Publicidade

Estado de Minas

Polícia caça em Teófilo Otoni um dos bandidos mais procurados de Minas

Operação Independência prendeu 24 membros de uma quadrilha de tráfico de drogas da qual Quén Quén fazia parte. A operação acontece na cidade natal do criminoso


postado em 01/09/2011 08:46 / atualizado em 01/09/2011 09:10

Bruno Rodrigues de Souza, de 22 anos(foto: Divulgação Polícia Civil)
Bruno Rodrigues de Souza, de 22 anos (foto: Divulgação Polícia Civil)
A Polícia Civil está no encalço do criminoso mais procurado de Belo Horizonte. Uma operação especial acontece nesta quinta-feira, em Teófilo Otoni, Região do Vale do Mucuri, cidade natal de Bruno Rodrigues de Souza, de 22 anos, o Quén Quén. Segundo o delegado regional, Alberto Tadeu Cardoso de Oliveira, a quadrilha de tráfico de drogas da qual o criminoso fazia parte está presa. Cerca de 24 pessoas foram detidas e 36 quilos de entorpecentes apreendidos em Teófilo Otoni e na cidade vizinha de Ataleia.

A Operação Independência começou por volta das 4h com a participação de 80 policias, entre eles agentes de BH. De acordo com o delegado, a ação desta quinta é o fechamento de investigações que começaram há cerca de um ano e meio. Outras operações como a Cavalo de Troia, Valorização I, II e III fizeram parte da ação contra a criminalidade. Os presos são líderes do comércio de drogas e responsáveis por vários homicídios na região.

Oliveira relata a esperança dos policiais em prender Quén Quén. Eles faziam parte da lista de procurados com prisão preventiva emitida em Teófilo Otoni. “Havia a expectativa de encontrá-lo aqui, pois sabemos que é procurado em Belo Horizonte. Mas, até o momento, não temos notícias de tê-lo achado”, afirma o delegado.

Quén Quén é foragido da Penitenciária de Teófilo Otoni, na Região do Vale do Mucuri. No dia 11 de agosto, ele baleou dois policiais da Divisão de Crimes Contra Vida que faziam uma operação no Bairro Califórnia, na Região Nordeste de BH. Segundo a polícia, Quén Quén, que é homicida, assaltante e traficante, é suspeito de ser um integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) em Minas. Também é acusado de matar um agente penitenciário na Avenida Waldomiro Lobo no último dia 27 de agosto.

Perfil do acusado

Frio e altamente perigoso. Para se deslocar de um lugar para outro, além de documentos falsos, usa sempre roupas sociais. A camisa de mangas compridas serve para esconder as tatuagens e não levantar suspeitas. Esse é o perfil de Bruno Rodrigues de Souza, de 22 anos, o Quén-quen. Ele nasceu em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, onde tem longa ficha criminal. Começou no crime aos 15 anos. De acordo com a Polícia Civil de Teófilo Otoni, tem ligações com o Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo. Veio para BH no fim de 2009, quando fugiu de operação policial em Teófilo Otoni contra tráfico de drogas. É autor de vários homicídios no município do Vale do Mucuri, onde tem mandado de prisão.

Entre outros crimes, é acusado pelo assassinato de um homem conhecido como Elionei, em 2009. O crime foi motivado por tráfico de drogas. Em BH, já era investigado por tentar matar os agentes Paulo César de Oliveira Mendes e Francisco Rodrigo Carlos de Souza, da Delegacia de Homicídios. Eles foram baleados no dia 11, durante investigação de assassinato no aglomerado Sovaco da Cobra, no Bairro Califórnia, Noroeste de BH. Segundo a polícia, quando os investigadores passaram por Quén-quen, ele atirou várias vezes na viatura, baleando os dois. Segundo o delegado Edson Moreira, é investigado também por tentar matar uma juíza em Teófilo Otoni. No Fiesta usado por Quén-quen foi encontrada uma carteira de identidade com a foto dele (foto), mas com o nome Flávio Alves Gusmão.


(Com informações de Andrea Silva e Luiz Ribeiro)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade