UAI
Publicidade

Estado de Minas ano novo

Fim de ano: hora certa para uma boa faxina em casa

Arrumação, organização e limpeza tiram a energia negativa, abrem espaço para a energia positiva entrar e ainda liberam endorfina e trazem sensação de bem-estar


26/12/2021 04:00

 Érica
Érica Emerick (foto: Nélio Rodrigues/divulgação)


Muitas pessoas aproveitam a proximidade do final do ano para fazer uma verdadeira limpeza em casa, desapegando de tudo que não tem mais utilidade, restabelecendo o equilíbrio energético. É natural esse desejo de arrumar a casa, organizar armários, tirar coisas velhas, quebradas, estragadas, ou mesmo aquelas peças e objetos que não usam há muito tempo e acabam ficando encostados, ocupando espaço e esquecidos dentro dos armários. E essa “faxina” de final e ano é importantíssima, inclusive é indicada dentro do Feng Shui, ciência oriental milenar, que afirma a importância de tirar coisas que não usamos para abrir espaço para o novo que vai chegar. O que poucas pessoas têm consciência é que essa organização ajuda na vida familiar, muito mais do imaginam.
Segundo a psicóloga, especialista em terapia cognitivo-comportamental, Renata Borja, não basta fazer uma limpeza na casa, é preciso arrumar, organizar, limpar. “Essa ação ajuda quando estamos estressados. Estimula o cérebro com a liberação de endorfina, proporcionando sensação de prazer e bem-estar”, explica Renata.
 
Primeiro é preciso entender o que é a psicologia cognitivo-comportamental. Segundo a profissional, entende que os problemas têm relação com a forma como a pessoa pensa e como lida com a emoção e o comportamento social que tem. Renata criou um material exclusivo que trabalha com seus clientes. É uma agenda, mais precisamente um planer que trabalha organização, planejamento, metas, objetivo, mudança de pensamentos, de crenças, e do comportamento que está afetando a pessoa. “Se pensa de forma negativa a emoção vai acompanhar. Se penso que nada dá certo pra mim, sinto tristeza, e passo a ter tendência de ficar mais parada. Tudo está inter-relacionado. Se uma coisa não dá certo a pessoa generaliza. A terapia ajusta esses pensamentos à realidade. Não é o jogo da Poliana, mas tem pessoas que são péssimas em solução de problemas e ficam só olhando para o problema. Ficam pensando só nos 'se'. Não se preparam para enfrentar”,
 
Em sua pesquisa de mestrado Borja estudou o bem-sucedido. Queria saber qual a noção de sucesso nas diferentes gerações, porque percebia que os jovens estavam muito surtados com essa questão. Queria comprovar o que era, para eles, ser bem-sucedido e se sentiam assim. Viu que as pessoas mais bem-sucedidas não colocavam esse sentimento só em poder, dinheiro e status, mas na noção de bem-estar. Essas pessoas se consideravam mais organizadas e planejadas e menos preocupadas. A psicóloga percebeu que seria mais fácil enfrentar situações difíceis se a pessoa se planejasse, organizasse e assim teria menos preocupação. “Com planejamento as pessoas deixam até um tempo de suporte para imprevistos. A vida fica mais tranquila.”
 
Baseada em seu trabalho de mestrado ela criou um curso on-line, no qual explica como fazer tudo isso, e mostra que ansiedade é uma emoção positiva, ao contrário do que a maioria das pessoas pensa. “Quando você tem prazo para entregar um trabalho fica ansioso e isso desperta em você uma energia que te acelera, e você trabalha mais. Isso é positivo. O problema é as pessoas acham que a ansiedade é negativa.”
 
Portadora de TDH, Renata tira o mês de janeiro para fazer a “limpeza geral”, organizar tudo, fazer o cronograma do ano inteiro com sua equipe. Pode ser que mude ao longo dos meses – com certeza muda –, mas quando começa o ano com algum planejamento fica mais fácil, porque já criou uma linha, um caminho, o ambiente propício para as coisas fluírem. Isso diminui a ansiedade negativa. “Tem gente que tem mais dificuldade. Sou uma TDH e concluo minhas metas. Tenho que colocar data, às vezes essa data muda, mas a tarefa chega ao fim”, diz.
 
Renovar faz bem sempre, mas em especial nessa época, após um ano de pandemia. “Para que possamos iniciar 2022 renovados, com pensamentos elevados, promovendo o bem-estar de nossa saúde mental. É tempo de mudanças e esperanças”,  completa Renata Borja.
 
Jessica
Jessica Sougo (foto: Arquivo pessoal)
 
 
Arrumação, organização 
e limpeza sustentável 
 
A decoradora Erica Emerick exerceu a profissão por 20 anos, mas há sete anos ampliou sua área de atuação e, atualmente, comanda sua nova empresa, a Larmonie Casa Viva. Formou em decoração na UEMG porque sempre gostou de gente e de casa, mas o processo demorado e a dependência de serviços de terceiros a incomodavam bastante. Há sete anos descobriu a organização profissional, apaixonou pelo assunto, estudou a fundo e se encontrou. Principalmente porque usa a sua formação como base.
 
“A organização causa um efeito mais rápido de transformação na vida das pessoas. Sempre que faço o trabalho em uma casa, vejo a transformação não apenas no espaço, mas também na família, na vida das pessoas. Quando as pessoas organizam o espaço elas acabam se organizando internamente. Isso me encantou, e é muito mais rápido que a decoração”, explica.
 
Emerick começou fazendo apenas a organização da casa, mas na pandemia voltou a estudar questões da casa. Aprofundou e viu que para funcionar bem e estar com energia equilibrada a casa precisa estar organizada, decorada e limpa. Se não foi assim, não funciona corretamente. Baseada nessas 'descobertas' a profissional criou o projeto Casa Viva, que olha a casa como um todo.
A organização passa também por um processo de limpeza com foco na sustentabilidade e pela decoração. Na decoração Érica não trabalha com grandes projetos que demandem obras. Quando tem essa necessidade ela indica parceiros. Seu trabalho é uma consultoria de modificação de lay out, colocação de adornos, mudança de cor. “A proposta é colocar a casa com a cara e com a identidade do dono. A casa tem que acolher o morador, ele tem que se sentir em um lar. Com a pandemia isso se tornou muito importante. A necessidade do acolhimento se tornou maior. Uso elementos da pessoa, que fazem parte da história deles e coloco como adorno”, conta.
 
Antes da pandemia as pessoas iam para casa apenas para dormir e tomar banho. Passavam o dia todo fora. Agora a casa se tornou lugar de descanso, de acolhimento e aí entra a necessidade da organização, em toda a casa. “Não tem nada mais desgastante e que enerva mais uma pessoa e um casal do que precisar de alguma coisa e você não achar. Isso causa desgaste e estresse”, explica
É importante saber que existe uma grande diferença entre organização e arrumação. Arrumar é tirar as coisas da vista e guardar no armário. Organização é encontrar a casinha ideal para cada objeto dentro da casa. Todos o objetos têm pontos semelhantes e quando você junta os semelhantes e coloca em local lógico, podem passar anos, se a pessoa fizer o caminho lógico, fica fácil encontrar e manter organizado. Nada ficará em qualquer lugar no armário. Isso é o resumo da organização. Segundo a profissional, organização traz harmonia e paz. Diminuiu o estresse, porque tem controle do que você tem, seu acervo e tem controle do lugar onde tudo está guardado e isso diminui o estresse, porque o cérebro despreocupa dessa questão.
 
Uma das épocas ideais para a organização é o final do ano. Momento que todo mundo quer uma renovação. Pode ser um fator mais psicológico, mas é o momento que a maioria das pessoas olha para a casa e faz uma seleção do que deve ficar e do que deve ir embora. A profissional reforça que se tem coisas que não gosta ou não usa, aquilo está ocupando espaço. E acumulando energia parada, que faz mal para a casa. Quando começa a liberar essas coisas, a casa fica mais leve e a pessoa também. Quando mantém só o que usa e gosta fica nais fácil encontrar as coisas que precisa. Libera espaço no armário e na mente e deixa a energia da casa circular.
 
Apesar de a demanda da organização partir do cliente, alguns acabam demonstrando alguma resistência no meio do processo. Segundo Érica, isso depende muito da pessoa. Tem gente que não acumula, mas têm pessoas que são mais apegadas. “Não descartamos nada, a intenção é ensinar um processo que fará bem para o cliente. O importante é conscientizá-lo da vantagem de se desfazer do que está parado. Com as pessoas que têm dificuldade usamos uma estratégia: começamos com o que tem menos apego. Ela começa sentir a leveza que isso traz e entende que é um bem, com isso passa a aceitar a retirada de itens nas outras áreas. Mas respeitamos o que a pessoa não quer tirar. Abrir mão do que não quer, faz mais mal do que ter aquilo guardado. Fazemos a pessoa entender o porquê ela guarda aquele objeto”, esclarece.
 
Os depoimentos comprovam a eficácia do trabalho. "Tinha acabado de me casar e, como há poucos armários no nosso apartamento, tivemos muita dificuldade em conseguir guardar tudo o que temos. A Érica ressignificou os espaços na organização por funções. O conhecimento técnico da profissional foi determinante e facilitou a vida", Gustavo Veloso. "Não precisa ser uma pessoa desorganizada para precisar de uma Personal Organizer, pois é um trabalho que  otimiza o espaço existente, deixando tudo organizado de forma lógica. Como gosto de coisas de casa, estou sempre comprando louças e acessórios, e mesmo tendo um bom espaço, chegou um ponto que não cabia mais nada. Chamei a Érica que, com a organização profissional, solucionou meu problema. Além do louceiro, organizou a cozinha e a despensa. Ela consegue encontrar um lugar lógico para guardar cada objeto. Faz toda diferença”, Vênica.

LIMPEZA SUSTENTÁVEL Brasileiro tem uma cultura muito antiga de limpeza, acha que para limpar precisa jogar muita água. Hoje, exitem várias soluções que usam o mínimo possível de água e não usam produto químico, ou usa produto biodegradável que desfaz na água e não polui o meio ambiente.
 
“Vassoura e flanela só levantam a poeira, depois volta tudo para o lugar. Existem panos especiais que limpam só com água, e pouca. Trabalhamos com tecido que têm poder eletrostático, que limpam com eficiência, porque a poeira gruda no pano. Existem soluções não convencionais, mais fáceis de usar e que não prejudicam o planeta. Mas não é a limpeza em si, mas o processo. Entender dentro da rotina da casa somo será o processo de limpeza para aquela família. Todo mundo quer casa limpa e cheirosa, mas a casa é viva, usável. Fazemos um trabalho personalizado de acordo com a rotina da família. Quantas vezes a limpeza será feita, como, etc. Estudamos a família para propor a solução”, conta.
 
Sobre o valor do trabalho, Érica Emerick diz que a Associação Regional de Profissionais de Organização e Produtividade – MG (ARPOP-MG) sugere um valor mínimo de hora trabalhada, que é R$ 80, mas cada profissional faz seu preço de acordo com sua experiência.
 
Os itens que são retirados são encaminhados pelo próprio cliente para bazares, igrejas, ou instituições que o próprio cliente conheça. Caso ele não tenha para onde destinar, a profissional indica locais sérios,que buscam a doação no local. 
 
harmonização dos ambientes
A harmonização dos ambientes realizada é feita somente com cristais. Atitudes simples como limpar os armários, escolher plantas e flores para os ambientes e ouvir músicas todos os dias podem transformar o lar para a chegada de 2022 (foto: Nélio rodrigues/divulgação)
 
 
Organização e estilo 
 
Jéssica Sougo é personal stylist e organizer, mas tem o foco apenas no closet / guarda-roupa dos clientes, e seu trabalho vai além da organização, uma vez que une suas duas formações e oferece uma consultoria completa, e otimiza o guarda-roupa de forma que a pessoa consiga ter um acervo com peças dentro da sua paleta de cores e que casem em produções variadas.
 
Jessica Sougo sempre teve uma personalidade forte, sempre soube o que queria. Desde os sete anos escolhia suas roupas e fazia produções diferenciadas. Sempre foi requisitada por amigas para ajudá-las a se vestir. A demanda era tanta que seu pai chegou a sugerir que abrisse uma loja. Mas esse não era seu caminho. Consumista, tinha de um tudo, e virou ponto de procura de itens e peças por todo mundo. Seu pai faleceu cedo e ela ficou um pouco deprimida, e foi aí sua irmã a incentivou a fazer um curso de consultoria de imagem. Isso foi o início de sua descoberta. Ela fez, amou, se encontrou e fez outros cursos relacionados. Em seguida, fez o curso de Personal Organizer.
 
“Depois que você faz o curso, passa a se entender como pessoa. Entende o porquê está sofrendo por alguma coisa, porque compra muito etc. A consultoria é muito ampla, e eu decidi atuar em guarda-roupa, consultoria de estilo e cores. Continuo estudando porque quero saber tudo a fundo e vou investir agora em visagismo. Aprendi a ter menos compulsão, me vestir com menos. Primeiro teve o meu processo, para então eu atender o outro. Tenho o que sei que eu uso e sei combinar e brincar com as peças. O importante não é ter muito, mas ter as peças certas”, diz.
 
O diferencial do trabalho de Jessica é percebido logo no início. A cliente tem que experimentar todas as suas roupas para que a profissional conheça todas as peças e veja o que ficou bonito e o que não caiu bem. Começa ali o trabalho da consultora de imagem. “Não conheço o corpo da cliente, tenho que como as roupas que ela tem ficam nela. Isso é fundamental na hora da seleção e da orientação do que ficará do que será necessário comprar para complementar o guarda-roupa ideal. Dessa forma, é possível ter um armário enxuto, com peças certas, que ofereçam diversas opções de looks variados. A pessoa estará sempre com uma roupa 'diferente', se arrumará muito mais rápido, e sem entrar nesse mundo de consumismo desenfreado”, explica
 
É preciso separar o que fica, o que vai para conserto, para doação e aquelas peças que tem que descartar mesmo porque não servem nem para doar. Depois disso, a consultora faz a lista das peças chaves que precisam ser adquiridas para compor o guarda-roupa de forma que a cliente tenha o suficiente para brincar e criar vários looks diferentes. “Mostro todas as variações de produção que ficam bem para a cliente. Com o armário organizado ela consegue ver com clareza tudo o que tem e fica muito mais fácil e rápido aprontar. Sempre estará de roupa 'nova', ninguém percebe que estamos usando peças repetidas. Isso é funcionalidade e armário inteligente”, diz. 
 
 
 
Como usar o feng shui na sua casa 
 
A designer de interiores especialista em projetos de feng shui, Cris Bevilaqua, mostra que nem sempre é preciso trocar móveis ou objetos de posição para ter uma casa mais harmoniosa, equilibrada e aconchegante. A harmonização dos ambientes realizada por ela é feita somente com cristais. Atitudes simples como limpar os armários, escolher plantas e flores para os ambientes e ouvir músicas todos os dias podem transformar o lar para a chegada de 2022.
Seu trabalho é baseado na escola Ba Zhai (escola da bússola), em que a cura dos espaços é realizada somente com cristais. "A técnica que realizo ativa as energias positivas e neutraliza as negativas apenas com cristais, sendo uma espécie de guia que trabalha exatamente com a frequência presente em cada direção", explica.
O planeta regente em 2022 é o Mercúrio, representado pela cor amarela. Segundo as previsões do Feng Shui, o ano que está por vir será propício para diversas áreas atuação, como para questões ligadas à tecnologia, comunicação, comércio e educação. “A partir de 1º de fevereiro acontecerá a transição para ano do Tigre, que de acordo com tradição chinesa ajuda as pessoas a agirem com mais coragem e ousadia. As cores mais indicadas para serem usadas durante este período são: azul, verde, vermelho e amarelo, representados pelos cristais ‘Quartzo Azul’, ‘Quatro Verde’, ‘Jaspe’ e ‘Citrino’”, indica Cris.
 
Pesando na transição que o mundo está atravessando em decorrência da pandemia de Covid-19, a especialista acredita que a virada do ano é um momento importante para que a população se atente sobre a importância da relação casa/morador. "Muitas pessoas passaram a notar que a casa é uma verdadeira âncora de proteção. A nossa morada é um ecossistema vivo e com energia própria, é fundamental que essa potência esteja sempre alinhada com a do seu morador, principalmente no período que antecede a virada do ano. A casa é o nosso templo sagrado e trincheira, quando o lar está em harmonia é natural que a vida siga mais fluida, feliz e próspera", completa Cris.
 
De acordo com os ensinamentos do Feng Shui, logo na entrada do novo ano é formada uma egrégora de proteção mundial, que representa o recomeço de ciclos, e essas mudanças valem pra todos os campos da vida. Pensando nisso, veja as dicas da Cris e saiba como preparar a casa para a chegada do ano novo.
 
Organize a casa e faça uma limpeza geral nos armários: antes da virada do ano é importante fazer uma limpeza para retirar coisas materiais que não fazem mais sentido para os moradores. Doe tudo que não é usado ou não combina mais com você. A ideia é desfazer desses objetos para abrir espaço para coisas novas.
 
Faça uma infusão de ervas e borrife pela casa: O alecrim traz alegria e saúde, a hortelã eleva a confiança pessoal e ameniza os medos. Faça uma infusão da erva ou planta escolhida, coe e borrife pela casa.
 
Enfeite a sua casa com flores e plantas: Flores amarelas são indicadas para prosperidade para o lar. As mudas de manjericão e orégano trazem abundância.
 
Escute músicas em casa todos os dias: Faça uma seleção de músicas relaxantes ou que te façam bem.
Aposte nos incensos: O incenso de lavanda acalma o corpo, a mente e a casa. Mirra é recomendado para harmonizar e purificar as energias. Para expulsar energia negativa é o palo santo.
 
Cristais na entrada: Coloque duas pedras, como as Turmalinas Negras entre o rodapé e o batente da porta, sendo uma de cada lado, vão servir como proteção. Pode colocar dois vasos de plantas no lado de fora. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade