Publicidade

Estado de Minas

Policial civil é baleado por soldado da PM em Uberaba

Pelo menos cinco policiais civis foram baleados neste mês de setembro em Minas, alguns em operações de investigação e outros fora de serviço


postado em 27/09/2014 15:18 / atualizado em 27/09/2014 15:30

Um policial civil foi baleado na madrugada deste sábado por um militar em Uberaba, no Triângulo Mineiro. A vítima desobedeceu a ordem de PMs durante uma abordagem na Avenida Guilherme Ferreira, Bairro São Benedito. Houve confusão porque o policial civil se apresentou armado e com sinais de embriaguez. Pelo menos cinco policiais civis foram baleados neste mês de setembro em Minas, alguns em operações de investigação e outros fora de serviço.

De acordo com a PM, por volta de 2h10, os militares foram verificar informações sobre o alarme disparado na agência da Caixa Econômica Federal na avenida. No entanto, não conseguiram encontrar qualquer irregularidade. Do outro lado da rua, bem perto do banco, os militares viram um Fiat Stilo estacionado, carro que levantou suspeita.

O veículo estava fechado e com os vidros escuros, mas o motorista estava dentro do carro. Ele foi chamado pelos militares a se apresentar, mas não obedeceu a abordagem. Quando decidiu sair do veículo, o condutor desceu armado e muito nervoso. Só depois os militares souberam que se tratava do policial civil H.A.M..

O policial civil gritou com os militares e, muito descontrolado, ameaçou atirar contra a guarnição. Segundo o boletim de ocorrência da PM, a equipe insistiu para que H.A. largasse a arma, mas ele continuou apontando para os militares. Conforme consta no BO, ele chegou a dizer: “se atirar vai todo mundo pro inferno”. Um soldado que atendia a ocorrência decidiu atirar contra o policial civil que foi ferido na cintura.

Mesmo caído com o ferimento, H.A. não soltou a arma e precisou ser desarmado pelos militares. Ele foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao hospital e a pistola .40 que ele portava foi recolhida. A arma do soldado da PM que atirou também está apreendida para perícia.

Outros casos


Na madrugada de sexta-feira, um policial civil foi morto na porta da casa da mãe ao se envolver em uma confusão com militares em Malacacheta, no Vale do Jequitinhonha. Ele foi acusado de colocar o som do carro muito alto, mas não aceitou a presença da PM na porta da residência. Durante a abordagem houve briga, luta corporal e um sargento atirou contra o investigador.

Na noite da última quinta-feira, o investigador Clenir Freitas da Silva, da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Betim foi morto a tiros durante uma operação contra o tráfico de drogas no Bairro Capelinha. Os suspeitos do crime são dois policiais civis, lotados na 8ª Delegacia Especializada de Homicídios de Betim, que estariam escoltando um traficante para receber propina. Lucas Menezes Meireles e Luno Eustáquio Costa Campos estão presos na Casa de Custódia da Polícia Civil, na Região Leste de BH, onde permanecerão à disposição da Justiça.

No dia 1º de setembro, dois policiais foram baleados na Grande BH. A investigadora Maria Regina de Almeida, 47 anos, foi atingida por três disparos em um assalto no Bairro Nova Suíssa, Região Oeste de BH, e morreu ao dar entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). No mesmo dia, o investigador Paulo César Oliveira Mendes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi baleado durante uma operação policial no Bairro Tijuco, em Contagem, na Grande BH.


Publicidade