Publicidade

Estado de Minas VIA SACRA

Fiéis seguem em procissão pela Serra da Piedade, em Caeté

Procissão da via sacra no Santuário de Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, na Grande BH, é um dos pontos altos do tríduo pascal, marcando tempo de meditação para os católicos


postado em 14/04/2017 10:50 / atualizado em 14/04/2017 17:39

Via Sacra encenada na Serra da Piedade, marca os passos de Jesus cristo até a crucificação(foto: Divulgação/ Cúria Metropolitana)
Via Sacra encenada na Serra da Piedade, marca os passos de Jesus cristo até a crucificação (foto: Divulgação/ Cúria Metropolitana)
Dezenas de fiéis acompanharam a procissão da via sacra no Santuário de Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, na Grande BH. A celebração lembra o percurso de Jesus Cristo, seu destino na cruz e é um momento de reflexão para os católicos.

Segundo o bispo auxiliar Dom João Justino, a Sexta-Feira da Paixão é um dos dias do Tríduo Pascal (Quinta-Feira Santa, Sexta-Feira Santa e Vigília Pascal, na véspera do Domingo de Páscoa) em que os cristãos meditam sobre o mistério da paixão e da morte de Jesus Cristo, marcado pelo recolhimento a partir de três momentos: a escuta do evangelho da paixão, o relato detalhado da paixão e o mistério da morte redentora do senhor diante da cruz, seguido da eucaristia - a comunhão ou ceia do senhor.

Centenas de católicos acompanharam a celebração e a encenação da sexta-feira da paixão(foto: Divulgação/ Cúria Metropolitana)
Centenas de católicos acompanharam a celebração e a encenação da sexta-feira da paixão (foto: Divulgação/ Cúria Metropolitana)
Um dos pontos altos foi a encenação por atores da via sacra que culmina com a cruscificação. "A encenação da morte de jesus, é muito caro ao nosso povo. A encenação no Santuário de Nossa Senhora da Piedade nos faz reviver e retomar o sentido da fé, cremos exatamente que o filho de Deus morreu na cruz e ressuscitou", afirma Dom João.

A ressurreição ainda, segundo o sacerdote, é uma metáfora para a superação das dificuldades. "A grande mensagem pascal está na cruz de onde brota a ressurreição. É aceitar morrer para poder viver, certamente todos nós vamos morrer e reviver na ressurreição, mas podemos esperar pequenas ressurreições, morrendo para certas experiências e tomando caminhos novos, pelos quais não estamos sozinhos, estamos sempre com o Senhor", afirma.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade