Publicidade

Estado de Minas FILOSOFIA

A vida e obra de São Francisco de Assis

Conheça o legado do santo patrono dos pobres e animais.


postado em 04/10/2018 13:28 / atualizado em 04/10/2018 16:26

No dia 4 de outubro é comemorado o Dia Mundial dos Animais e também o dia da festa de São Francisco de Assis, onde igrejas católicas de todo o mundo reservam o domingo mais próximo da data para abençoar os animais. Seu prestígio na Igreja Católica é evidenciado pelo atual papa que explicou aos cardeais que escolheu seu nome em homenagem a São Francisco de Assis.
Frei Adilson Corréa na Paróquia São Francisco das Chagas em Belo Horizonte: tradição de benção aos animais no dia 4 de outubro.(foto: Daniella Silva)
Frei Adilson Corréa na Paróquia São Francisco das Chagas em Belo Horizonte: tradição de benção aos animais no dia 4 de outubro. (foto: Daniella Silva)

Mas quem foi São Francisco de Assis? Giovanni di Pietro di Bernardone, mais conhecido como São Francisco de Assis foi um frade católico da Itália e um dos santos mais populares da Igreja Católica. Nasceu rico, filho de comerciantes italianos, e depois de uma juventude irrequieta e mundana, voltou-se para uma vida religiosa de completa pobreza, fundando a ordem mendicante dos Frades Menores, mais conhecidos como Franciscanos, que renovaram o Catolicismo de seu tempo. Com o hábito da pregação itinerante, quando os religiosos de seu tempo costumavam fixar-se em mosteiros, e com sua crença de que o Evangelho devia ser seguido à risca, imitando-se a vida de Cristo, desenvolveu uma profunda identificação com os problemas de seus semelhantes e com a humanidade do próprio Cristo. 
São Francisco em Oração - Francisco é o santo católico mais retratado na história da arte. De acordo com o curador Stefano Papetti da Casa Fiat, ele é o mais representado na arte italiana.(foto: Pintura de Annibale Carracci)
São Francisco em Oração - Francisco é o santo católico mais retratado na história da arte. De acordo com o curador Stefano Papetti da Casa Fiat, ele é o mais representado na arte italiana. (foto: Pintura de Annibale Carracci)

Sua atitude foi original quando afirmou a bondade e a maravilha da Criação em um período em que o mundo era visto como essencialmente mau e pecador, quando se dedicou aos miseráveis, e quando amou todas as criaturas chamando-as de irmãos. Alguns estudiosos afirmam que sua visão positiva da natureza e do homem, que impregnou a imaginação de toda a sociedade medieval, foi uma das forças primeiras que levaram à formação da filosofia da Renascença, que juntamente com o princípios clássicos gregos, influenciaram os principais pensadores do período como São Tomás de Aquino e Santo Agostinho.
São Francisco de Assis por Portinari: detalhe da presença do cão alude ao amor do santo pelos animais.(foto: Painel de Cândido Portinari)
São Francisco de Assis por Portinari: detalhe da presença do cão alude ao amor do santo pelos animais. (foto: Painel de Cândido Portinari)
O escritor e dramaturgo Dante Alighieri disse que ele foi uma "luz que brilhou sobre o mundo", e para muitos, ele foi a maior figura do Cristianismo desde Jesus. A despeito do enorme prestígio de que o santo desfruta até os dias de hoje, o que fez sua vida e mensagem serem envoltas em copiosa fé e darem origem a inumeráveis representações na arte, como as apresentadas na Casa Fiat (ver http://www.casafiat.com.br),  a pesquisa acadêmica moderna sugere que ainda há muito por elucidar quanto aos aspectos políticos de sua atuação, e que devem ser mais exploradas as conexões desses aspectos com o seu misticismo pessoal. 

Sua vida é reconstituída a partir de biografias escritas pouco após sua morte mas, segundo alguns estudiosos, essas fontes ainda estão à espera de edições críticas mais profundas e completas, pois apresentam contradições factuais e tendem a fazer uma apologia de seu caráter e obras. Mesmo assim, sua posição como um dos grandes santos da Cristandade se firmou enquanto ele ainda era vivo, e permanece inabalada. Foi canonizado pela Igreja Católica menos de dois anos após falecer, em 1228, e por seu apreço à natureza é mundialmente conhecido como o santo patrono dos animais e do meio ambiente que é comemorado no dia 4 de outubro.

Um breve resumo da vida e legado de São Francisco de Assis

Filho de comerciantes italianos, São Francisco de Assis nasceu em 5 de julho de 1182 na cidade Assis, teve uma infância e juventude abastadas. Buscando a glória, o jovem Francisco se alista no exército papal em 1205 contra Frederico II. Nele teve visões que ordenavam o retorno para sua terra natal em Assis onde lhe seria dito os verdadeiros valores a serem seguidos. Já em Assis e tocado pela presença divina,  começou a perder o interesse por seus antigos hábitos de vida e mostrar preocupação pelos necessitados e pela vida religiosa.

Diz a tradição que um dia uma voz chamou a sua atenção para o estado de ruína de uma igreja, e ordenou para que Francisco a reconstruísse. Imediatamente voltou para sua casa, recolheu diversos tecidos caros da loja de seu pai e os vendeu a baixo preço no mercado da cidade, e voltou para a igreja onde tivera sua revelação doando o dinheiro para o padre, a fim de que ele restaurasse a construção decadente. Ao saber disso o pai se enfureceu e o tomou por louco, acorrentando-o no porão. Alguns dias depois sua mãe, por compaixão, livrou-o das correntes, e Francisco foi buscar refúgio junto ao bispo. O pai seguiu-o e o acusou de dissipador de sua fortuna, reclamando uma compensação pelo que ele havia tirado sem licença de sua loja. Então, para a surpresa de todos, Francisco despiu todas as suas roupas e as colocou aos pés do pai, renunciou à sua herança e partiu, completamente nu, para iniciar uma vida de pobreza junto do povo, da qual jamais retornou. 
Renúncia dos Bens Mundanos de São Francisco: retrata o momento em que Francisco desiste de todos os bens materiais da sua família e tornar-se um devoto.(foto: Giotto di Bodone)
Renúncia dos Bens Mundanos de São Francisco: retrata o momento em que Francisco desiste de todos os bens materiais da sua família e tornar-se um devoto. (foto: Giotto di Bodone)

De devoto passou a ser missionário e tendo reunido um grupo de seguidores, dirigiu-se para Roma a fim de obter do papa a autorização para a fundação de sua Ordem, que prescrevia uma pobreza absoluta para seus monges. Segundo o cronista inglês Matthew Paris, lá chegando, sujos e vestidos em trapos, foram ridicularizados pela corte de Inocêncio III, que mandou não aborrecê-lo, e que considerava suas regras excessivamente rigorosa e impraticável, e que fosse pregar entre os porcos. Segundo os relatos, nesse ínterim Inocêncio teve um sonho, onde viu a Basílica de São João de Latrão prestes a desabar, apenas sustentada por um pobre religioso, que ele interpretou como sendo Francisco. Inocêncio finalmente autorizou a criação da Ordem, mas não por escrito, apenas permitiu que pregassem e dessem socorro moral às pessoas, mas acrescentando que se eles conseguissem frutos de seu trabalho, voltassem a ele para que sua situação fosse completamente regularizada. 
Encontro de São Francisco e seus discípulos com o papa Inocêncio: a pobreza desses chocou inicialmente a corte da Igreja Católica.(foto: Giotto di Bodone)
Encontro de São Francisco e seus discípulos com o papa Inocêncio: a pobreza desses chocou inicialmente a corte da Igreja Católica. (foto: Giotto di Bodone)

Chegando a Assis, instalaram-se em uma cabana no campo, onde se dedicaram ao cuidado dos leprosos, ao trabalho manual e à pregação, vivendo de esmolas. Logo a cabana se tornou pequena para o crescente número de seguidores, mas o abade do mosteiro beneditino do Monte Subásio lhes concedeu em fins de 1210 o uso da capela da Porciúncula. Diz a lenda que ínumeras curas e prodígios eram realizados por Francisco. Sua fama como santo já se espalhava, e recebeu em doação o monte Alverne para que erguesse ali um refúgio para os monges. Pregou para os mouros e participou da Quinta Cruzada em 1219, peregrinando pelos lugares santos na Palestina.

Sua ordem cresceu e problemas surgiram a respeito sobre as interpretações iniciais dadas por Francisco de Assis a respeito da pobreza absoluta, trabalho e hierarquia. Para finalizar os conflitos, somente em 29 de novembro de 1223, o papa Honório III formalizou a Ordem, mas alterou muitas das suas regras originais. Mesmo não concordando, São Francisco de Assis aceitou o fato, vivendo seus últimos anos em paz interior. Segundo seus biógrafos, seu amor e compaixão por todas as criaturas fluíam abundantes, ao mesmo tempo que ele experimentava repetidas visões, fazia outros milagres, continuava a percorrer a região em pregações, e multidões o seguiam para vê-lo e tocá-lo. Ele foi o primeiro cristão a ser registrado com estigmas - condição em que ele desenvolvia as mesmas feridas de Cristo. Em 1226, sentindo a morte próxima, deu instruções para ser sepultado nu e faleceu no dia 3 de outubro rodeado de amigos e religiosos. 

Mesmo com sua insistência na pobreza total para a vida religiosa, em menos de um século depois de sua morte a Ordem dos Franciscanos já era tão rica quanto as outras instituições católicas e muitos de seus membros haviam se tornado ocupantes de importantes cargos na Igreja e nas universidades católicas. Apesar disso, até mesmo nos dias atuais, seu exemplo de fraternidade e de engajamento autêntico com a vida dos pobres tem um grande valor inspiracional para os Teólogos da Libertação em suas lutas políticas no Terceiro Mundo. Em uma de suas pregações, São Francisco de Assis disse "devemos aceitar com serenidade as coisas que não podemos modificar, ter coragem para modificar as que podemos e sabedoria para perceber a diferença".
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade