UAI
Publicidade

Estado de Minas

Seca põe 113 cidades de Minas em emergência


postado em 19/10/2015 06:00 / atualizado em 19/10/2015 11:59

"Precisamos pensar a seca a médio e longo prazo. Tempos que armazenar água e conviver com a seca" - César Emílio Lopes Ferreira, presidente da Amams (foto: Beto Magalhães/EM/DA Press - 15/4/13)

O clima quente e seco já levou 113 cidades mineiras a decretarem estado de emergência. Na Região Norte do estado, a situação é grave e, segundo o presidente da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams), César Emílio Lopes Ferreira, a economia da região é abalada pelo efeito da estiagem. “Muitas cidades dependem da agropecuária, e o produtor está passando por dificuldades”, afirma Ferreira, que é prefeito de Capitão Enéas. “A nossa única esperança é que venha a chuva”, afirma.

De acordo com o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) Luiz Ladeia, as regiões Norte e Noroeste do estado vão seguir nesta semana com baixos índices de umidade e temperatura elevada. Porém, os moradores do Leste e dos vales do Jequitinhonha e Mucuri podem esperar um refresco nos próximos dias, por causa de uma frente fria no litoral Sul da Bahia, que pode provocar chuvas.

No restante do estado, porém, a semana vai começar quente. Os moradores do Triângulo Mineiro sofreram com um calor infernal ontem. Em Ituiutaba, segundo medição do Inmet, a temperatura chegou a 41,3°C e a umidade do ar a apenas 11%, o que é considerado crítico para a saúde. Os termômetros também passaram dos 40°C em Campina Verde: 40,2°C.

A cidade de Pai Pedro, no Norte do Estado, teve o estado de emergência decretado na sexta-feira. “A situação está cada dia mais calamitosa e as previsões não são boas”, afirma o prefeito Eujácio da Soledade Rodrigues. A cidade de 6 mil habitantes tem 4 mil moradores vivendo na área rural, que estão sem abastecimento de água. “Os poços artesianos estão secando, a vazão abaixando e começa a faltar água para o consumo de animais”, detalha o prefeito.

Para os moradores, o abastecimento vem de 10 caminhões-pipa, que segundo o prefeito, precisam percorrer até 150 quilômetros para atender as comunidades rurais. “É preciso pensar uma maneira de conservação, pois toda a água que cai nos rios das regiões vai embora”, explica Rodrigues.

O presidente da Amams explica que outras cidades da região também estão dependendo do abastecimento por caminhões-pipa na área rural. “Precisamos pensar a seca a médio e longo prazo. Temos que armazenar água e conviver com a seca, pois estamos em uma região semiárida”, detalha Ferreira. Ele cita exemplos do Nordeste brasileiro, que, na visão dele, aprendeu a lidar com a seca.

CAPITAL Em Belo Horizonte, a temperatura deve ficar em torno de 30°C, menor que ontem, quando foi 31,2°C. Segundo Ladeia, do Inmet, a perspectiva de um refresco, com possibilidade de chuva, só a partir de sexta-feira. Ontem, o calor arrefeceu um pouco, mas muita gente reclamou da falta de água. A Copasa realizou intervenções no sistema do Rio das Velhas e paralisou o abastecimento em vários bairros de Belo Horizonte, Nova Lima, Sabará, Santa Luzia, São José da Lapa, Ribeirão das Neves, Raposos e Vespasiano. Até os bebedouros da Praça da Liberdade ficaram sem água.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade