Publicidade

Estado de Minas

Crianças e artistas abraçam igrejinha da Pampulha em repúdio à pichação

Estudantes, arquitetos e artistas plásticos participaram de ato em favor do monumento de Belo Horizonte e também da candidatura da Pampulha ao título de patrimônio da humanidade


postado em 28/03/2016 12:41 / atualizado em 28/03/2016 20:27

Mais de 100 pessoas participaram do abraço. Estudantes do Colégio Pio XII também marcaram presença(foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)
Mais de 100 pessoas participaram do abraço. Estudantes do Colégio Pio XII também marcaram presença (foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)
Mais de 100 pessoas entre arquitetos, artistas plásticos, presidentes de instituições ligadas ao teatro e estudantes do Colégio Pio XII deram um abraço simbólico nesta segunda-feira na Igreja de São Francisco de Assis, em BH, em repúdio à pichação que sujou o monumento na semana passada. O grupo também apóia a candidatura do conjunto arquitetônico da Pampulha ao título de patrimônio cultural da humanidade.

Há uma semana, a igrejinha, que é um dos maiores símbolos do complexo e da história de Belo Horizonte, amanheceu pichada. O painel de azulejos de Candido Portinari e a lateral de mosaicos foram depredados pela sujeira praticada por Mário Augusto Faleiro Neto, de 25 anos, pichador já conhecido da Polícia Civil.

Ele é apontado como responsável por pelo menos mais seis pichações na cidade e é morador de Ibirité, na Grande BH. Em depoimento na última quarta-feira, ele assumiu a autoria e disse desconhecer o valor da igrejinha para o patrimônio da capital mineira. Mário foi ouvido e liberado e vai responder em liberdade pelo ato de vandalismo.

Uma das pessoas que estiveram presente ao abraço simbólico da igrejinha foi o presidente do Sindicato dos Produtores de Artes Cênicas de Minas Gerais (Sinparc), Rômulo Duque, que criticou o vandalismo em um símbolo da capital mineira. “Foi um absurdo o que aconteceu, ainda mais em uma criação de Oscar Niemeyer conhecida internacionalmente. Isso chama a atenção para a conservação do conjunto como um todo”, afirma Duque.

Já o restaurador que coordena os trabalhos de limpeza da igrejinha, Wagner Matias de Souza, subiu o tom das críticas ao pichador. “Muito mais do que um ato de vandalismo é um ato de terrorismo, quando a pessoa faz algo sem saber o que está fazendo”, afirma. Segundo o restaurador, o trabalho de limpeza é bastante delicado e demorado, o que o impede de garantir a data certa de conclusão. “A expectativa é que acabe essa semana”, completa.

Artistas também deram o abraço simbólico no monumento(foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)
Artistas também deram o abraço simbólico no monumento (foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade