Publicidade

Estado de Minas

Encerradas as incrições para o Enem, é hora de treino, leitura e atenção às notícias

Momento é de mergulhar nos livros e repassar conteúdos, sem perder de vista os temas atuais, para vencer os desafios dos testes, neste ano em dois domingos


postado em 24/05/2017 06:00 / atualizado em 24/05/2017 07:55

Letícia Finamore Souza se prepara para o Enem na escola e em casa:
Letícia Finamore Souza se prepara para o Enem na escola e em casa: "Tenho mais facilidade de aprender quando escrevo o que vejo em sala, então faço resumos textos e releio tudo para fixar. É o que funciona para mim", conta (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)
Disciplina, planejamento e treino. Esse é o tripé ao qual, a partir de agora, quem está de olho numa vaga em universidade deve ficar atento. Faltam cerca de seis meses para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2017, marcadas para novembro.

Para muitos, pode parecer um longo tempo, mas, para aqueles que se inscreveram no exame, já está na hora de cair de cabeça nos estudos. Além do nervosismo natural que ronda a prova, a edição deste ano terá mudanças, aprovadas pelo Ministério da Educação (MEC), que preocupam ainda mais os estudantes. Entre elas, provas em dois domingos consecutivos, redação no primeiro dia e a alteração para obter o certificado de conclusão do ensino médio.

A professora Regina Mota, dona do curso de português e redação que leva seu nome, na Savassi, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, diz que o fim das inscrições, na última sexta-feira, é um marco e um alerta de que o Enem não está tão longe assim. “Para quem ainda não começou a se planejar é hora de fazê-lo, pois ainda dá tempo. E os alunos que não têm hábito de leitura também devem começar”, adverte. “As provas são preparadas entre os meses de maio e junho, logo, os estudantes devem estar atentos aos temas atuais”, ressalta. Planejar requer dividir disciplinas para estudar por mais tempo aquelas nas quais se tem mais dificuldade, sem esquecer de dar atenção aos conteúdos que se domina.

Letícia Finamore Souza é aluna do terceiro ano do Colégio Arnaldo e não perde tempo. Ela conta que vem se preparando desde o início do ano letivo. “Comecei a estudar logo em janeiro. Estudo na escola e, em casa, revejo as matérias dos anos anteriores. Tenho mais facilidade de aprender quando escrevo o que vejo em sala, então faço resumos, textos e releio tudo para fixar. É o que funciona para mim”, afirma.

Estudar os conteúdos e muita leitura são os segredos para o sucesso no exame nacional. “Na redação, é muito treino, treino e treino. Ajuda muito a leitura de editoriais e artigos de opinião, localizando a ideia central do texto, o que engrandece os argumentos. Diante da dedicação a conteúdos densos, ler é uma forma de relaxar”, afirma a professora Regina Mota.

Neste ano, além da nova regra quanto às datas de realização das provas, que estabelece que o Enem passe a ser aplicado em dois domingos – 5 e 12 de novembro –, outra mudança é na redação, tradicionalmente aplicada no segundo dia de provas. Agora, os alunos farão a produção de texto no primeiro dia, com linguagens e códigos e ciências humanas. Com isso, o dia 5 terá o maior tempo de avaliação: 5h30 min. No dia 12, serão 4h30min, com as provas de ciências da natureza e matemática. A decisão foi tomada por meio da uma consulta pública feita no início do ano pelo Ministério da Educação (MEC), para avaliar mudanças no exame.

Quanto à alteração na data da redação, Letícia gostou da mudança. “A redação é o que nos deixa mais ansiosos, então, será bom fazê-la logo no primeiro dia. Antes, porém, tínhamos uma ideia do tema da dissertação pelo teor das questões de sábado; agora fica a dúvida se a prova terá questões relacionadas ao tema no dia.” A estudante, que vai tentar o curso de jornalismo na UFMG, aponta que as novidades causam insegurança. “Nesta edição, tudo será diferente. Votei na consulta pública e acho que algumas mudanças, como divisão do Enem em dois domingos, são benéficas porque poderemos usar essa semana para descansar. O problema é que ninguém sabe como será, de fato, essa prova em novo formato. Isso reforça o nervosismo”, explica.

SEM DIPLOMA
O fim do uso do Enem para certificação do ensino médio pode ter provocado a queda expressiva no total dos inscritos deste ano. Até o último balanço, 592.371 pessoas se inscreveram em Minas e 6.535.884 no Brasil. Em 2016, 9.276.328 pessoas se inscreveram. Para obtenção do diploma por meio do Enem, era necessário alcançar 450 pontos em cada uma das quatro provas objetivas e 500 na redação. Com a mudança anunciada, Kelly Cristina Santos, de 44, acredita que ficou prejudicada. “Fiz a prova no ano passado porque parei os estudos no ensino fundamental, mas gostaria de concluí-los. Consegui fazer a média em todas as disciplinas, exceto em matemática. Pensei que eu poderia retornar este ano pelo Enem. É uma perda. Uma porta importante que se fechou”, afirma.

Ela ainda contou que estudou pela plataforma de estudos credenciada pelo MEC, que tem vídeoaulas, simulados, e, agora, terá que mudar sua forma de estudo. Este ano, ela poderá se inscrever para obter o diploma por meio do uso do Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja). “Procurei sobre o Encceja, porém, é um exame muito pouco divulgado. Não encontrei muitas informações. Inclusive, quando tentei me inscrever, já tinha passado o prazo. Preferia se continuasse pelo Enem”, concluiu.

OUTRAS MUDANÇAS
No quesito segurança, mudam critérios do caderno de questões, que passam a ter nome e número de inscrição do participante. O objetivo é facilitar a identificação de possíveis fraudadores. Os cadernos continuam a ter cores diferentes, mas não será mais necessário assinalar a cor no cartão-resposta. Está mantida a obrigatoriedade de transcrever a frase de segurança do caderno para o cartão-resposta.

Um novo recurso de acessibilidade começa a ser oferecido, em caráter experimental. Os participantes surdos ou deficientes auditivos poderão participar de aplicação experimental de um dispositivo em vídeo contendo questões traduzidas para a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Outra novidade é em relação ao tempo adicional, que não poderá mais ser solicitado na hora da prova, mas apenas no ato da inscrição – exclusividade de participantes deficientes ou com outra condição especial. (*Estagiária sob orientação do editor André Garcia)

FIQUE DE OLHO

O que muda no Enem 2017

» Provas em dois domingos consecutivos

» Redação no primeiro dia
» Não serve como certificação
» Provas com o seu nome
» Videoprova em Libras
» Solicitação de tempo adicional no ato da inscrição
» Declaração de comparecimento impressa por você
» Novas regras para isenção e ausência
Fonte: Inep

Palavra de especialista
Viviane Santos Birchal
- coordenadora do Projeto de Extensão Equalizar

Planejar é preciso

É importante a leitura e entendimento do edital do Enem 2017 e atenção para as habilidades e conteúdos que serão avaliados. Exercitar-se a partir de provas de anos anteriores pode ser bastante útil para percepção do formato das questões normalmente presentes no exame. Os candidatos devem se preparar com antecedência e planejar seu tempo de modo a dedicar-se ao entendimento dos conteúdos, fazendo resumos e sanando dúvidas com professores e outras fontes disponíveis. É importante também a leitura de jornais e revistas, permitindo que o candidato esteja a par de temas da atualidade, realizando uma avaliação crítica e argumentativa dos fatos. Ferramentas on-line, como vídeos de aulas que abordam os conteúdos do ensino médio também podem ser bastante úteis. Por fim, é necessário também preservar algum tempo para o lazer e descanso, o que é necessário para um bom rendimento nos estudos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade