Publicidade

Estado de Minas entrevista/Roseli Siqueira - 65 anos, esteticista e cosmetóloga

Adeus às manchas

Com tratamento natural, contra o uso de protetor solar e indicando sol do meio-dia, esteticista causa polêmica e irrita dermatologistas


14/03/2021 04:00

(foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)

 
 
Terror dos dermatologistas e da indústria de cosméticos, Roseli Siqueira se tornou a queridinha das famosas. Com um tratamento revolucionário com produtos naturais, a mulher, que aos 10 anos colecionava matérias sobre estética, começou a trabalhar com a mãe na adolescência e aos 19 anos já tinha criado sua massagem facial e dava palestras em congressos. Correu o mundo fazendo cursos, e hoje celebra 50 anos de carreira com clientes de todo o país e do exterior, e consegue o que tratamento convencional entrega: redução drástica do melasma, sem volta, mesmo após exposição ao sol. Os resultados são visíveis em menos de um mês.
 
Rosto com melasma antes do tratamento(foto: arquivo Pessoal)
Rosto com melasma antes do tratamento (foto: arquivo Pessoal)
 
 
 30 dias após o tratamento(foto: Arquivo Pessoal)
30 dias após o tratamento (foto: Arquivo Pessoal)
 
 
Fale um pouco de sua infância.
Nasci em Tatuapé. Tenho uma irmã. Minha mãe tinha um salão de beleza, e quando éramos crianças vivíamos andando por lá. Quando eu tinha uns 6 anos, sentei minha irmã em uma cadeirinha e coloquei os bigodins para fazer permanente nos cabelos dela. Minha mãe ficou desesperada, achando que eu tinha passado o produto, mas era só com água. Ficou enroladinho. Brincava de maquiar minhas bonecas. Meu pai era militar e trabalhava como farmacêutico. Tinha um laboratório em casa, onde fazia laquê para minha mãe, entre outras coisas. Isso chamou minha atenção e ele me influenciou muito por causa da farmácia.

Com quantos anos começou a trabalhar? 
Comecei no salão da minha mãe aos 14 anos. Uma vez, fui com ela no depósito em Abaeté comprar produtos, e vi uma linha da Helena Rubstein, de abacate, para a pele. Fiquei louca, pedi a ela para comprar porque queria passar na pele das clientes. Ela comprou. Coloquei uma cortina e uma cadeira e a primeira cliente que chegou eu ofereci a máscara e fiz massagem. Foi assim. Estudava e ia para o salão. No começo não cobrava, elas davam gorjeta. Sempre estudei em escola estadual. Depois fiz o colegial no Acendino Reis, que era puxado, e foi muito bom. Tinha que ler muito. Tinha psicologia, filosofia, história, e isso me deu uma base muito sólida para a vida, me deu estrutura para eu ter a percepção que tenho hoje. Li Freud, e tudo de filosofia.

Qual curso superior você fez?
De belas artes, na Universidade de São Paulo. Desenhava pessoas que  pousavam nuas, ali comecei a observar melhor o corpo e o rosto. Desenhava as pessoas no ônibus, porque o trajeto era longo. Analisava expressões, olhares. Um dia, resolvi desenhar uma estátua que tinha na faculdade. Naquela época já fazia massagens faciais, e as clientes falavam que quando não faziam a massagem parecia que o rosto tinha caído. Entendi que a massagem ajudava a levantar a expressão da pessoa. Quando comecei a desenhar a estátua percebi que damos uma forma quando esculpimos, então, por que não dar forma ao rosto? Se a pessoa viesse frequentemente conseguiria dar forma e aliviar a tensão das expressões. Eu tinha uns 19 anos e foi quando criei a massagem esplendorosa. Percebi que era possível modelar o rosto e definir os contornos. Comecei a levar a sério, intensifiquei os estudos, me interessei mais pelos livros de anatomia. Com 16 anos, participei do meu primeiro congresso de estética, no Rio de Janeiro. Trabalhava e estudava.

Depois que criou a massagem esplendorosa você deslanchou?
Trabalhei muito. Comecei a frequentar congressos, dar palestras, cursos. Eu dava um jeito de fazer minhas viagens, trabalhar e estudar, e ainda fazia inglês. Tinha noites em que não dormia. Fiz Senai. Tudo que achava bacana eu fazia. Depois que me formei, fui para a Argentina estudar cosmetologia, e me apaixonei mais ainda pela área. Estava com 23 anos. Conheci todos os laboratórios, estudei em vários, e acabei ficando no Zine, que influenciou muito a minha vida porque tinham um cuidado especial com a pele. O  Jaime Rubim tinha uma filosofia muito séria de respeito pela pele. Foi na Argentina que conheci o meu químico, que está comigo até hoje. Ele tinha o laboratório Lebiô, onde estudei sobre funcionamento das células e biotecnologia. Na Argentina, eles tinham uma forma muito diferenciada do mundo todo de lidar com os cosméticos, e isso me fascinou. Fiz estágio no Hospital Italiano, onde a pessoa entra com problema de pele e vai para a cosmiatria, e o cosmiatra faz um procedimento de desintoxicação à base de algas, para melhorar a condição da pele e também radiestesia, que trabalha o equilíbrio do corpo. Fiz cursos nos Estados Unidos e na França, além de atualizações em seminários de beleza natural na Europa e na Ásia. Quando voltei da Argentina, passei a representar a linha de cosméticos do Zine no Brasil. Trabalhei 12 anos com essa marca.

Você citou  Jaime Rubim. Em que ele a influenciou?
Ele era o papa da cosmiatria, me ajudou a entender que a química não funciona. Voltei dos Estados Unidos encantada por ácido glicólico, retinoico, despigmentante, vitamina C. E foi ele quem me disse que tudo isso desgastava a pele, que não trazia saúde para as células. Foi aí que parti para a minha linha de cosméticos naturais alinhados com a minha filosofia de vida. Continuei a participar de congressos nos EUA, mesmo sem concordar com a linha, para conhecer o máximo. Estudei cosmetologia, sempre aprendi um respeito pelas células vivas, hidratação da pele, coisas que aumentam a resistência da pele. A minha vivência na área da estética foi pelo mundo, e foi onde eu me encontrei. Parti para a Europa e trouxe uma bagagem incrível de conhecimento energéticos.

Encontrou na Europa e Ásia linha parecida com seu tratamento?
Na Itália, vi um monge do Vietnã fazendo uma massagem no rosto igual à esplendorosa, até me emocionei. O método é o Juan Le Quan, ele tinha 83 anos, e fazia massagem para cura, depois de um equilíbrio energético no corpo. Fiz cursos com ele. Gosto muito desses trabalhos energéticos, tem tudo a ver com a minha filosofia de vida. Foi essa linha que decidi levar para frente com a minha clínica. Por ironia do destino, a Zine foi vendida para a Alergan, que trouxe o botox para o Brasil. Como eu estava lá, acabei dando treinamento para o grupo sobre os cosméticos, e seis meses depois Rubim faleceu. Ofereceram para eu fazer um trabalho lá dentro com uma outra marca de cosméticos que estavam adquirindo, mas não tinha nada a ver porque era invasiva, e não aceitei. Dei várias palestras para a Alergan, antes do botox, e com isso pude colocar a minha filosofia para eles. Isso trouxe um grande retorno para mim.

Você é contra o botox?
Sou contra e sempre deixei muito clara a minha posição. Quando se paralisa a musculatura, compromete-se a circulação e a oxigenação dos tecidos, e isso não traz saúde para a pele, e compromete no futuro. O músculo precisa contrair para eliminar as toxinas, melhorar a circulação. O ideal é hidratar muito a pele para não marcar. Se ela está bem hidratada, a marca não fica. O segredo é esse. Está na hora de as pessoas terem mais consciência de beleza de dentro para fora. Outra droga que apareceu foi o DMAE, pois se você utiliza por mais de seis meses ela pode dar atrofia epidérmica, compromete a oxigenação das células e enfraquece a pele.

A massagem é muito importante?
Quero a beleza verdadeira de dentro para fora, que ganha crédito dia a dia, fazendo massagem facial, trabalhando a respiração, e com o tempo trazer bem-estar, porque tudo fica registrado na memória celular. A massagem facial alivia o estresse, o cansaço, e a pele reflete isso. O ideal é fazer massagens semanais, com produtos naturais. Isso é saúde para a pele.


Tem alcançado resultados surpreendentes em redução do melasma. É possível acabar com o melasma ou só diminuir?
O que podemos fazer para evitar as manchas é fortalecer a pele com umectação, usando óleo 100% natural à base de sementes de abóbora, girassol e coco. Por ser fonte de lipídios, cria uma barreira protegendo a pele. Além disso, usar hidratantes biotecnológicos, que agem a nível celular, e fortalecem a pele. As manchas aparecem por causa do sol, hormônios ou falta de resistência da pele. A pele é o maior órgão do nosso corpo, ela precisa de resistência porque o tempo todo está interagindo com o meio ambiente, com estresse ambiental, poluição, até mesmo a sonora. A pele é nosso escudo, é nossa vida. Toda emoção que passamos ela sente. Temos sempre que fortalecer a pele. Quando usamos lasers fortes, invadem nosso sensorial e comprometem nossa saúde. Não aceito isso. Sempre trabalhei de forma natural alimentando a pele. Uso aparelhos também à base de magnetismo, melhorando o sensorial para trazer o bem-estar. A proposta de melhorar a melanina é dessa forma. Quanto mais forçarmos a pele com ácidos e lasers, a melanina vai ficar mais evidente, eu chamo de soldadinhos da pele, os melanócitos. Na hora em que estão sofrendo porque foram agredidos, os soldadinhos sobem para salvar, e é onde a melanina ataca. Eu resgato esses soldadinhos da pele com trabalhos naturais, antioxidantes, cosméticos naturais, para resgatar a saúde e a vitalidade das células. Dessa forma, as manchas vão se dissipando com muita massagem, ginástica facial e aparelho baseado no magnetismo. Minhas clientes vão para o sol sem filtro solar e todas ficam com a pele cada vez mais linda, dourada.

Fiquei sabendo que você não deixa usar protetor solar e pede para tomar 15 minutos de sol por dia. Isso não prejudica a pele?
Quando uma pele está resistente e hidratada, o próprio organismo cria uma barreira que funciona como um filtro. É assim: se você fortalecer os fibroblastos e a melanina (células que dão cor na pele), juntos aumentam a defesa. Por isso a importância da umectação diária e antes de ir para os 15 minutos diários de sol, aplicar um óleo 100% natural. O sol não mancha a pele. Tem mais: produtos à base de abóbora são excelentes, pois contêm caroteno e ajudam nesse fortalecimento. É importante tomar sol para sintetizar a vitamina D. O ideal é começar com cinco minutos e aumentar até chegar aos 15 minutos. Não ultrapasse esse tempo, pois aí sim, a pele pode manchar, ficar ressecada e levar a problemas mais sérios. Tenho dois filhos, um de 35 e outro de 37 anos, eles nunca usaram filtro solar e a pele deles é maravilhosa. O segredo é cuidar da pele desde criança, só com óleos naturais, tomar sol devagarinho. Quando ficar mais tempo no sol, geralmente nas férias, e a pele ficar vermelha e arder, é só chegar em casa e fazer um mingau de Maizena e passar na pele, para acalmar. Pode usar também mel misturado com água. Esse vermelhinho que ficou vai fortalecendo a pele. Sei que a grande preocupação é o câncer de pele, mas não tem um pescador com câncer de pele, e eles ficam o dia inteiro no sol. Eles têm uma pele muita grossa, isso dá muita ruga, mas não estou falando para ficar o dia inteiro no sol. O ideal é tomar todo dia um pouco de sol das 10h às 15h, para melhorar os hormônios, a melatonina, tirar as inflamações do corpo.

Entre os tratamentos estéticos e dermatológicos modernos, qual você considera mais agressivo?
Acho a vitamina C um absurdo, é ácida, quando passa estica a pele. Na hora fica bonita, dependendo da idade fica ótima, mas no futuro a pele vai manchar, dar mais rugas, flacidez, e a pessoa vai precisar de mais cremes e movimentar mais a indústria. E estamos o tempo todo manipulando o rosto, sorrindo, ficando triste. Essa elasticidade natural é comprometedora com a vitamina C. E ainda tem as diferenças climáticas, ar-condicionado. A pele é o maior órgão do corpo e precisa ter defesa para o meio ambiente. Quando está forte, não sofre com nenhum problema. Quando está bem cuidada por dentro, tem resistência por fora, é saudável. Preservar emoção epicutânea, evitar usar sabonete pela manhã, só usar à noite. Hidratar só com óleos naturais. Isso vai dar resistência à pele.

Conseguiu criar uma linha de produtos 100% natural, sem química nenhuma?
Minha linha de cosméticos é registrada na Anvisa. Trabalho com biotecnologia. Como estudei cosmetologia na Argentina e depois em vários países, fui atrás de princípios ativos que entram mais profundamente na pele, queria um produto que agisse de dentro para fora. Depois de muitas pesquisas com meu químico, chegamos aos resultados desejados. Nunca fizemos produto com ativo sintético. Dizemos que a linha é 100% natural, mas não é, porque temos que colocar conservante. No início, a máscara de flores não tinha conservantes, mas dava bolor. Isso não pode. Então, tivemos que colocar o conservante, em concentração muito baixa, para conseguir registro na Anvisa. Fazemos pesquisa internacional e descobrimos, há alguns anos, que tinha saído na Alemanha um princípio ativo 100% natural que agia na camada germinativa das células. Amei. Compramos, criamos o produto, fizemos um investimento alto na época. Lancei e ninguém deu crédito. É o fitoceltec, que é a célula-tronco da maçã. Após três meses do lançamento, Michele Obama quis um produto com a célula-tronco da maçã, fizeram a pesquisa no mundo todo e apenas nós e mais um tínhamos. Foi um sucesso. Há quatro anos, consegui criar um produto à base de fitoplâncton, que é uma alga com poder de ajudar a célula a se recuperar, melhorar as manchas da pele. 80% do oxigênio do planeta é produzido pelo fitoplâncton, que brilha à noite. Você olha para o mar de noite e vê brilhando, é ele.

Pode dar algumas receitas de máscaras naturais hidratantes?
Máscara com chá – Higienize a pele com chá. Depois, use o mesmo chá escolhido para fazer a máscara. Esquente o chá (quantidade de uma xícara de café, para ser bem concentrado) e coloque uma folha de gelatina. Espere esfriar e aplique no rosto com movimentos ascendentes, para esticar a pele. Deixe por 15 minutos e enxágue. Pode usar a hortelã, que é ótima para combater a acne, ou o chá branco, que tem função rejuvenescedora.
Máscara de algas – Misture ¾ de xícara de água quente com uma folha de gelatina e com um quadrado de 5cm x 1cm de uma folha de alga picada (como é fonte de sais minerais, ajuda na desintoxicação e na defesa da pele). Aplique em todo o rosto. Deixe por 15 minutos. Lave em água corrente e, em seguida, aplique gotinhas de óleo 100% natural.

Como é a massagem esplendorosa?
Foi a minha primeira massagem. Trabalha 500 pontos reflexos no rosto, combatendo a flacidez, moldando os contornos e aliviando o estresse. É aplicada ainda uma máscara de chocolate, que tem como base o cacau (com mais de 800 mil princípios ativos), que ajuda na desintoxicação da pele, minimiza olheiras e devolve a vivacidade. No final, as folhas de ouro são colocadas para potencializar o efeito da máscara de chocolate.

Qual o seu grande sonho?
Quero muito trabalhar com cosmiatria hospitalar com pessoas com problema de pele, alergia e manchas. Ter uma ala especial para a cosmiatria. Seria atendida, passaria por uma hidratação ou massagem, desintoxica e vai embora. E assim a pessoa cria consciência da importância de aumentar a resistência da pele. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade