Publicidade

Estado de Minas

Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa é patrimônio de Minas


postado em 24/12/2012 00:12 / atualizado em 24/12/2012 07:21

A Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, vinculada à Secretaria de Estado da Cultura, foi um dos prédios projetados pelo arquiteto Oscar Niemeyer para a Praça da Liberdade – hoje integra o Circuito Cultural desse espaço nobre de Belo Horizonte. A instituição foi criada em 1954, quando Juscelino Kubitschek (1902-1976) era governador de Minas (de 1951 a 1955). O nome é uma homenagem ao professor, jornalista e intelectual nascido em Amarante, Portugal, em 1894 e que chegou a Juiz de Fora, na Zona da Mata, com 12 anos. Luiz de Bessa foi redator-chefe dos jornais Estado de Minas e Folha de Minas, organizou o serviço de radiodifusão no estado, com destaque para a Rádio Inconfidência, e trabalhou, de 1942 a 1945, como oficial de gabinete do governador Benedito Valadares (1892-1973). Morreu na capital em 1968.


A biblioteca pública é considerada modelo e referência para todas as existentes nos municípios mineiros. Com cerca de 230 mil títulos disponíveis para consulta, entre livros, revistas e jornais, a instituição recebe diariamente 1,5 mil pessoas, entre crianças, jovens, adultos, estudiosos de várias áreas, pesquisadores e portadores de deficiência visual. O vasto acervo reúne obras de escritores brasileiros e estrangeiros, coleção de autores mineiros de todas as épocas, obras raras e especiais de importância, volumes sobre artes, coleção infantojuvenil e acervo em braille.


O prédio conta ainda com um amplo arquivo de jornais históricos digitalizados, salas de estudo e de pesquisa via internet, teatro com capacidade para 220 pessoas e suporte tecnológico, sala de cursos e galerias de arte. A biblioteca desenvolve programas e ações sociais de mediação e incentivo ao livro e à leitura por meio de várias atividades.


Um dos setores mais importantes é o de Coleções Especiais, já que a casa tem a missão de preservar um acervo considerado patrimônio público precioso e que requer grau de proteção maior pela relevância, raridade, beleza e seu conteúdo representativo da cultura universal. O setor é composto por 84 mil exemplares e formado pelas coleções de Artes, Obras Raras, Mineiriana, Patrimonial, Memória Infantil, Hemeroteca Histórica, Alcino Bicalho e Rita Adelaide.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade