Publicidade

Estado de Minas VERÃO 2022

BH-À-PORTER RETOMA MOVIMENTO FASHION

Semana de vendas promovida pela Coopermoda impulsiona o mercado


01/08/2021 04:00

Wagner Penna
 
AMARANTE VERãO' 2022(foto: Divulgação)
AMARANTE VERãO' 2022 (foto: Divulgação)
 

Após um ano e meio sem promover eventos de moda, a capital mineira volta a ter seu primeiro movimento coordenado de negócios do setor na fase da pandemia com a realização da BH-À-Porter, que começa amanhã e vai até sexta-feira. Além do lançamento de coleções-cápsula especialmente para a ocasião (nos próprios showrooms das marcas participantes), também haverá um salão de negócios no Hilton Hotel (Savassi), reunindo grifes com lançamentos diferenciados.
No total serão 76 marcas expositoras e expectativa de atrair quase 100 lojistas-convidados vindos de outros estados e municípios. Para a presidente da Coopermoda, Ivete Dantas,  (entidade  responsável pela iniciativa), essa edição  chega impulsionada pelo desejo das compradoras em retomar o contato direto com nossas marcas, conseguir  produtos mais assertivos para colocar em suas lojas e voltar a vivenciar a experiência com o jeito mineiro de ser – que é um diferencial importante além da criatividade e qualidade de estilo.
 
ARBOUR (foto: Divulgação)
ARBOUR (foto: Divulgação)
 

SUPERAÇÃO Será um marco na retomada da plena atividade das confecções instaladas em Beagá, um dos  referenciais mais importantes na cena industrial, cultural,  social e mesmo turistica de Minas. Mais que isso: é a superação de um momento difícil para todo o circuito produtivo e renovação da esperança quanto à dinâmica de negócios & expansão do setor.
 
CHARTH (foto: Divulgação)
CHARTH (foto: Divulgação)
 
 
Na última edição do evento, realizada em março de 2020, o fechamento total das atividades econômicas em Belo Horizonte, em razão da epidemia da COVID-19, aconteceu no meio da feira. Mesmo assim, os resultados foram bons, com vendas em torno de R$4 milhões, presença de 158 lojistas nas confecções e 90 marcas participantes.
 
MANIE(foto: Divulgação)
MANIE (foto: Divulgação)
 
 
Agora, os números são mais modestos, mas possuem um significado maior para toda a cadeia confeccionista mineira – cujo trabalho continuou na pandemia, mesmo em ritmo mais lento e com registro de algumas baixas no setor.   Na realidade, diz Ivete Dantas, embora a pandemia tenha alterado o perfil do varejo de moda (com crescimento exponencial do e-commerce) a lojista que se manteve no mercado (muitos fecharam as portas), está sentido falta do contato direto com as marcas fornecedoras.  E existe também o lado funcional desse contato: roupa é algo que tem que se tocar, sentir o caimento, ver combinação sutil das tonalidades,  ‘entrar no clima das propostas’  e isso só se consegue com as vendas presenciais. As vendas virtuais devem ser ,apenas, um complemento. Pelo menos, no atacado.
 
FLECHE D'OR(foto: Divulgação)
FLECHE D'OR (foto: Divulgação)
 

DIFERENCIAL E foi pensando nisso, que a maioria das participantes do evento desenvolveu coleções especiais para mostrar durante o BH-À-Porter,  revelando suas inspirações para o verão 2022.
Esse cuidado com produtos e com o estilo são dois dos principais fatores que pesam na decisão de comprar moda em Minas. Quem diz isso é a empresária Maisa Degani, lojista em Marilia (SP), que afirma ter ‘buscado em Minas o diferencial para ter algo a mais para oferecer às nossas clientes”. Isso aconteceu há 38 anos, quando sua mãe abriu a rede (hoje com quatro lojas no interior paulista) e continua influenciando as suas decisões de compra.
 
MARCA PRONTA(foto: Divulgação)
MARCA PRONTA (foto: Divulgação)
 
 
Onde está esse diferencial?  Segundo ela está no cuidado com cada detalhe, exemplificando com a escolha do tecido,  seja tecnológico ou em fibras naturais, refletindo uma preocupação com a cadeia sustentável – o que é muito importante atualmente. Acrescenta, ainda, que as confecções locais são mais que parceiras e amigas e isso vem somar, decisivamente, no mix de marcas de suas lojas. Vale ressaltar  - lembra a empresária paulista - que a moda mineira é mais assertiva em alguns nichos, caso da moda plus size - que é mais glamurosa e atualizada do que em outros pólos fornecedores.
 
Como se diz, a moda feita em Minas tem borogodó diferente, deixa  a mulher mais feminina e sensual, sem ser vulgar, e as clientes tem paixão pelo seu estilo. Quanto ao movimento BH-À-Porter,  Maisa vê como “evento essencial para retomada da economia  fashion, da compra feita com olho no olho, você chega vê a arara produzida,  sente a alma da coleção e isso a compra virtual jamais vai permitir. Gosto da compra presencial e é o que vou fazer em Minas.”

CONSULTORES Para viabilizar a realização do BH-À-Porter, a Coopermoda (associação que reúne um grupo de consultores de moda) cotizou os custos básicos do evento (passagem e hospedagem dos lojistas convidados)  entre seus associados  e as próprias confecções participantes.  Estabelecidas as cotas para cada parte, eles também indicaram a clientela-alvo –ficando com os corretores \consultores a tarefa de confirmar a participação do convidado. No total, são 36 consultores de moda integrantes do BH-À-Porter.
 
O consultor Chico Santoro explica que, além desse trabalho,  também fica por conta desse profissional a logística do  evento , isto é, o traslado da cliente do aeroporto para a Capital, a sua instalação no hotel e acompanhamento aos showrooms das marcas participantes.
Ele assinala que esse evento é muito importante, porque significa o inicio de uma retomada das feiras aqui, vai trazer a cliente novamente a Beagá para rever as marcas de sua preferência,  conhecer as novas grifes e ter uma experiência presencial diferente - onde os ambientes são planejados para recebê-las, ter o display pensado nela.
 
Ele lembra, também, “o bom atendimento do mineiro, que é nosso maior diferencial, assim como a boa roupa com bom acabamento e bom design. Elas adoram isso, atrai muito negócios para BH, não apenas na moda.” Finalmente, o consultor observa que há de lembrar que estão todos devidamente preparados para reiniciar o movimento da moda, depois de um tempo terrível enfrentando a pandemia . Acha que “isso pode ser , inclusive,  um sinalizador  para que outros eventos sejam retomados. É um grande recomeço”.

VITRINE Mais do que uma ação de negócios diferenciada (cada marca expõe em seu próprio showroom, exceção daquelas que se reúnem no Salão de Negócios) o BH-À-Porter é também uma vitrine para marcas com propostas diferenciadas ou em fase inicial. É o caso da Pronta, grife que teve suas atividades iniciadas no final de 2020 e que integra o evento com um produto segmentado.
A saber: além de ter seus tecidos estruturados com o fio Amni Virus-Bac Off, com efeitos antivirais, desenvolvido  pela Rhodia Brasil, também possui cartela de cores reduzida – inicialmente apenas preto e branco. Depois,  acrescentou modelos em vermelho, atendendo  pedido de clientes.
 
A Pronta tem o expressivo apelo fashion de carregar valiosa herança de DNA prestigioso, pois foi criado pela estilista designer Teresa Santos, fundadora da  Patachou – marca que pertenceu ao Grupo Mineiro de Moda, responsável pela nova dimensão adquirida por Minas  na cena fashion nacional como polo criativo de moda , partir dos anos 1980.  O cuidado com o design, o desenvolvimento de produto e a comunicação aprimorada continuam na nova grife.  É um referencial que, inclusive, pode sinalizar um novo patamar na comercialização da moda em pronta-entrega desenvolvida em Minas.
 
Outra marca em fase inicial que comparece ao evento, é a Amarantel (que integra o grupo catarinense La Moda) e mostra criações do estilista mineiro Eduardo Amarante  - cujo DNA criativo são temas que valorizam a brasilidade. Embora a marca já tenha participado de salões de negócios fashion paulistanos (onde foi uma das campeãs de vendas), a sua presença no evento mineiro consolida sua conexão de estilo com a nossa moda.
 
UM VERÃO COLORIDO E OTIMISTA
 
Otimismo em relação ao futuro, escapismo para deixar para trás os recentes momentos de incertezas e busca da beleza refletida em cores e formas que remetem à alegria e frescor, traduzem o espírito das coleções-cápsula que a maioria das marcas montou para mostrar durante o BH-À-Porter.
Associado ao bom estilo da moda mineira e  à reconhecida qualidade do produto aqui confeccionado, o conjunto das propostas desenvolvidas para o tempo quente carrega alto potencial de sucesso. Vendida pelo sistema de pronta-entrega e exclusivamente no atacado ( para os lojistas), a moda que estará nessa semana fashion em BH quer atender a um mercado ávido por retomar um mínimo do antigo normal. E, assim, garantir a permanência da cidade como pólo de moda e preservar o ciclo têxtil mineiro em suas vertentes cultural, econômica e social - com seus milhares de empregos.
 
Um resumo do que propõem as marcas participantes,  indica a valorização de peças femininas delicadas com cores e estampas remetendo à natureza  em cortes estratégicos, caimentos leves e fluidos.   Outras marcas ressaltam saias, vestidos bordados, rendas, inspirações étnicas e babados fazendo contraponto aos clássicos como jeans e camisa branca - além dos blazers e calças em alfaiataria em tons sóbrios. Valem também as peças mais sedutoras e românticas. Fechando o look das suas criações, muitas marcas  completam as coleções com cintos, bolsas, sapatos e bijus.
 
E há ainda coleção que mescla realidade e fantasia em peças multicoloridas, tons vibrantes, volumes em mangas e brilhos. Os detalhes fazem a riqueza de algumas coleções importantes como bordados diversos (desde ao ponto palito, ao ponto russo), peças essenciais na estação como croppeds , vestidos amplos e até um toque de boho chic. Os comprimentos longos e  midis pontuam muitas propostas.
 
Já nos tecidos o mix oferece desde a malha fria aos tecidos naturais, passando pela viscose, linho ,crepe, renda, laise, jeans dentre outros. 
 
Há também bases em algodão, seda e viscose ou jacquards, crepes, sarjas e voils que rivalizam com a vibrante estampa batik em vestidos, macacões e túnicas com aplicações de guipure. Nas tonalidades lilás, lima, azul turquesa e pink são sempre  intensos e aparecem em bases leves e frescas - como crepe de viscose com poás de lurex, devorê de chifon e tricolines.
 
A paleta do verão 2022 tem ainda os tons de neon, o candy, os neutros e as cores primárias. Outras opções são  coral, fúcsia, verde tropical e off- white. Para completar o clima estival, há a leveza da estampa de mini flores em peças fluidas e de alfaiataria
 
Resumindo,  são estampas, cores e formas que reforçam a busca pela esperança renovada na restauração de uma dinâmica produtiva positiva e, ainda, sinal encorajador para o resgate do calendário de eventos fashion da cidade. W.P.
 
As referências de estilo foram compiladas a partir de informações das grifes Amarante, Fleche d’Or, Tufi Duek/TD,  Skazi/SClub,   Romaria, Charth, Arbour e Manie 
 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade