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade