Publicidade

Estado de Minas

PF desconfia que histórico de conversas em chat de presidente da Samarco foram apagadas

Peritos da Polícia Federal afirmam que, após analisar computadores apreendidos na apuração, não há histórico de período tão longo sem uso de tal meio de comunicação


postado em 25/06/2016 06:00 / atualizado em 25/06/2016 07:30

Casas destruídas pela lama em Bento Rodrigues, subdistrito de Mariana: relatório da PF sustenta que mineradora não tomou providências devidas(foto: Euler Junior/EM/D.A Press)
Casas destruídas pela lama em Bento Rodrigues, subdistrito de Mariana: relatório da PF sustenta que mineradora não tomou providências devidas (foto: Euler Junior/EM/D.A Press)

Peritos da Polícia Federal estranharam a ausência de mensagens no histórico do chat usado por Ricardo Vescovi, presidente licenciado da Samarco, entre 4 de novembro de 2015, um dia antes do estouro da Barragem de Fundão, e o dia 30 do mesmo mês. A instituição avaliou a falta de conversas no intervalo como indício de que o conteúdo tenha sido apagado, pois “não há histórico de período tão longo sem uso de tal meio de comunicação”.


O principal executivo da mineradora à época do maior desastre socioambiental do Brasil, que deixou 19 mortos (um corpo continua desaparecido), é uma das oito pessoas indiciadas pela corporação. O inquérito também pede a condenação de três empresas: a própria Samarco; sua controladora Vale, que despejava rejeitos de minério na represa; e a VogBR, que emitiu o laudo de estabilidade da estrutura.

A ausência de mensagens no chat de Vescovi em quase um mês é considerada atípica pelos peritos, o que levou os próprios investigadores da área técnica da corporação a investigar o canal interno de conversas de mais quatro diretores ou gerentes da mineradora. Os dados chamaram a atenção dos peritos.

O chat do então diretor de Operações, Kleber Terra, ficou inativo das 16h05 – o desastre ocorreu por volta desse horário – até as 15h07 de 13 de novembro. O de Germano Silva Lopes, gerente-geral de Projetos, está sem registro das 14h39 do dia 5 às 12h28 do dia 9 daquele mês. O de Wagner Milagres Alves, gerente de Operações, não registrou troca de mensagens entre os dias 4 e 15. O de Daviely Rodrigues Silva, responsável técnica pela mina, do dia 5 ao 11.

O sistema de comunicação entre os diretores levou policiais civis e federais a descobrir que alguns diretores já visualizavam, desde 2012, a possibilidade de Fundão se romper. Ainda assim, a empresa não implantou medidas capazes de evitar a vazão de quase 30 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério. Nem mecanismo que pudesse avisar à comunidade de Bento Rodrigues, o primeiro povoado de Mariana devastado pela lama, da aproximação do perigo.

O presidente licenciado da Samarco, Ricardo Vescovi: sem mensagens em chat entre 4 e 30 de novembro(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
O presidente licenciado da Samarco, Ricardo Vescovi: sem mensagens em chat entre 4 e 30 de novembro (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Sem alarme O relatório da PF encaminhado ao Ministério Público Federal (MPF) traz ainda informação de que o presidente da Associação dos Moradores de Bento, José do Nascimento de Jesus, o Zezinho, revelou promessa da mineradora de instalar um sistema de alarme na vila, que ficava a cerca de 1,5 quilômetro, em linha reta, abaixo da barragem.

A presença do equipamento poderia ter salvo vidas no lugarejo. Dos 19 mortos, cinco eram moradores de Bento Rodrigues. “Sempre diziam que iriam colocar um sistema de alarme no distrito, mas nunca colocavam”, reclamou Zezinho, segundo o relatório da Federal, o qual questiona o plano de emergência no complexo de minas em Mariana.

Consta o seguinte no relatório: “O plano de emergência da Samarco previa ações apenas em caso de vazamento da barragem, não tratando, portanto, de rompimento total (…) É possível concluir que a Samarco, através de seus representantes legais, tinham pleno conhecimento dos riscos de rompimento que corria a Barragem de Fundão, vez que, já em 2012, foi apresentado relatório de vistoria indicando a sobrecarga na referida barragem e elencando um rol de providências que deveriam ser tomadas para minimizar os riscos”.

Em agosto de 2012, por exemplo, numa troca de mensagens entre Kleber, o então diretor de Operações, e Germano, gerente-geral de Projetos, o primeiro escreve ao amigo: “Vamos ter fazer um estudo de caso bem feito... Inclusive, com uma simulação de rompimento das estruturas atuais... Para ver qual o real dano...”.

A Samarco informou que “tinha um plano prevendo a hipótese de rompimento e o mesmo foi colocado em prática”. Em relação aos diretores, os advogados responderam que os indiciados “vão responder nos autos”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade