Publicidade

Estado de Minas

Bloco entra de graça no metrô em protesto contra tarifas do transporte público

Pula Catraca desfila no Bairro Calafate e segue de metrô até o Santa Efigênia sem pagar tarifa. "Fizemos manifestação contra o valor das passagens e o sistema de tarifas", diz estudante


postado em 31/01/2016 18:35 / atualizado em 31/01/2016 19:35

Centenas de pessoas lotaram a estação Calafate para acompanhar o bloco(foto: Rui Loureiro Trindade)
Centenas de pessoas lotaram a estação Calafate para acompanhar o bloco (foto: Rui Loureiro Trindade)

Conhecido pelas críticas ao valor das tarifas e à qualidade do transporte público de Belo Horizonte, o Bloco Pula Catraca aliou folia e manifestação na tarde deste domingo. Ao som de marchinhas e de cantos contra o reajuste das passagens de ônibus, centenas de integrantes e simpatizantes do grupo desfilaram por ruas do Bairro Calafate, na Região Oeste da capital mineira, e seguiram para o Bairro Santa Efigênia de metrô, sem pagar tarifa. O ato, segundo os organizadores, foi uma forma de protesto.

A concentração começou por volta das 14h30. Os tambores ditaram o ritmo do grupo, que rapidamente, atraiu o público. Por volta das 17 horas, o bloco saiu em passeata e seguiu até a Estação Calafate. “Fomos recebidos com as portas fechadas. Depois de uma negociação, elas foram abertas e metade do bloco, cerca de 500 pessoas, pulou a catraca”, disse a estudante de direito Letícia Domingues, de 22 anos. “Fizemos a manifestação contra o valor das passagens e o sistema de tarifa do transporte público”, acrescentou.

Os foliões seguiram de metrô até a Estação Santo Efigênia, onde pararam para esperar o restante do grupo. Mesmo dentro dos vagões, a folia seguiu. “Continuamos cantando as tradicionais marchinhas e composições próprias contra as tarifas. Conseguimos o apoio da população”, disse a estudante.

Procurada pelo em.com.br, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), responsável pelo metrô, informou que está apurando a situação e vai se manifestar nesta segunda-feira sobre o protesto e sobre a negociação para a entrada do grupo na estação.
Grupo tocou marchinhas tradicionais e músicas próprias contra o sistema tarifário de transporte(foto: Rui Loureiro Trindade)
Grupo tocou marchinhas tradicionais e músicas próprias contra o sistema tarifário de transporte (foto: Rui Loureiro Trindade)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade