Publicidade

Estado de Minas

Professora transforma escadas de condomínio em espaço de aprendizado para o filho


postado em 15/12/2013 14:34 / atualizado em 15/12/2013 14:44

Os degraus e as paredes viraram uma sala de aula cheia de cores, que inclui a ''estante do vocabulário'' e uma minibiblioteca. (foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press)
Os degraus e as paredes viraram uma sala de aula cheia de cores, que inclui a ''estante do vocabulário'' e uma minibiblioteca. (foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press)

Andrea Duarte é professora há 22 anos e durante 19 anos se dedicou à tarefa de educar jovens e adultos. Mas o maior desafio que Andrea encontrou, no entanto, foi dentro de casa, com o filho de seis anos. Lucas, que vai cursar o primeiro ano do ensino fundamental (antiga alfabetização) em 2014, sempre foi um aluno comportado, mas não conseguia se concentrar nos estudos quando saía da escola e a falta de atenção começou a afetar seus resultados no colégio. Constantemente chamada a conversar na unidade de ensino por causa das dificuldades do filho nas avaliações, Andrea percebeu que o problema de Lucas não estava em não saber os conteúdos, mas na insegurança e desinteresse em aprender. Para ajudar o pequeno a embarcar no mundo do conhecimento de forma prazerosa, Andrea transformou a escadaria do prédio onde moram, em Olinda, num espaço cheio de estímulos.

O garoto pedia insistentemente uma casa na árvore ou um clubinho e foi daí que nasceu a ideia de criar um lugar só para ele. “Peguei os desenhos e personagens que ele mais gosta e criei a escada da leitura. Lá ele tem livros, jogos educativos, um quadro para escrever e várias outras atividades só para ele”, contou.

Seis meses depois de ter montado o espaço, Andrea comemora, orgulhosa, os resultados que já começam a aparecer. “Eu mesmo comecei a dizer à professora como conseguia que ele respondesse ao que eu propunha em casa e ela foi fazendo por lá também. Agora além de ter melhorado nessa questão, ele está mais desenvolto, melhorou a também a socialização”, comemora a mãe.

(foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press)
(foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press)

“Peguei um porta-sapatos daqueles de parede e criei o ‘nosso vocabulário’ com palavras impressas dentro de cada espaço. Ele ainda está aprendendo a ler, mas sempre pega uma palavra e se arrisca. Quando ele acerta, anota no quadro a palavra que leu. Tudo no ritmo dele, sem pressão. Ele brinca e eu pego carona”, afirmou Andrea, que garante que o espaço também a ajudou a encarar sua própria ansiedade.

“Além da minha preocupação com ele eu me preocupava comigo mesma. Eu queria que ele fosse lendo e muitas vezes me vi exigindo demais e comparando ele com outros alunos. Para não prejudicá-lo e não deixá-lo mais ansioso eu fui lendo e me informando sobre tudo isso”, desabafou a professora.
(foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press)
(foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press)

Lucas adora o espaço criado pela mãe e passa boa parte do dia brincando de aprender na escada da leitura, que já é o lugar favorito dos primos e amigos do menino na casa e onde todos se reúnem para se divertir. “Coloquei algumas fotos nas redes sociais e muitas mães já me pediram para fazer igual”, contou animada.

Hoje a escada da leitura faz parte da rotina da casa e da vida de Andrea e Lucas, que encontraram nesse cantinho uma forma de equilibrar sua ansiedade e as dificuldades de cada um. Orgulhosa dos frutos de sua ideia, Andrea acredita que a sensibilidade faz parte da educação e que é preciso e possível enxergar as habilidades e peculiaridades de cada um neste processo de construção do conhecimento.


Publicidade