Publicidade

Estado de Minas

Número de mortes por dengue sobe para 150 em Minas em 2016

Total já é o pior desde 2008. A situação pode ser ainda mais grave, pois outros 169 óbitos ainda são investigados e aguardam resultado de exames


postado em 21/06/2016 17:24 / atualizado em 21/06/2016 21:17

O número de mortes em decorrência da dengue segue subindo rapidamente em Minas Gerais. Dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) nesta terça-feira mostram que 150 pessoas já perderam a vida por causa da doença neste ano. O balanço negativo já é o pior desde 2008. A situação pode ser ainda mais grave, pois outros 169 óbitos ainda são investigados e aguardam resultado de exames. O número de casos prováveis da doença já chega a 512.382.

Juiz de Fora, na Zona da Mata, segue sendo a cidade com o maior número de mortes: 33. Em seguida vêm Belo Horizonte, com 31, Uberaba, no Triângulo, com 8, Itaúna, na Região Centro-Oeste, Contagem e Divinópolis, com 5 cada. Segundo a SES, 81,3% das vítimas apresentavam doenças associadas. Mais da metade dos óbitos são de pacientes acima de 65 anos. Exames feitos nos doentes mostram que dois tipos de vírus da dengue estão circulando no estado. A do tipo 1 é a mais comum. Já o tipo 2 foi detectado em Uberaba, no Triângulo Mineiro, em três pessoas.

Em relação ao último boletim divulgado em 14 de junho, o número de mortes aumentou 12,7%. Porém, a Secretaria de Saúde explica que o crescimento dos casos nas últimas semanas diz respeito a óbitos de janeiro a junho deste ano. Segundo a pasta, para que um caso seja inserido no balanço, é feita uma análise dos relatos enviados pelas secretarias municipais de Saúde.

Mesmo com o tempo frio, que não é favorável à procriação do mosquito Aedes aegypti, o número de casos prováveis de dengue no estado segue aumentando. Em relação ao último boletim, o crescimento foi de 1,9%, saindo de 502.385 e passando para 512.382. Se comparado ao restante do ano, há uma queda nos últimos meses. Em janeiro, foram 63.939; em fevereiro, 143.993; em março, 155.090; em abril, 99.425; em maio, 29.023; e, em junho, 1.376 registros até a segunda-feira.

Zika e chikungunya

Outras doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti também tiveram alta em relação à última semana. Mais 294 casos de zika foram confirmados no período. O total passou de 4.026 para 4.320. Outras 9.607 notificações seguem sendo investigadas. A maioria dos casos foram confirmados por critério clínico epidemiológico em municípios com comprovada circulação do vírus. O parâmetro segue o protocolo do Ministério da Saúde, que estabelece que, quando o vírus circula em determinado local, não é preciso realizar exames laboratoriais para confirmar o diagnóstico da doença.

O número de grávidas com zika já chega a 275. Outros 604 casos estão sendo apurados. Montes Claros, no Norte de Minas, lidera a lista de número de gestantes com a doença: 41 no total. Em seguida vem Belo Horizonte, com 38, Ipatinga, no Vale do Aço, com 34, Sete Lagoas, na Região Central, com 28, e Coronel Fabriciano e Governador Valadares, na Região do Rio Doce, com 18 cada.

Já em relação à febre chikungunya, cinco novos casos foram confirmados em sete dias. O número passou de 88 para 93. Minas já teve 1.752 notificações da doença, sendo que 940 já foram descartadas e outras 719 seguem em investigação.

 

(RG)


Publicidade