Publicidade

Estado de Minas

Prefeitura de BH, Tribunal de Justiça e Ministério Público de MG desligam computadores

Depois de ataque cibernético mundial, responsáveis desligaram sistemas como forma de prevenção das invasões em que software maliciosos sequestram dados de computadores


postado em 12/05/2017 21:02 / atualizado em 12/05/2017 22:56

Site do Tribunal de Justiça foi desativado às 17h para atualizações contra ataque(foto: Reprodução Internet)
Site do Tribunal de Justiça foi desativado às 17h para atualizações contra ataque (foto: Reprodução Internet)
O ataque mundial aos sistemas informatizados, que afetou 74 países nesta sexta-feira, entre os quais o Brasil, também levou a administração municipal de Belo Horizonte a tomar medidas de segurança, bem como o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e o Ministério Público Estadual de Minas Gerais (MPE-MG). No começo da noite, os sites das três instituições já não podiam ser acessados e servidores foram orientados a desligarem seus terminais de computador.

Às 16h, a Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte (Prodabel) emitiu alerta de segurança sobre o ataque cibernético. Com pedido de urgência, foi pedido aos usuários que desligassem todos os computadores “imediatamente” ao receber o comunicado.

A notificação da empresa determinou apenas a manutenção dos serviços “inadiáveis” e de atendimento ao cidadão. E finalizou dizendo que novas orientações serão dadas na segunda-feira. A Prefeitura de Belo Horizonte informou que seu sistema de informática não sofreu invasões, mas que a medida era de segurança.

No Tribunal de Justiça, no meio da tarde os servidores já não conseguiam enviar e-mail. No site da entidade, desde as 17h um comunicado explica ter sido necessária desativação para realizar atualizações, visando a proteção de sua rede contra os ataques da internet. Já o site do MPE-MG não abre e nem há informações aos usuários.

A rede do governo estadual, administrada pela Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Prodemge) não teve interrupção de seu funcionamento, assim com das empresa Cemig e Copasa.

O ataque de ransomware ocorre quando um software malicioso é usado para sequestrar dados de computadores. O desta sexta-feira, apontado como um dos mais rápidos já disseminados, iniciado na Europa, até o meio da tarde afetou 45 mil sistemas, entre empresas e órgãos públicos e governamentais em todo o mundo. Nas instituições atingidas, um aviso aparece na tela dos computadores exigindo que seja paga uma quantia em bitcoins para que o sistema volte a operar.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade