Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

'Menos Pudor, Mais poder' une forças pela saúde da mulher


postado em 03/03/2019 05:09

Peça desenvolvida pela agência Tom faz apelo:
Peça desenvolvida pela agência Tom faz apelo: "Mais que entender, precisamos falar da saúde da mulher" (foto: Árvore/Divulgação)

 

Em Belo Horizonte, diversas frentes uniram forças para promover o movimento "Menos Pudor, Mais Poder". A campanha é liderada pela Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais – Sogimig- com objetivo de conscientizar sobre a importância de a mulher conhecer seu corpo e ir regularmente ao ginecologista.


A campanha tem peças produzidas pela agência TOM e ações de imprensa e relacionamento comandadas pela Árvore. A meta da Sogimig é diminuir a estatística divulgada recentemente pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), em parceria com o Datafolha. A pesquisa revela que mais de 26 milhões de brasileiras estão com sua saúde ginecológica desassistida - 11% delas não vão ao médico por vergonha. De acordo com o levantamento, 4 milhões de mulheres acima dos 16 anos nunca foram ao ginecologista e 16,2 milhões não vão ao médico há mais de um ano.


Além de oferecer palestras e rodas de conversa gratuitas, abertas à população, o movimento vai lançar o Guia Saúde da Mulher, destacando datas de vacinas e exames importantes, promovendo a saúde e a prevenção de doenças que afetam o público feminino.


O movimento permite que as peças da campanha sejam baixadas na página www.menospudormaispoder.com.br. O presidente da Sogimig explica que a ideia de democratizar o acesso às peças pretende estimular que o público, incluindo os profissionais de saúde, faça parte da construção do movimento. "Em uma campanha assim, a comunicação vira apropriação do público e dos parceiros. Nossa intenção é que eles se apropriem dos conteúdos, frases e demais elementos da campanha. O público se torna parte da construção do movimento", afirma.


Publicidade