Publicidade

Estado de Minas

Juiz diz que há chances de Bruno ir para prisão domiciliar em 15 dias

Pedido de progressão de regime para semiaberto, feito pelo advogado do atleta, será analisado ainda este mês. De acordo com juiz, se réu atender requisitos legais vai cumprir prisão domiciliar


postado em 12/05/2017 18:15 / atualizado em 12/05/2017 19:13

Sem espaço no presídio de Varginha para presos do semiaberto, Bruno vai para casa(foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA)
Sem espaço no presídio de Varginha para presos do semiaberto, Bruno vai para casa (foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA)
O goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, de 32 anos, pode ganhar liberdade ainda este mês. O pedido de progressão de regime encaminhado nesta semana ao Fórum de Varginha, no Sul de Minas, será apreciado nos próximos 15 dias, segundo informou o juiz Oilson Hoffman, da 1ª Vara Criminal da comarca, em entrevista à TV Alterosa. Bruno, que já cumpriu dois quintos da pena de 17 anos e seis meses pelo assassinato de sua ex-amante Eliza Samudio, em 2010, pode passar ao regime semiaberto, em que fica livre para trabalhar durante dia, e retorna à noite para a unidade prisional.

À reportagem da TV Alterosa em Varginha, o juiz Oilson Hoffman, afirma que em duas semanas vai analisar a guia de execução penal de Bruno Fernandes. “Caso ele tenha cumprido os dois quintos da condenação, ele receberá progressão de pena. Como o presídio de Varginha não tem estabelecimento próprio para receber presos nesse regime, Bruno poderá ir para o regime semiaberto domiciliar. O mesmo acontece com outros 312 condenados em Varginha”, disse o juiz.

De acordo com o advogado do goleiro, Lúcio Adolfo, seu cliente tem 405 dias para serem descontados da condenação, pela remição de pena por ter trabalhado e estudado durante o regime fechado. Quando foi solto, em 24 de fevereiro deste ano, Bruno já havia cumprido seis anos e sete meses de prisão. Somando os dias de remição, já teria direito à progressão de regime, pelo crime de homicídio qualificado.

Em 8 de março de 2013, Bruno Fernandes foi condenado a 17 anos e seis meses em regime fechado por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima). Na soma da sentença, teve ainda mais três anos e três meses, que seria em regime aberto, pelo sequestro e cárcere privado e ainda a mais um ano e seis meses por ocultação de cadáver. Por ser o mandante, teve a pena aumentada e, ao mesmo tempo, reduzida pela confissão, com cobndenação total de 22 anos e três meses.

O goleiro foi preso desde 7 de julho de 2010. Mas, beneficiado por liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, em pedido de habeas, ganhou liberdade em 24 de fevereiro último. O ministro concedeu a ele o direito de aguardar em liberdade o julgamento de um recurso contra sua condenação, tramitando no Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Solto, se mudou para Varginha e retomou a carreira profissional, no Boa Esporte.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade