Publicidade

Estado de Minas

Ociosidade do aeroporto da Pampulha é tema de debate na Assembleia

Deputado defende a volta de voos nacionais e regionais. Moradores são contra, preocupados com a poluição sonora e os riscos inerentes ao movimento de aviões


postado em 07/12/2016 19:06 / atualizado em 07/12/2016 19:54

Deputado Agostinho Patrus Filho pretende reforçar a luta pela volta dos voos nacionais e regionais para a Pampulha(foto: Euler Junior/EM/D.A Press)
Deputado Agostinho Patrus Filho pretende reforçar a luta pela volta dos voos nacionais e regionais para a Pampulha (foto: Euler Junior/EM/D.A Press)

A ociosidade do Aeroporto Carlos Drummond de Andrade, mais conhecido como aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, será tema de audiência pública na próxima segunda-feira na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

O debate atende a requerimento do deputado Agostinho Patrus Filho (PV), da Comissão de Transporte, Comunicação e Obras Públicas, que pretende reforçar a luta pela volta dos voos nacionais e regionais para a Pampulha. Moradores do entorno do aeroporto são contra, preocupados com a poluição sonora e os riscos inerentes ao movimento dos aviões.

O aeroporto da Pampulha já chegou a ser o oitavo terminal aéreo mais movimentado do país em 2004. Agora, está sob a ameaça de ficar sem uso, segundo o deputado. A audiência pública, acrescentou, será justamente para debater o gradativo abandono do terminal.

Agostinho Patrus pretende, com a audiência, reforçar a luta pela volta dos voos nacionais e regionais ao local, já que o movimento caiu consideravelmente com a transferência, a partir de 2005, dos grandes jatos para o aeroporto internacional de Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Empresários, tanto do setor aéreo quanto de outras áreas, segundo o deputado, estão interessados na comodidade representada pela localização privilegiada do aeroporto da Pampulha. “Os empresários comparam a situação ao Aeroporto da Pampulha à do Aeroporto de Congonhas, na região central da capital paulista, que recebeu mais de 19 milhões de passageiros no ano passado”, informou a Assembleia.

De acordo com o deputado, até os voos regionais estão sendo transferidos da Pampulha para Confins. “Isso vai deixar abandonado o aeroporto, um equipamento importante para a economia de Belo Horizonte e região metropolitana”, argumentou.

Entre os convidados para a audiência pública estão representantes do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina) e do Sindicato dos Aeroviários de Minas (SAM).

HISTÓRIA - O Aeroporto da Pampulha foi inaugurado na década de 1930 e bateu seu recorde histórico em 2002, com 3.073.976 de passageiros passando pelos seus portões de embarque e desembarque e um total de 88.737 operações de pouso e decolagem.

No ano passado, as operações de pouso e decolagens caíram para 41.988. De oitavo lugar no ranking nacional, em 2004, o terminal caiu para 26º em 2008, segundo os últimos dados disponíveis sobre movimentação de passageiros na Infraero.

 

(RG)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade