Publicidade

Estado de Minas DE OLHO NO PREJUÍZO

Ministério Público capixaba vai abrir inquérito para apurar consequências da tragédia de Mariana no ES

O objetivo é apurar danos ambientais e sociais decorrentes do rompimento das barragens da Samarco


postado em 07/11/2015 19:06 / atualizado em 10/11/2015 11:43

A lama que desceu da barragem segue em direção ao estado vizinho, Espírito Santo(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
A lama que desceu da barragem segue em direção ao estado vizinho, Espírito Santo (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) informou nesta tarde de sábado que vai abrir na próxima semana inquérito civil para apurar as consequências e os impactos sociais e ambientais provocados, em municípios capixabas, pelo rompimento das barragens da empresa Samarco em Mariana, Minas Gerais.

Nesta segunda-feira, deve ser encaminhada equipe técnica destinada à apuração dos bens ambientais afetados, assim como os prejuízos sociais, em função da lama resultante do desastre que atingiu o Rio Doce e que deve chegar ao Espírito Santo. A previsão é de que a lama alcance os municípios de Baixo Gandu, Colatina e Linhares. Calcula-se que o nível do rio pode subir até um metro e meio e que o município de Colatina venha a ter o abastecimento de água suspenso em razão da lama na água do Rio Doce.

O MPES também já orientou os municípios capixabas a elaborarem laudos de gastos públicos com prejuízos e atividades emergenciais por causa do incidente para que possam ser cobrados judicialmente. Os promotores de Justiça estão de sobreaviso para acompanhar de perto os desdobramentos do caso e dar apoio necessário ao poder público e à população afetados.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade