Publicidade

Estado de Minas

Marchinha sobre discussão entre Chico Buarque e grupo de jovens vence Concurso Mestre Jonas

Segundo lugar ficou com a música "Prefeito, libera o cooler", que critica o decreto sobre a proibição de caixas de isopor e churrasqueiras nas ruas de BH


postado em 31/01/2016 08:50

(foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A.Press)
(foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A.Press)

Na noite que premiou a melhor marchinha de carnaval de Belo Horizonte, não faltou bom humor, crítica política e melodia dançante. Mas a grande vencedora do Concurso Mestre Jonas em 2016 foi “Não enche o saco do Chico”, música de autoria de Marcos Frederico e Vitor Velloso, que fala sobre a discussão entre o cantor Chico Buarque e um grupo de jovens no Rio de Janeiro. A festa aconteceu na noite desse sábado, no Mercado Distrital do Cruzeiro, na Região Centrou Sul de Belo Horizonte.

"Se encontrar o Chico na rua e não tiver nada pra dizer, talvez seja melhor ficar na sua ou achar outro saco pra encher. Você pode ter a sua opinião e pode discordar do Chico, mas, se for pra tirar satisfação, é melhor você fechar o bico", diz a marchinha, em referência ao episódio em que o músico é confrontado na rua por um grupo contrário à posição política dele.

Ouça a marchinha vencedora:


A música inspirada no Decreto 16.203/2016 publicado recentemente pelo prefeito Marcio Lacerda levou o segundo lugar da premiação. “Prefeito, libera o cooler” critica a proibição do uso de caixas de isopor e churrasqueiras nas ruas da capital. Já o terceiro lugar foi conquistado por Pablo Castro, autor de “A letra da marchinha”.

Ouça a faixa “Prefeito, libera o cooler”:



Ouça a música "A letra da marchinha":



Em clima de carnaval, o concurso preparou uma festa com muitas luzes e decoração especial para receber os foliões. Os carnavalescos capricharam nas fantasias. O advogado Deyvs Antony, de 27 anos, foi vestido de Papa Francisco, por admiração pessoal, segundo ele, que carregava um cálice vermelho. “Hoje, o Papa só vai tomar água e suco. O Papa está dirigindo”, brincou.

O contador Silvaney Alves Santos, de 33, foi de cupido, com flecha e tudo. “Eu pretendo fisgar um coração. Cupido normalmente ajuda as pessoas, mas sou um cupido egoísta. Primeiro, penso em mim, depois nas pessoas”, disse o contador. O técnico em enfermagem Thiago Souza, de 22, foi de Nero. “Aposentei o isqueiro. Não vou colocar fogo em nada. Meu foco hoje é outro”, brincou.

O geólogo Ricardo Oliveira, de 26, está de David Bowie, em homenagem ao cantor inglês que morreu recentemente. “Eu o admirava muito. Grande perda para o rock”, lamentou. Mas, o momento é festa, segundo ele. Ricardo conta que pegou a calça emprestada da namorada e comprou uma peruca no Centro da cidade. “Eu mesmo fiz a maquiagem”, contou. O violão de infância, que foi revestido com cartolina vermelha, substituiu a guitarra.

Helton Moreira Lima, de 25, que canta a marchinha “Prefeito, libera o cooler” foi para a festa dentro de uma caixa de isopor e com uma camiseta com a logomarca de uma cerveja.

Essa é a quinta edição do Concurso de Marchinha Mestre Jonas e começou com 182 músicas inscritas. Dessas, 15 foram pré-selecionadas por uma curadoria e se apresentaram na semana passada. O júri escolheu dez, que foram para a final.

Com informações de Pedro Ferreira

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade