Publicidade

Estado de Minas

Primeiro abrigo exclusivo a transexuais e travestis é aberto em BH

Sem apoio da prefeitura ou do governo do estado, a ONG Transvest é a mantenedora e responsável pelo espaço de acolhimento. O grupo pede doações para ajudar na manutenção da casa


postado em 12/04/2017 19:03 / atualizado em 12/04/2017 21:34

(foto: Transvest/Divulgação)
(foto: Transvest/Divulgação)
Primeiro abrigo exclusivo para travestis e transsexuais em situação de rua é inaugurado nesta semana, no Bairro Santa Tereza, em Belo Horizonte, pela ONG Tranvest, mantenedora do espaço. Há um ano e meio, a equipe de voluntários que compõem o grupo vinha planejando a abertura de um lugar que acolhesse essa população, para evitar o constrangimento sofrido por eles ao serem encaminhados para alas de abrigos que correspondem aos seus sexos biológicos.

"Os homens trans vão para ala feminina dos abrigos e as mulheres trans para a masculina, nisso o constrangimento é muito grande. As nossas alunas e alunos muitas vezes vão às aulas sem comer, dormir e se higienizar", contou o voluntário e assessor de comunicação da ONG, Nathan Phelipe Rodrigues. No espaço já moram três pessoas, duas mulheres trans e um homem trans. A casa está recebendo doações financeiras, mobiliários (camas, sofás, geladeira, fogão, entre outros), mantimentos e roupas de cama.

Nathan contou que o Tranvest também procura padrinhos para ajudar nos custos do projeto e na manutenção da casa de acolhimento. "A quantidade de trans e travestis na rua é imensa, a maioria usa droga e está na prostituição por falta de oportunidades. Infelizmente somos considerados inferiores pela sociedade, devido às nossas escolhas de gênero, pela nossa diferença. O trabalho da ONG é para dar auxílio a essas pessoas" continuou.

 

ONG
O grupo atua em várias frentes de assistência para os quase 100 alunos do projeto: os voluntários ajudam na formação de educação básica e fundamental, no pré-Enem, e dão cursos, como inglês espanhol, francês, italiano, Libras e teatro. Além de dar assistência psicológica e jurídica, em parceria com a Universidade Una e com a Universidade Federal de Minas Gerais", informou Nathan, que também é aluno do projeto.

A maquiadora, estudante e monitora do abrigo Ludmila Ferraz ressalta a importância do trabalho realizado pela ONG: "Aqui há muitas meninas e meninos querendo estudar e sair da prostituição. Queremos colocá-los dentro de uma universidade e mostrar a todos que somos igualmente capazes". Sem apoio de órgãos públicos, Ludmila conta ainda que a Casa Transvest "tenta melhorar a vida dessas pessoas, trazendo segurança e incentivando-os a estudar, para verem que podem mais e têm um futuro próspero à frente".

Doações
A sede do Tranvest fica na Rua da Bahia, 1.148, 11º andar, sala 1.123, no Centro de Belo Horizonte. Quem quiser conhecer o projeto e ajudar a ONG, pode entrar em contato com Nathan Philipe Rodrigues (assessor de comunicação, voluntário e aluno), pelo número (31) 992845924, ou com Eduardo Falabert (coordenador-geral do Tranvest), pelo número (31) 999222666.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade