Publicidade

Estado de Minas

Conheça o barco a vapor pioneiro das águas em Minas Gerais

Saldanha Marinho, primeiro vapor a singrar os rios das Velhas e São Francisco, em 1871, com passageiros e mercadorias, é atração em praça, mas sofre a ação dos vândalos


postado em 08/12/2012 06:00 / atualizado em 08/12/2012 07:08

Em Juazeiro, na Bahia, quase ninguém conhece o passado glorioso do vapor, que por muitos anos fez o percurso entre Pirapora, em Minas, e o município onde hoje está guardado(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Em Juazeiro, na Bahia, quase ninguém conhece o passado glorioso do vapor, que por muitos anos fez o percurso entre Pirapora, em Minas, e o município onde hoje está guardado (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


Juazeiro (BA) – A 1,6 mil quilômetros de Belo Horizonte, uma embarcação com 28 metros de comprimento e que ajudou no desenvolvimento econômico e social de Minas Gerais e de estados do Nordeste “descansa” em Juazeiro, numa praça às margens do Rio São Francisco. Trata-se do Saldanha Marinho, o primeiro vapor a navegar no Rio das Velhas e no Velho Chico. O nome de batismo, estampado com letras grandes no casco escuro, é uma homenagem ao político que governou a província mineira, de 1865 e 1867, e a paulista, em 1867 e em 1868. Hoje, o barco é uma das principais atrações turísticas daquele município do semiárido.


Mas sua importância – tanto histórica quanto econômica – começou na Grande BH. O vapor, também chamado de gaiola, apelido dado pelos ribeirinhos aos barcos movidos por imensas rodas d’água, foi lançado no leito do Rio das Velhas, maior afluente do São Francisco, em 1871, perto de Lagoa Santa e Pedro Leopoldo. A embarcação fazia a rota Pirapora–Juazeiro, uma das principais do país nas primeiras cinco décadas do século passado. De apito rouco e estridente, o Saldanha Marinho navegava a 23 km/h rio abaixo e 14 km/h leito acima.

Por viagem, levava cerca de duas dezenas de pessoas e, no máximo, seis toneladas de mercadoria. Cada viagem durava dias. E foi assim por quase 60 anos. É necessário frisar que a hidrovia do Velho Chico era um importante corredor entre o Sudeste e o Nordeste do Brasil. Primeiro, porque o São Francisco, conhecido como o Rio da Integração Nacional, corta cinco estados: Minas, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas. Segundo: o barco era o único meio de transporte para muitos moradores das cidades cortadas pelo rio, uma vez que, naquela época, a malha rodoviária do país era deficitária e a aviação era considerada luxo.

Vapores

O Saldanha Marinho, assim como as dezenas de vapores que percorriam as águas calmas do São Francisco, ainda é alvo de uma dúvida. Embora os historiadores sejam unânimes em dizer que ele debutou no Velhas em 1871, sua origem é motivo de discórdia entre especialistas. Uma corrente acredita que o vapor foi construído, a pedido de Saldanha Marinho, por Henrique Dumont, pai de Santos Dumont (1876–1932).

Em sua obra O caminho dos currais do Rio das Velhas – A estrada real do sertão, o médico e pesquisador Eugênio Marcos Andrade Goulart escreveu, na página 144, que “o primeiro barco a vapor a sulcar o Rio das Velhas e o São Francisco foi o Saldanha Marinho. Foi construído num estaleiro próximo a Sabará por Henrique Dumont, pai do aviador Santos Dumont”.

Por sua vez, outro grupo defende a tese de que o vapor foi construído nos Estados Unidos, onde navegou no Rio Mississipi. No fim do século retrasado, segundo os que acreditam nessa versão, o gaiola teria sido desmontado e enviado para o Brasil. Primeiro, para ser usado no Rio Amazonas. Depois, no Velhas. Para isso, teria sido desmontado novamente e enviado para o povoado de Quinta do Sumidouro, próximo a Lagoa Santa, onde foi montado e colocado no rio.

Essa última versão é bem parecida com a história do Benjamim Guimarães, o único vapor em atividade no planeta. Construído para navegar no Mississipi, em 1913, o Benjamim veio para o Brasil, na primeira metade do século passado, e também navegou no Amazonas. Anos depois, foi desmontado e encaminhado para o São Francisco, explorando a rota Pirapora–Juazeiro. Hoje, o gaiola leva apenas turistas, de Pirapora a Barra do Guaicuí, distrito de Várzea da Palma, no Norte de Minas, num trecho de aproximadamente 20 quilômetros.

As ruínas de uma história inacabada

Barra do Guaicuí é o vilarejo que testemunha o Rio das Velhas desaguar no São Francisco. Assim que chegou ao encontro dos dois leitos, o Saldanha Marinho encalhou no local, cujo cartão-postal é a igreja inacabada de Bom Jesus de Matozinhos, que começou a ser construída pelos escravos por volta de 1650.  Em suas ruínas, nasceu uma gameleira, que hoje dá charme à igreja de pedras. O local, embora turístico, está pichado. O mesmo ocorre com o Saldanha Marinho.

Vândalos escreveram frases e nomes na parte interna do vapor. Restos de marmitas de alumínio também são encontrados na escada que dá acesso ao segundo pavimento, onde ficam as cabines, que eram usadas por marujos e passageiros. “As pessoas precisam respeitar mais a história do barco”, defende João Pereira de Araújo, de 60 anos. Nascido no sertão do Piauí, ele se mudou, ainda jovem, para Juazeiro. Diariamente, leva seu cavalo, batizado de Pangaré, para pastar às margens do São Francisco.

Enquanto espera o animal se alimentar, ele aprecia o leito e, claro, o Saldanha Marinho. A Prefeitura de Juazeiro tem planos de reformar o barco. A ideia é recuperar o apito do gaiola e a roda d’água, que não funcionam desde 1971, quando a embarcação começou seu descanso em terra firme.

LINHA DO TEMPO
1871: Saldanha Marinho inaugura a navegação por vapores no Rio das Velhas
1877: Embarcação é fretada pela Companhia Cedro Cachoeira para transportar tecidos da empresa
1943: O barco, com problemas na estrutura, interrompe suas viagens pelo Velho Chico
1971: Já aposentado, o gaiola é transferido para a praça em Juazeiro, às margens do São Francisco
Década de 1990: O gaiola é reformado
Década de 2000: O barco funciona como restaurante e pizzaria


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade