Publicidade

Estado de Minas

Missa abre jubileu de peregrinação ao santuário da Serra da Piedade

O culto foi celebrado pelo arcebispo Dom Walmor Oliveira de Azevedo, que ressaltou aos fiéis ser 2017 um ano com datas importantes para os católicos


postado em 02/01/2017 06:00 / atualizado em 02/01/2017 08:02

O arcebispo Dom Walmor celebrou o culto que deu início às comemorações dos 250 anos de atração de fiéis ao santuário(foto: Fernanda Correia/Divulgação)
O arcebispo Dom Walmor celebrou o culto que deu início às comemorações dos 250 anos de atração de fiéis ao santuário (foto: Fernanda Correia/Divulgação)
Uma missa na Serra da Piedade, em Caeté, abriu ontem o jubileu em comemoração aos 250 anos de peregrinação ao santuário de Nossa Senhora da Piedade, padroeira de Minas Gerais. O culto foi celebrado pelo arcebispo Dom Walmor Oliveira de Azevedo, que ressaltou aos fiéis ser 2017 um ano com datas importantes para os católicos.

Além dos 250 anos da peregrinação à Serra da Piedade, será o centenário da aparição de Nossa Senhora a três pastorinhos que viviam em Fátima, interior de Portugal, e o tricentenário da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira do Brasil.

“É do coração de cada um de nós que nascem as coisas boas e as ruins. A grande revolução que vai mudar o mundo, não virá, senão, do nosso coração. Ponha Nossa Senhora da Piedade em seu coração e ajude a construir um mundo de paz. Caminhando com Maria, na alegria, na esperança e na fé, venha vivenciar neste santuário mariano de rara beleza a forte presença de Deus e da Mãe da Piedade”, disse Dom Walmor.

Durante a missa, o arcebispo leu uma saudação especial enviada pelo papa Francisco aos fiéis. O santo padre concedeu a bênção apostólica a todos os peregrinos do santuário e ressaltou que ontem foi o Dia Mundial da Paz. O papa destacou que a revolução no mundo começa no coração de cada pessoa.

Francisco, em sua mensagem, enfatizou ainda que um estilo de vida recheado de paz se faz pelo exercício de saber ouvir, guardar e meditar a palavra de Deus no coração e, sobretudo, proclamar esta palavra para todos que estejam ao nosso alcance.

MILAGRE  peregrinação em Caeté teve início quando uma jovem muda e surda começou a falar e a ouvir, segundo ela, depois de ver Nossa Senhora. O suposto milagre atraiu fiéis e, há 250 anos, um deles, o português Antônio da Silva Bracarena, começou a construir a ermida que deu origem à capela no alto da serra.


Publicidade