Publicidade

Estado de Minas

Última obra de Oscar Niemeyer, nova catedral de BH chega a nova etapa graças a doações

A construção da Catedral Cristo Rei prossegue à base de doações. O templo foi o último projetado pelo arquiteto e ficará a 4 quilômetros do primeiro, a igrejinha da Pampulha


postado em 02/08/2016 06:00 / atualizado em 02/08/2016 07:43

Obras de implantação da catedral, na Avenida Cristiano Machado: no dia 11, será iniciada a concretagem da primeira parte da Praça das Famílias, onde ficará o altar externo(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Obras de implantação da catedral, na Avenida Cristiano Machado: no dia 11, será iniciada a concretagem da primeira parte da Praça das Famílias, onde ficará o altar externo (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
A Catedral Cristo Rei cresce, já aparece na paisagem da capital e mostra que, mesmo em tempos de crise econômica, a força das doações impulsiona a obra sonhada pelos mineiros desde o princípio do século passado. Após 33 meses da implantação do projeto de Oscar Niemeyer (1907-2012), a Arquidiocese de Belo Horizonte começará, no dia 11, a concretagem da primeira parte da Praça das Famílias, de 16 mil metros quadrados, onde ficará o altar externo. No andar de baixo, virá a Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida. “É possível que, no próximo ano, seja celebrada a primeira missa na Praça das Famílias”, adianta o arcebispo metropolitano dom Walmor Oliveira de Azevedo. Em tempos de elevação da Pampulha a Patrimônio Cultural da Humanidade, a construção se torna ainda mais emblemática. Em BH, Niemeyer fez o primeiro templo católico da sua vida – a Igreja de São Francisco de Assis, na orla da lagoa – e também o último, que é a Cristo Rei. Quatro quilômetros de distância e mais de sete décadas de história separam os dois marcos da arquitetura moderna.


Dom Walmor acrescenta que em 2017 deverá ser inaugurada a sede da Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida, com o início das iniciativas dedicadas aos mais pobres. “A Arquidiocese já iniciou os trabalhos de evangelização no lugar onde está sendo edificada a catedral. No ano passado, a Tenda Cristo Rei, erguida no canteiro de obras para receber os peregrinos, reuniu 20 mil pessoas a partir de uma programação diária que contempla missas, orações do terço e atendimento de confissões”.

De uma altura de 13 metros, vendo a movimentação de 75 pessoas, das quais 60 operários, o engenheiro da instituição, Antonio Márcio de Freitas, informa que 20% do serviço está concluído: “Agora, executaremos a última laje do setor B”. Do outro lado, dá para ver sendo erguidos paredes, pilares e lajes do auditório, estruturas que também vão sustentar a nave da catedral. Sobre a nave, estarão a cúpula e os pórticos brancos de 100m. “Trata-se de um trabalho gigantesco. Foram gastos até hoje R$ 33 milhões, o que dá em média R$ 1 milhão por mês”. O investimento total na obra é de R$ 110 milhões, fruto do Projeto Praça das Famílias, conduzido pela Arquidiocese de BH.

O arcebispo metropolitano dom Walmor Oliveira de Azevedo faz a conexão entre os dois templos da capital e sugere a criação do Circuito Niemeyer. “O patrimônio traz a fé e a religiosidade enraizadas na cultura e na vida do povo mineiro. Um exemplo é a Igreja de São Francisco de Assis, símbolo e coração do complexo arquitetônico da Pampulha, e bem perto está a catedral. Aí está a indicação do nascimento do Circuito Niemeyer, unindo a Pampulha, a Cristo Rei a Cidade Administrativa (também projetada por Niemeyer) pela Avenida Pedro I, passando pelo final da Avenida Cristiano Machado e seguindo pela rodovia MG-10. Trecho que merece ser reconhecido como uma grande avenida com o nome de São João Paulo II. É hora de novas audácias e novos passos pelo bem de Minas e dos mineiros”, ressalta o arcebispo.

Para dom Walmor, o sentimento é de gratidão. “Dou graças a Deus por tudo que já conseguimos e também agradeço o esforço daqueles que se dispõem a participar da edificação, em especial o empenho dos padres, dos evangelizadores e dos fiéis. Essa é a força que leva para a frente a obra”. Numa gravação, Niemeyer deixou registrado: “A Catedral Cristo Rei muito me encanta. É um projeto que me gratifica. É a última que faço. Tem tudo o que o arquiteto pode querer: aspectos relacionados à estrutura, luz, contraste de forma e da natureza”.

A expectativa é de que a bênção da Cristo Rei ocorra em 2021, nas celebrações do centenário da arquidiocese(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
A expectativa é de que a bênção da Cristo Rei ocorra em 2021, nas celebrações do centenário da arquidiocese (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
CONTAS DO ROSÁRIO Com a concretagem da laje, parte da Praça das Famílias, será possível em breve escrever o nome daqueles que vêm colaborando na execução do projeto. Os nomes ficarão dentro das conta de um grande rosário a ser gravado no piso. “Mesmo com esse momento de crise, estamos conseguindo manter a obra em ritmo razoável, sem parar um único dia. Tudo isso por causa das doações”, lembra Antonio Márcio de Freitas. Os serviços são conduzidos pela construtora Mendes Júnior e a previsão é de que a bênção do templo ocorra em 2021, nas celebrações do centenário da Arquidiocese de BH. Doações podem ser feitas pela internet, no site www.catedralcristoreibh.com.br/doa. Informações: (31) 3269-3100.

SONHO E REALIDADE 


Ideia de construir a catedral surgiu no início do século passado


HISTÓRIA

1922
  Dom Antônio dos Santos Cabral, o dom Cabral (1884-1967), primeiro arcebispo de Belo Horizonte, chega à capital e assume a nova diocese – a Arquidiocese de BH foi instituída em 1921. Entre as muitas tarefas, estava o desafio de construir a Catedral Cristo Rei, mas as dificuldades da época e uma enfermidade que acometeu dom Cabral adiaram por décadas esse sonho

2004  Ao chegar a BH e assumir a Arquidiocese de BH, dom Walmor Oliveira de Azevedo começa a ouvir indagações sobre a construção da Catedral Cristo Rei

2005  Dom Walmor vai ao Rio de Janeiro e se encontra com o arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012) para solicitar uma concepção arquitetônica para a Catedral Cristo Rei. Depois de um período de reflexão, fica decidido que o templo será construído na Avenida Cristiano Machado, no Bairro Juliana, na Região Norte da cidade, epicentro da Arquidiocese de BH, que engloba 28 municípios

2006 Niemeyer apresenta a concepção arquitetônica do templo

2010  Depois de um período de planejamento, a Arquidiocese de BH e o escritório de Oscar Niemeyer assinam o contrato referente aos projetos do conjunto arquitetônico da Catedral Cristo Rei

2011  Em 20 de novembro, o terreno recebe a cruz da Catedral Cristo Rei, de 20 metros de altura. Com a participação de milhares de fiéis, dom Walmor abençoa a pedra fundamental, proveniente do Santuário Estadual Nossa Senhora da Piedade, localizado em Caeté, na Grande BH

ETAPAS DA OBRAS

2012  Arquidiocese de BH e Mendes Júnior, construtora especializada na execução de projetos de Oscar Niemeyer, assinam protocolo de intenções para as obras da Catedral

2013  Em 7 de abril, começam os trabalhos de sondagem, limpeza e colocação de tapumes

2014  Em março, tem início da terraplenagem e obras de contenção; em agosto, começa a fase de fundações profundas. Nessa etapa, 600 estacas
de concreto armado, com até 22 metros, são instaladas no terreno

2015  Em maio, começa a fase da superestrutura (paredes, pilares etc.)

2016  Concluídos os três pavimentos que integram o setor da Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida

Saiba mais

As dimensões do templo

  •  A Catedral Cristo Rei terá capacidade para 5 mil pessoas sentadas (parte interna). Em grandes eventos, poderá receber até 20 mil fiéis.

  •  Serão 42 mil metros quadrados de área construída, considerando-se o templo, três andares abaixo da praça e estacionamento

  •  O terreno de propriedade da arquidiocese tem 22,4 mil metros quadrados. O monumento terá dois pórticos com 100 metros de altura, campanário com 40 metros e sete sinos, além de uma cruz de 20 metros, tudo na cor branca

  •  Os investimentos estimados são da ordem de R$ 110 milhões

  •  A atual Catedral de Nossa Senhora da Boa Viagem, no Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul de BH, que vem funcionando em caráter provisório, continuará como Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua


RECONHECIMENTO

Parte do conjunto moderno da Pampulha, a Igreja de São Francisco de Assis tem projeto de Oscar Niemeyer, jardins de Burle Marx, murais de Cândido Portinari, mosaicos de Paulo Werneck e painéis do batistério de Alfredo Ceschiatti. Ficou pronta em 1944, mas só foi sagrada 15 anos depois. Foi tombada em caráter preventivo pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade