Publicidade

Estado de Minas

Arsênio de mineradora de Paracatu contaminou crianças da cidade

Segundo o relatório, foram analisadas amostras de 37 pessoas de um total de 112 residentes da Bacia do Santa Rita


postado em 02/01/2016 13:31

(foto: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)
(foto: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)

Enquanto novos estudos não são realizados em Paracatu (MG) sobre a possível contaminação da população e do meio ambiente por arsênio — fruto do processo de extração do ouro na região —, um geólogo da cidade localizada a aproximadamente 200km do Distrito Federal realizou testes que comprovam o risco de morte sofrido por quem mora ao lado da maior mineradora a céu aberto do país. Márcio José dos Santos coletou amostras de água subterrânea e superficial do Ribeirão Santa Rita, próximo às barragens de rejeito da multinacional canadense Kinross Gold Corporation, para onde são encaminhados materiais líquidos e sólidos decorrentes do processo de retirada do mineral.

A coleta foi feita entre abril e julho do ano passado, a pedido de produtores rurais da área, e enviado para análise em Uberlândia (MG). Na conclusão do estudo, o geólogo constatou, além da contaminação da água, altos níveis de arsênio em resultados de exames de urina da população ribeirinha. Segundo o relatório, foram analisadas amostras de 37 pessoas de um total de 112 residentes da Bacia do Santa Rita. Nenhum dos indivíduos teria trabalhado na mina Morro do Ouro em condições de risco ocupacional.

O geólogo revelou, em entrevista, que o mais impressionante ao longo do estudo foram os resultados dos exames das crianças, cujos índices de contaminação foram superiores aos dos adultos. Um dos trechos do documento destaca média de 18 microgramas de arsênio por grama de creatinina na população infantojuvenil, quando os valores de referência são de 10 microgramas. Esse parâmetro está estabelecido na Portaria nº 2.914/2011, do Ministério da Saúde, que segue o padrão da Organização Mundial da Saúde (OMS), vigente desde 2001.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade