Publicidade

Estado de Minas

Igam pode decretar situação crítica de escassez de recursos hídricos em MG

Caso o decreto seja aceito, ele vai ser encaminhado para a Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae/MG). Somente depois destes trâmites é que o racionamento de água poderá ser autorizado


postado em 22/01/2015 19:46 / atualizado em 22/01/2015 20:39

A situação dos reservatórios de Minas Gerais, principalmente na Região Metropolitana de Belo Horizonte, é crítica e preocupante. Essa foi a afirmação da presidente da Companhia de Saneamento do Estado de Minas Gerais (Copasa), Sinara Meireles, em coletiva de imprensa no fim da tarde desta quinta-feira. Por causa da estiagem, a população mineira poderá ter racionamento de água e punições com multas para o desperdício. Nesta sexta-feira, a empresa vai enviar para o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM) documentos para declarar situação crítica de escassez de recursos hídricos.

                                                       

                                                        Assista ao vídeo da coletiva da Copasa

                                                                          

 

O mais importante sistema de abastecimento de água de Minas Gerais, o Paraopeba, que abastece a Grande BH e é composto pelos reservatórios Serra Azul, Rio Manso e Vargem das Flores, está operando atualmente com 30,25% de sua capacidade. Para ter uma ideia, no mesmo período do ano passado, o nível do reservatório era de 78% de água armazenada. Em dezembro, o volume era de 34%.

Segundo a Copasa, o sistema Serra Azul é o que tem a pior situação. Atualmente, seu volume é de 5,73%, praticamente operando com o volume morto. Vargem da Flores está com a capacidade de 28,31% e o sistema Rio Manso, 45,06%.

Por causa do nível bem abaixo do esperado e já trabalhando com a escassez de chuva em 2015, a Copasa vai determinar uma série de medidas, entre elas a conscientização da população. A campanha para que os mineiros economizem 30% do consumo de água começa na próxima segunda-feira. “Se todo mundo continuar gastando o que estamos gastando, em quatro meses já não teremos mais nada. É preciso racionar água”, comentou Sinara. "Além desta, outras oito medidas vão entrar em operação."

A Copasa não descartou o racionamento de água e nem a multa para os moradores que desperdiçarem água. “Tendo em vista a situação crítica que já estamos vivendo, preparamos os programas. Se a campanha para a redução de consumo espontâneo de 30 % não concretizar e o período chuvoso continuar ruim, teremos racionamento”, explica o diretor de operação metropolitana, Rômulo Thomas Perlli.

Segundo ele, pode haver rodízio de abastecimento nos bairros. “Teremos uma programação para avisar que entraremos em rodizio, como, por exemplo, avisar que tais bairros ficarão sem água de tantas a tantas horas. Isso é para não entrarmos em colapso”, disse.

Para que essas medidas drásticas sejam tomadas, o Igam tem que decretar situação crítica de escassez de recursos hídricos. A Copasa deve encaminhar nesta sexta-feira informações sobre a situação dos reservatórios do estado. O decreto, se for aceito, será encaminhado para a Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae/MG), que vai determinar se o racionamento e a punição poderão ser executados.

O racionamento de água não deverá ser em todo o estado. Mas a presidente da Copasa garantiu que os 31 municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte, incluindo a capital mineira, que são atendidos pela empresa, entrarão no esquema.



Veja as medidas que serão tomadas pela Copasa

- Disponibilizar informações diárias sobre o nível dos reservatórios de abastecimento na Região Metropolitana de Belo Horizonte
- Destacar 40 equipes de campo na Grande BH para evitar vazamentos de água
- Implantar nova rotina para programação dos atendimentos em manutenções corretivas e preventivas
- Revisar procedimentos de operação do sistema integrado
- Realizar Campanha Educativa para a população reduzir consumo de água em 30% na Grande BH
- Intensificar a contratação de caminhões-pipa e a perfuração de poços artesianos
- Enviar ao Igam decreto de situação crítica de escassez de recursos hídricos em Minas
-Atuar na adoção de mecanismos legais, como racionamento de água e mecanismos tarifários
- Executar a captação de 5 metros cúbicos por segundo no Rio Paraopeba para a Estação de Tratamento de Água do Rio Manso


Publicidade