Publicidade

Estado de Minas

Prefeito Marcio Lacerda já vê racionamento de água

Lacerda reforça que medidas drásticas, incluindo rodízio e sobretaxa, só dependem de 'questões burocráticas' a serem encaminhadas pelo estado. PBH promete redução de 30%


postado em 28/01/2015 06:00 / atualizado em 28/01/2015 11:41

A Comdec será encarregada de definir as ações para baixar o consumo nos órgãos municipais, segundo Márcio Lacerda(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
A Comdec será encarregada de definir as ações para baixar o consumo nos órgãos municipais, segundo Márcio Lacerda (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
A adoção do racionamento de água para os moradores da capital “é uma realidade” e dependerá somente de questões burocráticas, reforçou ontem o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB). “O governo do estado espera, assim que tiver a anuência da agência reguladora de água e esgoto, iniciar um processo oficial de racionamento e, eventualmente, com sobretaxa para consumo excessivo. Isso foi dito na reunião ontem (segunda-feira). Não começa agora. Precisa de essa parte legal estar resolvida”, completa o prefeito. Ele se referia à reunião entre o governador Fernando Pimentel (PT) e 34 prefeitos da região metropolitana para discutir as medidas diante da crise de abastecimento.

Na semana anterior, a Copasa havia admitido a hipótese de racionar o produto se o regime de chuvas não recompusesse os reservatórios satisfatoriamente nos próximos três a quatro meses, mas o EM apurou que a medida poderia ser adotada num prazo inferior. Ela depende necessariamente de aprovação da Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae), para que seja decretado o chamado estado de situação crítica. Esse processo levaria pelo menos 30 dias. Só aí poderiam ser adotados racionamento, rodízio ou sobretaxa.

Lacerda falou sobre a possibilidade de desabastecimento ontem, durante assinatura da lei que garante a transferência da permissão de táxi ao sucessor legítimo do motorista que ficar inválido ou falecer. O prefeito também informou que o primeiro dia de aula na rede pública municipal será destinado a passar informações sobre a situação de risco hídrico para as cerca de 200 mil crianças matriculadas, com o objetivo de replicar a informação às famílias e assegurar a redução de consumo.

Na Prefeitura, ele determinou que a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) seja o órgão responsável por definir as ações para baixar o gasto do produto e atender a cota ideal de queda estipulada pela Copasa. “Vamos nos dedicar inicialmente a um estudo profundo do consumo da PBH. Trinta por cento é uma meta dura, mas possível”, afirma.

FALSO OTIMISMO Segundo o prefeito, em reunião com a Copasa, em novembro, na gestão estadual anterior, foi repassada à PBH a informação de que os reservatórios estavam, em média, com armazenamento de 40%, enquanto o mesmo período de 2013 tinha registrado 70%. “A posição da Copasa naquele momento era que, com o regime de chuvas próximo do normal nesse verão, não haveria dificuldades durante o ano de 2015. A realidade desmentiu esse otimismo com essa escassez de chuvas do início do ano e é importante haver uma economia pela população”, defendeu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade