Publicidade

Estado de Minas

Servidores do Tribunal de Justiça de MG decidem hoje sobre paralisação de cinco dias

O prédio ocupado por mais de 200 funcionários no Centro de BH corre risco de desabamento


postado em 29/02/2012 10:24 / atualizado em 29/02/2012 15:18

Há cerca de 12 mil processos em cada andar do prédio(foto: SERJUSMIG/ divulgação)
Há cerca de 12 mil processos em cada andar do prédio (foto: SERJUSMIG/ divulgação)

Servidores da Justiça de Minas Gerais de Primeira Instância realizarão uma assembleia nesta quarta-feira para decidir sobre uma possível paralisação de cinco dias, a partir da data de hoje. Os funcionários afirmam que o prédio ocupado por mais de 200 funcionários das Varas de Fazenda pública e Autarquias de Belo Horizonte corre risco de desabamento, segundo laudos técnicos.

Serão discutidas na assembleia geral extraordinária (AGE) a falta de segurança do prédio e a suspensão do trabalho interno até que fique pronto um novo laudo que avaliará a atual situação do edifício. Segundo o assessor da presidente do Sindicato dos Servidores da Justiça de Minas Gerais de Primeira Instância (Serjusmig) , em 2009 um lado revelou que não poderia haver mais de 7 mil processos em cada andar. Mas hoje o número chega a 12 mil. O excesso de peso e o mau estado de conservação provocaram infiltrações, rachaduras nas paredes, buracos no teto e vidros trincados no imóvel, informa o sindicato.

A saída encontrada para os servidores foi contratar um perito para avaliar os riscos de desabamento do prédio, à Rua Gonçalves Dias, no Centro de Belo Horizonte. A previsão é de que o laudo fique pronto na terça-feira. Por meio de votação, nesta quarta-feira às 12h30, eles devem decidir se haverá expediente até a conclusão do documento.

 

Depois de um ato público da categoria, em 16 de fevereiro, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) suspendeu o expediente externo e os processos começaram a ser retirados dos andares sobrecarregados. Mas os servidores continuaram trabalhando no edifício e os documentos apenas mudaram de lugar: estão sendo transferidos para o segundo subsolo, afirma o Serjusmig .

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) responsável pela engenharia do prédio afirmou, por meio da assessoria de imprensa do Fórum Lafayette, que ainda não tem uma posição sobre o caso.

Buracos no teto, infiltrações, rachaduras nas paredes e vdros trincados são alguns dos problemas do prédio, segundo o sindicato(foto: SERJUSMIG/divulgaçao)
Buracos no teto, infiltrações, rachaduras nas paredes e vdros trincados são alguns dos problemas do prédio, segundo o sindicato (foto: SERJUSMIG/divulgaçao)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade