Publicidade

Estado de Minas

Desembargador concede liminar e veta transferência do goleiro Bruno para presídio de segurança máxima

Magistrado argumenta que 'julgamento do mérito' do réu, o recurso, precisa ser apreciado pela Justiça antes da mudança para o Complexo Penitenciário Nelson Hungria


postado em 28/02/2019 22:25 / atualizado em 28/02/2019 22:28

(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

 

O goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, mandante do assassinato da modelo Eliza Samudio, vai continuar detido em Varginha, na Região Sul de Minas. Em liminar concedida na noite desta quinta-feira, o desembargador Fausto de Castro argumentou que a transferência para o Complexo Penitenciário Nelson Hungria só poderia acontecer depois do “julgamento do mérito”, isto é, a apreciação do recurso apresentado pela defesa do ex-jogador do Flamengo.


Nessa quarta, o Tribunal de Justiça havia determinado a transferência dele para o presídio situado em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A justificativa era uma falta grave aplicada pela Justiça, após o goleiro ser flagrado pela reportagem da TV Alterosa com mulheres e bebida em um local onde trabalhava, ao lado da Apac de Varginha.


A informação foi publicada pelo portal G1 – Sul de Minas e confirmada pelo Estado de Minas. Por conta do episódio, ocorrido em outubro do ano passado, Bruno foi condenado por falta grave no dia 11 de fevereiro, pelo juiz Tarciso Moreira de Souza, 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha.


Condenado por homicídio triplamente qualificado pela morte e desaparecimento do corpo de Eliza Samudio e pelo sequestro privado do filho, o goleiro estava próximo de ir para o regime semiaberto. Porém, com a falta grave, ele só deve ter direito a progressão de pena em 2023.


Em reportagem exibida pela TV Alterosa, em 18 de outubro do ano passado, o goleiro foi encontrado em um bar da Associação de Esportes, que fica ao lado da Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac), no horário em que ele deveria trabalhar. Ele estava na companhia de mulheres e, na mesa, havia uma lata de cerveja. Na troca de mensagens com as mulheres, o goleiro explicava onde fica o local. (Com informações de Cristiane Silva e Luiz Ribeiro)


Publicidade