Publicidade

Estado de Minas

Milhares de estudantes e professores em BH protestam contra cortes na educação

Protestos em defesa da educação pública estão marcados para esta quarta-feira (15) em diversos estados brasileiros


postado em 15/05/2019 09:36 / atualizado em 15/05/2019 20:38


Estudantes e professores realizam uma das maiores manifestações dos últimos anos em Belo Horizonte. O protesto é contra os cortes de verba na educação pública, anunciados pelo MEC.

 

Centenas de pessoas começaram a se reunir desde cedo, como ocorreu em frente à Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), no bairro Floresta.

 

Os manifestantes usam a hashtag #15M para marcar os protestos e voltam a entoar o grito de junho de 2013, "vem pra rua".



 

Manifestantes saíram também do Centro Federal de Ensino Tecnológico (Cefet-MG) e do campus da UFMG na Pampulha em direção à Praça da Estação, onde foi programada a manifestação geral.

Os estudantes empunharam cartazes em defesa da educação pública, com frases como "Contra o retrocesso", "Esse ano eu vou formar", "Lutei pra entrar, vou lutar pra ficar", "Tira a mão do meu futuro", "Universidade não é balbúrdia".

Concentração em frente à Faculdade de Medicina da UFMG(foto: Facebook/Reprodução)
Concentração em frente à Faculdade de Medicina da UFMG (foto: Facebook/Reprodução)


Professores e estudantes também apontaram como os cortes impactam na descontinuidade das pesquisas. De acordo com a lei orçamentária (LOA), estavam previstos R$ 215 milhões para UFMG e os cortes podem chegar a cerca de R$ 64,5 milhões.

 

Um grupo de indígenas também participou da passeata, alguns com rostos pintados e cocares. Eles também trouxeram cartazes, entre eles um onde estava escrito: "O governo não pode dar educação pois a educação derruba o governo".

Indígenas na Avenida Afonso Pena, em BH(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Indígenas na Avenida Afonso Pena, em BH (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
 

 

Na altura da Praça Sete, uma garoa caiu sobre a região, sem afetar os manifestantes, que cantaram: "pode chover, pode molhar. Pela ciência eu não paro de lutar".

O trânsito foi fechado em uma das pistas da Avenida das Andradas para chegada da passeata à Praça da Estação. Veículos foram desviados para a Rua Tupinambás.

Rua Tupinambás, em BH(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Rua Tupinambás, em BH (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)

 

Milhares de manifestantes chegaram à Praça da Estação por volta de 11h e ocuparam os arredores.  "Nós vamos fazer esse país pegar fogo contra a reforma da previdência e contra os cortes na educação", gritou uma líder do Sind-REDE BH, do alto do caminhão de som.

Praça da Estação, em BH(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Praça da Estação, em BH (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
 

 

Em seguida, os manifestantes tomaram o pirulito da Praça Sete, no Centro. O trânsito foi interrompido nos dois sentidos da Avenida Afonso Pena e da Avenida Amazonas.

 

Da Praça Sete, o protesto seguiu para a Praça Raul Soares. Os manifestantes lotaram a Avenida Amazonas, sentido Cidade Industrial. 

(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
 

 

Houve um início de tumulto envolvendo um motorista, que tentou passar com o carro na rua são Paulo com Amazonas, furando a passeata. O homem foi chamado de 'bolsominion' e a PM teve de intervir para controlar os ânimos.

(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
 

 

Segundo os organizadores, a manifestação atraiu 200 mil pessoas. A Polícia Militar de Minas Gerais informou que não faz mais estimativas de público em eventos e protestos.

 

Como em toda manifestação grande como essa, houve espaço para outras reivindicações. No pirulito, uma bandeira foi levantada em homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro em março de 2018. O crime não foi esclarecido até hoje. Também apareceu uma faixa de protesto contra a PEC que tramita no Congresso Nacional para reformar a Previdência. 

(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
 

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade