Publicidade

Estado de Minas

Crescimento urbano muda rotina de moradores de Lagoa Santa

Trânsito ruim, sensação de insegurança... Problemas de cidade grande incomodam habitantes de Lagoa Santa e já levam alguns moradores a voltar para BH ou se mudar para mais longe


postado em 06/10/2013 06:00 / atualizado em 06/10/2013 07:37

Como em BH, o trânsito em Lagoa Santa registra congestionamentos frequentes, sobretudo nos fins de semana(foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
Como em BH, o trânsito em Lagoa Santa registra congestionamentos frequentes, sobretudo nos fins de semana (foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
O paraíso fica com jeito de metrópole. Antes reduto de quem procurava calmaria e mais contato com a natureza, Lagoa Santa, a 30 quilômetros de Belo Horizonte, começa a enfrentar problemas típicos de cidade grande. Aumento da população, trânsito difícil e casos de violência incomodam uma parte dos moradores e já há quem tenha tomado uma decisão extrema: deixar o município. Há casos de moradores que voltaram para Belo Horizonte para ficar mais próximo do trabalho e de quem tenha se mudado para ainda mais longe em busca de tranquilidade.


O engenheiro civil Paulo Henrique Laurito Machado, criado em Lagoa Santa, desistiu de percorrer grandes distâncias todos os dias para estudar e trabalhar. Decidiu morar com a avó no Bairro de Lourdes, Região Centro-Sul da capital, de onde vai a pé para o trabalho. “Meus pais construíram uma casa lá em busca de sossego para criar eu e meus irmãos. Mas pegava ônibus lotado todo dia. O tempo que gastava não compensava”, justifica. “E já peguei vários ônibus que foram assaltados”, acrescenta. O jovem, de 28 anos, ainda passa os finais de semana em Lagoa Santa, onde estão a maioria dos amigos. Às sextas, ele diz que pode levar até duas horas para chegar à cidade.

Parte dos moradores considera que crescimento desordenado ameaça a tranquilidade típica da orla(foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
Parte dos moradores considera que crescimento desordenado ameaça a tranquilidade típica da orla (foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)

As estatísticas confirmam a percepção de Paulo. Segundo um levantamento feito pela Translago, que fiscaliza e regula o trânsito da cidade, a frota triplicou nos últimos 10 anos. Em 2002, eram 8.755 veículos. Em julho deste ano, triplicaram para 24.731. O número não engloba a frota flutuante, carros que apenas circulam pelo município. Em feriados prolongados, há 50 mil deles nos horários de pico.

Para fugir dessa confusão, a turismóloga Rejane Barcelos de Melo, de 34 anos, teve de se mudar para mais longe. O destino escolhido foi Lapinha da Serra, a 90 quilômetros de Lagoa Santa. “Morei por 22 anos em BH. Queria mato e tranquilidade, aí fui para Lagoa Santa em 2008. Era tudo sítio, na minha rua não passava nada. Hoje, cadê as matas? É impossível achar vaga de estacionamento no Centro”, diz ela, que hoje mora onde não há nem sinal de celular. “Talvez, para quem venha de BH, Lagoa Santa ainda pareça sossegada. Mas não é mais”, opina.

Nem a guarita do Parque de Material Aeronáutico ficou livre das abordagens de grupos de assaltantes(foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
Nem a guarita do Parque de Material Aeronáutico ficou livre das abordagens de grupos de assaltantes (foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
FROTA
O diretor municipal de Transporte e Trânsito, Roberto Félix, confirma que a frota cresceu “assustadoramente”. Segundo ele, foram instalados seis semáforos em Lagoa Santa, além de 55 lombadas, na última década, mas sem fiscalização, isso complica o fluxo. “O progresso veio para ficar. Demorou anos, mas, após a reforma do aeroporto de Confins, a cidade sofreu um boom de crescimento”, diz.

A expectativa da prefeitura é que um concurso para agentes de trânsito seja realizado logo, além da criação da Secretaria Municipal de Defesa Social, que deve criar a Guarda Municipal. A construção de duas vias pelo governo do estado, a Avenida Integração e o Contorno Norte, também devem desafogar o fluxo do Centro. “O trânsito não aceita mais medidas paliativas. Em 90 dias, deveremos começar a duplicar algumas avenidas. A cidade precisa de sinalização moderna e radares”, reconhece.

Em 2000, Lagoa Santa tinha 37 mil habitantes. A estimativa do IBGE é de que o número chegue a 58 mil moradores até o fim do ano. Nos fins de semana e feriados, esse número dobra, segundo a prefeitura.

RAIO X DA CIDADE


» População estimada: 57.589 habitantes
» Área territorial: 229,267 km²
» Frota: 24.731 veículos: 14.642 carros; 5.194 motos
» Empreendimentos imobiliários previstos neste ano: 3 mil

Violência
Crimes violentos
(roubo, latrocínio, homicídios, estupro, sequestro e cárcere privado)
» Janeiro a agosto 2012: 166
» Janeiro a agosto 2013: 158

Roubos
» Janeiro a agosto 2012: 137
» Janeiro a agosto 2013: 132

Homicídios
» Janeiro a agosto 2012: 6
» Janeiro a agosto 2013: 3

Fontes: IBGE, Prefeitura e Polícia Militar

 

'Mudamos para cá há oito anos. Era muito tranquilo. A gente abria a porta para qualquer um. Há uns cinco anos, ficou mais perigoso', afirma Andréia Alcântara(foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
'Mudamos para cá há oito anos. Era muito tranquilo. A gente abria a porta para qualquer um. Há uns cinco anos, ficou mais perigoso', afirma Andréia Alcântara (foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
Está mais perigoso, diz moradora
Além do trânsito, o aumento da população em Lagoa Santa criou outro desafio: o da segurança pública. Segundo a Polícia Civil, o número de inquéritos quase triplicou de 2001 a 2011: de 182 para 504. O número de policiais militares na cidade, porém, é o mesmo desde 2007: 55.


A estudante Andréia Alcântara, de 23 anos, foi vítima de um roubo e teve de mudar a rotina. Quatro homens armados invadiram sua casa, no Bairro Jardim Ipê, e fizeram refém a família. Foram 20 minutos de ameaças. O grupo levou R$ 2 mil, perfumes, joias e roupas. Para voltar a se sentir segura, ela gastou R$ 1,8 mil em grades nas portas e janelas, e na compra de um cachorro. “Mudamos para cá há oito anos. Era muito tranquilo. A gente abria porta para qualquer um. Há uns cinco anos, ficou mais perigoso”, diz .

Até soldados da guarda do Parque de Material Aeronáutico se tornaram alvos de bandidos em Lagoa Santa. Só em agosto, a polícia foi acionada em três tentativas de assalto. Na última, dois homens renderam um militar na guarita e levaram um celular e o colete à prova de balas.

Em 2013, os índices de violência estão estabilizados erm comparação com 2012, segundo a Polícia Militar. De janeiro a agosto, foram 158 crimes violentos – roubo, latrocínio, homicídios, estupro e sequestro. No mesmo período do ano passado, foram 166, queda de 3%. O total de roubos passou de 137 em 2012 para 132 este ano. “Reforçamos o policiamento preventivo. Esse é o maior investimento. Temos como foco os centros comerciais e áreas residenciais mais visadas: Jardim Ipê, Joá e Várzea”, diz o comandante da Companhia da PM de Lagoa Santa, tenente José Geraldo da Silva.

Silva avalia que será possível reduzir mais os crimes com a chegada de duas viaturas para ajudar no patrulhamento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade