Publicidade

Estado de Minas

Professores criam roteiro para os candidatos que vão encarar o Enem

Exame Nacional do Ensino Médio acontece em outubro. Disputa com 6 milhões de alunos


postado em 19/05/2013 06:00 / atualizado em 19/05/2013 07:32

Ana Carolina Campera acha fundamental administrar a pressão e Pedro Quinaud aposta na leitura de atualidades e na prática de exercícios (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Ana Carolina Campera acha fundamental administrar a pressão e Pedro Quinaud aposta na leitura de atualidades e na prática de exercícios (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

 

As regras do jogo estão definidas. Daqui a cinco meses e meio, milhões de estudantes brasileiros estarão frente a frente com a prova mais importante do país, definidora do futuro de milhares de novos universitários. A expectativa é de que, nos dias 26 e 27 de outubro, 6,1 milhões de alunos se submetam ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), batendo um recorde de candidatos. Os números de pessoas a se cadastrarem no sistema avança a cada dia e, até este fim de semana, o Ministério da Educação (MEC) registrou mais de 2,75 milhões de inscrições.

Professores avisam: dá tempo de sobra para estudar e concorrer às vagas das principais universidades, incluindo a Federal de Minas Gerais (UFMG), que este ano adotou a avaliação como critério único de seleção. Para dar uma força a quem não larga dos livros e cadernos, o Estado de Minas elaborou um guia para os alunos aproveitarem o tempo que falta e fazerem bonito no dia do teste.

O diretor de ensino do Unimaster, Jair Corgozinho, diz que o fundamental é ter disciplina e duas frentes de preocupação. A primeira é com o conteúdo e a segunda é com a necessidade de orientar os estudos para a experimentação prática do exercício. Para isso, ele sugere fazer um plano de estudos semanal para ser seguido fora da sala de aula, incluindo sábado e domingo. Nele, o aluno deve contemplar várias disciplinas por dia, separando entre uma hora e meia a uma hora e 45 minutos de estudos para cada uma, com intervalos de descanso entre elas. “Não se deve estudar as matérias da mesma área, é preciso diversificar, fazendo rodízio para se manter em dia com todas elas, sempre equacionando teoria e prática”, ressalta.

Outro fator fundamental, segundo o professor, é estudar todas as matérias, dando o mesmo peso e importância. “Sem a segunda etapa da UFMG, acabou a prioridade das áreas específicas”, diz. Agilidade de leitura para ter tempo de responder às 45 questões de cada área também é essencial, o que exige uma eficiência maior do aluno na execução dos exercícios, principalmente em se tratando das provas de linguagem e matemática. O professor acrescenta que não há preparação única e exclusiva, por isso, se preparar para o Enem é estar com o conteúdo na ponta da língua para enfrentar qualquer vestibular.

Diferença

Do Colégio Santo Antônio, o professor de química Robson Araújo destaca que a prova do Enem não é mais difícil nem mais fácil do que a de os outros vestibulares, apenas diferente. “Essa diferença ainda não foi totalmente compreendida pela maioria das escolas. Observamos que as críticas são geralmente contraditórias. Enquanto alguns falam que esse modelo de prova é elementar, outros dizem que ele é elitista, contendo questões muito contextualizadas, as quais o estudante não conseguiria interpretar e resolver com facilidade”, afirma.

De acordo com Araújo, quando analisadas as últimas provas e as matrizes curriculares do exame, no entanto, percebe-se uma estrutura sólida. “Esperamos que, em breve, o Enem consiga convencer todos de sua importância e de seu valor”, relata.

UFMG com etapa única

Nesse cenário está a grande preocupação dos alunos: a seleção da UFMG. A universidade anunciou este ano o fim da segunda etapa – na qual ela cobrava, em provas abertas, conteúdos específicos de cada área dos cursos oferecidos – para aderir ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Para a aluna do 3º ano do ensino médio do Colégio Santo Antônio, Ana Carolina Campera de Rezende Soares, de 17 anos, candidata a uma vaga no curso de relações internacionais, a adesão da Federal de Minas era apenas questão de tempo. Na escola, além do turno da manhã, tem cinco aulas à noite duas vezes por semana e aulas quinzenais de redação. “O fundamental é saber administrar a pressão, o tempo e a quantidade enorme de questões. O vestibular da UFMG vai ficar diferente, não necessariamente melhor ou pior”, acrescenta.

O colega dela, Pedro Quinaud, também de 17, ainda não escolheu para qual das engenharias fará o vestibular, mas não perde tempo na preparação. “Ainda há muito tempo para estudar e revisar muitas matérias. A polêmica agora é a redação, por causa da etapa única da UFMG. É necessário rigor maior na correção, pelo fato de ter muito peso. É bom que as regras estejam claras”, diz. Pedro aposta na leitura de atualidades e na prática de exercícios. “À medida que você lê, desenvolve vocabulário, raciocínio e conteúdo”, ressalta.

Jair Corgozinho, do Unimaster, manda o recado: “A UFMG fica mais difícil, sim, mais em função da concorrência, porque a prova em si do Enem não mudou (até a edição do vestibular deste ano, ele era aceito como seleção da primeira etapa). Passa a ter um leque e quantidade maior de candidatos e há um atrativo para o nicho paulista. Mas, o aluno sério, comprometido, disciplinado e que estuda passa com certeza.”

PLANEJAMENTO: NÃO PERCA O PRAZO

Inscrições exclusivamente pela internet
(sistemasenem2.inep.gov.br/inscricaoEnem)

Prazo final:    27 de maio
Valor:     R$ 35
Último dia para pagamento:    29 de maio

Isenção: para estudantes de escolas públicas que vão se formar no ensino médio este ano         e para candidatos que comprovem renda familiar per capita de até 1,5 salário mínimo.

FIQUE LIGADO
Confira as dicas de preparação dadas pelo professor Carlos Freitas, coordenador do 3º ano do ensino médio do Colégio Loyola

>>  É importante cada aluno rever suas atividades semanais e fazer uma agenda, com todo o planejamento de estudos, lazer e demais atividades. A cada semana o jovem tem uma rotina diferente; portanto, é importante que ele relacione todas as atividades padrões e as encaixe nesse planejamento semanal.

>>  O aluno deve estudar todos os dias as matérias que tem mais dificuldade, porém, em curtos períodos de tempo. Quanto mais tempo o aluno gasta para estudar uma mesma matéria, menos ele mantém o nível de concentração e isso será diretamente proporcional à absorção do conteúdo.

>>  É importante o aluno manter atividades físicas regulares, pois elas ajudam na capacidade de concentração e aeróbica, mas também fazem com que o jovem tenha disposição para estudar e não cansar tanto no dia da prova, cuja carga horária é alta.

>>  O aluno que perde média durante o ano deve evitar pensar naquela queda de nota e onde ele teve baixo desempenho. Quando isso ocorre, o aluno deve evitar a autoavaliação e se preocupar onde pode melhorar para reverter a situação. Quanto mais ele pensa no efeito negativo, mais ele vai perder a autoconfiança.

>>  As principais matérias para o aluno estudar são matemática, física e química, porém, a que pode ser decisiva na nota é a prova de matemática. A matéria equivale a 20% do total da nota. Se o aluno estuda e absorve bem esse conteúdo, ele também vai estudar melhor física e química, que têm a matemática como base.

>>  O tempo de dedicação aos estudos fora dos horários de aula deve ter intervalos relacionados. Por exemplo: se o aluno estuda uma matéria durante 25 minutos, ele deve fazer um intervalo de cinco minutos. Se ele estuda 50 minutos, o intervalo deve ser maior, de 10 minutos.

>>  É importante mesclar as matérias ao estudar. O aluno pode alternar matemática e história ou biologia e português, por exemplo. Afinal, essa é a ideia do Enem, universalizar os assuntos e matérias.

>>  Descansar e se divertir é essencial. O aluno deve ter lazer pelo menos uma vez na semana e dormir, em média, sete horas por dia. Assim, ele evita o estresse, a ansiedade e absorve melhor os conteúdos de estudo.

>> A família deve ajudar na rotina do aluno, dando o suporte necessário de que ele precisa, como um bom ambiente de estudo e boa alimentação, e também incentivá-lo a praticar atividades físicas.

O DIA D


26 de outubro - Ciências humanas (geografia, história, filosofia e sociologia), ciências da natureza (biologia, física e química)
Tempo de duração: 4 horas  e meia

27 de outubro - Linguagens e códigos (português), matemática e redação
Tempo de duração: 5 horas e meia

Abertura dos portões: 12h (horário de Brasília)
Horário de início: 13h (horário de Brasília)

Divulgação do gabarito: 30     de outubro
Resultado: data ainda será informada

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade