Publicidade

Estado de Minas

Moradores comemoram reabertura da igreja matriz de Congonhas

Matriz de Nossa Senhora da Conceição, do século 18, estava fechada desde 2015 e passou por restauração


postado em 31/03/2017 06:00 / atualizado em 31/03/2017 07:54

(foto: Beto Novaes/EM/DA Press)
(foto: Beto Novaes/EM/DA Press)
Congonhas – Dia de festa na Cidade dos Profetas para a reabertura da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, considerado um dos monumentos mais importantes do município e o mais espaçoso dos templos católicos do século 18 em Minas. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1950, a igreja recebeu recursos de cerca de R$ 1,4 milhão do governo federal, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das Cidades Históricas. Trata-se da terceira obra do PAC concluída em Congonhas, sendo as demais a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e a requalificação urbanística da Alameda Cidade Matosinhos de Portugal, no entorno do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, reconhecido como patrimônio cultural da humanidade.

“Fui batizada aqui e tenho o nome em homenagem à padroeira. Ficou tudo muito bonito, estou muito feliz. Havia partes muito deterioradas, como o coro. Todos nós temíamos pela segurança das pessoas”, disse a aposentada Maria Imaculada de Oliveira, que sempre participou com a família das missas e demais celebrações no templo. Segurando o chapéu e muito atento às explicações técnicas, o ministro da eucaristia Raimundo Cordeiro, de 83 anos, se mostrava igualmente contente. “Está uma maravilha. Venho aqui desde menino, muitas vezes chegava a cavalo”, recordou-se Raimundo com os olhos brilhando pela emoção.

Presente à cerimônia realizada em frente da imponente igreja, numa manhã muito ensolarada, com repique de sinos, incenso, água benta e aplausos, a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, destacou o comprometimento do município com a preservação do conjunto arquitetônico. “No Brasil, Congonhas e Goiás (GO) são as cidades mais eficientes na execução dos projetos de recuperação dos bens culturais, com trabalho de excelência”. O prefeito Zelinho Cordeiro acrescentou que a municipalidade gastou cerca de R$ 900 mil com os projetos para 10 ações aprovadas pelo Iphan na cidade. No fim de 2015, Congonhas se tornou a primeira cidade no Brasil a implantar uma sinalização interpretativa dentro nos moldes da Unesco, o que resultou em manual de referência para outras localidades.
Interior da matriz: reforma teve R$ 1,4 milhão em recursos do PAC(foto: Beto Novaes/EM/DA Press)
Interior da matriz: reforma teve R$ 1,4 milhão em recursos do PAC (foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

POLÍTICAS PÚBLICAS Diante do segundo ato de vandalismo na Igreja de São Francisco de Assis, na Pampulha, em Belo Horizonte, com pichações em março de 2016 e 2017, a dirigente do Iphan destacou que são necessárias políticas públicas não só para a segurança dos bens como também para saneamento, mobilidade, acessibilidade e outras questões dos municípios com bens culturais protegidos. Para tanto, adiantou, será realizado nos próximos dias 11 e 12, em Brasília (DF), um encontro reunindo os 305 prefeitos de municípios brasileiros com bens reconhecidos pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e União.

Na elaboração do 3º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial, em Brasília (DF), o Iphan tem a parceria da Confederação Nacional de Municípios (CNM) e da Organização das Cidades Brasileiras Patrimônio Mundial (OCBPM) e pretende consolidar uma rede de gestores para formatar uma política nacional de gestão das cidades históricas e patrimônio mundial.

Kátia afirmou que a reunião tem como base legal um acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU), que recomenda a priorização de questões como a padronização da sinalização, comunicação visual e atendimento ao turista; adequação de infraestrutura de transporte, hospedagem e acesso; estratégias de divulgação e promoção; formação de mão de obra especializada, entre outros aspectos, visando à sustentabilidade dos sítios e a alocação de recursos federais a estes municípios. “Queremos também implementar ações de educação patrimonial nas comunidades”, ressaltou Kátia.

Eram 11h em ponto quando os sinos da Matriz de Congonhas começaram a tocar em tom festivo. Pouco antes, o Grupo de Câmara da Secretaria Municipal de Educação, do projeto Arte na Escola, apresentou três números. Diante da porta principal com obra de Aleijadinho, em pedra-sabão – arca da aliança, símbolos da eucaristia, anjos barrocos e coroa de Nossa Senhora –, o titular da paróquia, padre Paulo Barbosa, aspergiu água benta, abençoou com o incenso e entrou no templo. O clima foi de muita admiração, com o hino de Nossa Senhora da Conceição e a Ave-Maria saudando a padroeira, moradores e visitantes.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade